Jogando xadrez com os anjos


4.27365 296



Jogando xadrez com os anjos





Jogando xadrez com os anjos - Inglaterra, 1947. A Europa encontra-se devastada pela Segunda Guerra Mundial, assim como o coração de Anny. A garota de oito anos vê seu mundo desmoronar ao receber a notícia de que não poderá mais viver com os pais e terá que se mudar de casa levando pouco mais que seu tabuleiro de xadrez. Tudo parecia um pesadelo, até que surge Pepeu, um jovem misterioso que mudará para sempre a vida de Anny, levando-a a aprender sobre o mundo e a viver momentos emocionantes sem sair dos canteiros de seu pequeno jardim. Ao lado de anjos que são colocados em sua jornada, a doce menina aprende a enfrentar as dificuldades através de lições de abnegação, fé e amor verdadeiro.

Edições (3)

ver mais
Jogando xadrez com os anjos
Jogando xadrez com os anjos
Xadrez

Similares

(1) ver mais
A Menina Que Roubava Livros

Resenhas para Jogando xadrez com os anjos (63)

ver mais
Xadrez - Fabiane Ribeiro


“Ela podia ser quem desejasse ser. E ela desejava ser livre. Portando, assim era sua alma.” – Página 78, Capítulo 3. Fabiane Ribeiro tem uma sensibilidade para a escrita que pouquíssimos autores têm na atualidade. Ela transmite uma veracidade em suas linhas que fica difícil não sorrir, chorar, torcer e rezar junto com a pequena Anny que tem em seu coração uma carga incrível de amor e sabedoria. Xadrez é um livro que toca seu coração e que lembra o quão importante é nunca perder a li...
publicidade

Vídeos Jogando xadrez com os anjos (2)

ver mais

Jogando Xadrez Com Os Anjos

Vídeo Trailer do livro "Xadrez"


Estatísticas para Jogando xadrez com os anjos

Desejam319
Trocam29
Avaliações 4.1 / 428
5
ranking 51
51%
4
ranking 24
24%
3
ranking 16
16%
2
ranking 6
6%
1
ranking 3
3%

12%

88%

Fabiane Ribeiro
cadastrou em:
13/07/2011 01:14:38
Fabiane Ribeiro
editou em:
26/12/2014 22:24:54


logo skoob
"Diferentemente das redes de relacionamento pessoal, o que importa no site não são as fotos dos usuários ou para que time eles torcem, e sim o que merece ou não ser lido."

Estadão