Livro de Ouro da História da Música

Otto Maria Carpeaux



Livro de Ouro da História da Música


Da Idade Média ao século XX




Destinado não só aos profissionais, mas também a todos que têm música pulsando nas veias, o livro trata exclusivamente da música ocidental. Em nenhuma outra civilização ocupa um compositor a posição central de Beethoven na história da nossa civilização; nenhuma outra civilização produziu fenômeno comparável à polifonia de Bach, explica Carpeaux.

São sete séculos de música temperados com detalhes históricos e explanações teóricas preciosas. Ele nos fala de um Beethoven malvestido com a mesma naturalidade que discorre sobre o Alto Romantismo alemão, classifica a arte de Villa-Lobos como a Declaração da Independência musical do Brasil, questiona o espanholismo de Carmen e muito mais.

Sobre o autor:

Nascido em 1900, Otto Maria Carpeaux é filho da mesma Áustria que forjou Mozart e Haydn. Naturalizado brasileiro, faleceu no Rio de Janeiro, aos 78 anos. Erudito, com sólida formação humanística, trouxe para o Brasil uma contribuição da maior importância como crítico e ensaísta, em vários setores da cultura. Seus livros publicados pela Ediouro são: Tendências Contemporâneas na Literatura; As Revoltas Modernistas na Literatura; Uma Nova História da Música.

Edições (2) ver mais
Livro de Ouro da História da Música
Livro de Ouro da História da Música
Similares (1) ver mais
O Livro de Ouro da História do Brasil
Resenhas (1) ver mais
Obra de referência fundamental
on 6/2/09


Carpeaux já morreu há mais de vinte anos, esse livro foi publicado ainda bem antes disso, mas sua importância não diminuiu. Um dos mais abrangentes e analíticos volumes de história da música erudita, nem por isso hermético para não iniciados (embora conhecedores de música possam apreciá-lo ainda mel... leia mais
Estatísticas
Desejam38
Trocam3
Avaliações 4.1 / 50
5
ranking 46
46%
4
ranking 26
26%
3
ranking 24
24%
2
ranking 2
2%
1
ranking 2
2%

63%

37%

Ulrich
cadastrou em:
13/01/2009 19:48:50


logo skoob
"Diferentemente das redes de relacionamento pessoal, o que importa no site não são as fotos dos usuários ou para que time eles torcem, e sim o que merece ou não ser lido."

Estadão