minha tia me contou

Marina Colasanti



minha tia me contou





A tia dificilmente ficava sozinha. Era uma estrela, e as estrelas estão sempre acompanhadas. Ao redor dela, havia parentes, amigos, as sobrinhas mais velhas - que atuavam como damas de companhia-, alguém que trazia um violão, alguém que tocava piano, alguém que chegava com as últimas novidades. Mas, às vezes, os outros iam almoçar e jantar, e a tia, que estava quase sempre de regime, ficava sozinha jogando paciência enquanto bebericava café com leite. Então, a menina ia sentar-se perto dela, e conversavam. A tia gostava de lhe contar coisas do passado, fatos da vida dela ou acontecidos no teatro, no lado de dentro, aquele das coxias, dos camarins, das passagens estreitas e das escadas apertadas, aquele lado escuro e abafado que os artistas habitam, tão diferente do teatro iluminado e ruidoso revelado ao público.



Sobre o autor:



COLASANTI, MARINA

Marina Colasanti nasceu em Asmara, Etiópia e reside no Brasil desde os onze anos. Tem mais de trinta livros publicados entre contos, crônicas, poesia, ensaios e livros infantis. Marina reúne em sua biografia inúmeros sucessos, como 'E por falar em amor' e 'Contos de amor rasgados'. Jornalista, tradutora e artista plástica, Marina é freqüentemente convidada para cursos e conferências no Brasil e no exterior.

Edições (1)

ver mais
minha tia me contou

Similares


Resenhas para minha tia me contou (1)

ver mais
on 13/4/10


A escritora em si, Mariana Colasanti merece todos aplausos ela trata seus livros como se fosse crianças de um modo "IMAGINÁRIO". não da nome de personagens a Menina se chama menina que lembra seu tempo de infância, com o estralo da cômoda e pega seu trem de memórias da infância, lembra do menino do... leia mais

Estatísticas para minha tia me contou

Desejam1
Trocam5
Avaliações 3.6 / 34
5
ranking 29
29%
4
ranking 15
15%
3
ranking 41
41%
2
ranking 12
12%
1
ranking 3
3%

19%

81%



logo skoob
"Diferentemente das redes de relacionamento pessoal, o que importa no site não são as fotos dos usuários ou para que time eles torcem, e sim o que merece ou não ser lido."

Estadão