Raul da Ferrugem Azul

Ana Maria Machado



Resenhas - Raul da Ferrugem Azul


10 encontrados | exibindo 1 a 10


ialves 11/02/2010

Nossas ferrugens azuis
Escrever um livro infantil não é uma tarefa fácil. Mais do que tornar a linguagem acessível, deve-se tornar a mensagem por detrás do livro de fácil entendimento ao público jovem que ainda está se enveredando pelo mundo das letras. Ana Maria Machado consegue, com louvor, conquistar essa meta com esse livro.

Li Raul da Ferrugem Azul quando tinha 7 ou 8 anos. Uma fábula bem simples sobre um garoto que reprime seus medos, raivas, internaliza tudo e um dia acorda com ferrugens azuis que se espalham pelo corpo. Ele parte então numa jornada para descobrir como desfazer as ferrugens, inclusive encontrando outros personagens assim, como a Estela da Ferrugem Amarela. Uma vez que ele aprende a defender o que ele acredita, a lutar, a pôr pra fora suas emoções, suas raivas, seus medos, as ferrugens somem e o peso no coração dele também.

É uma lição que absorvi muito na minha vida. O livro me fez pensar, ainda pequeno, se eu teria ferrugens azuis. Algumas crianças da minha sala (lembro que esse era um livro didático obrigatório na 3ª série, em 1997) ficaram com olhos arregalados lendo, e tenho certeza que muitos deles carregam até hoje essa lição. Às vezes releio o livro e vejo o quanto ele foi importante no meu crescimento pessoal e na minha formação emocional. Recomendo fortemente lê-lo para seus irmãos, filhos, sobrinhos e outros que estão começando a experimentar essa época difícil da infância que é crescer.
comentários(0)comente



Magno 06/11/2011

Nossa, um ótimo livro. Seu significado vai além, mostrando certa relevância em qualquer faixa etária. Recomendo a todos encasquetados com a hipocrisia da sociedade.
comentários(0)comente



Leo 02/01/2010

Raul da Ferrugem azul: um manifesto contra o medo e o comodismo da ditadura militar brasileira
O livro faz uma crítica bastante interessante as pessoas que preferem ficar indiferentes áquilo que, estando presente, lhes prejudica muitíssimo, o enferrujamento dos pensamentos e da própria vida, existem poucas pessoas capazes de enxergar a própria ferrugem e tratá-la, geralmente enfrentando os medos e as dificuldades, outras preferem simplesmente ignorá-la ou não a veem condenando-se assim, sabendo consciente ou inconscientemente que tudo continuará do mesmo jeito, independente do que for feito, aí entra o comodismo, Raul nos ensina que devemos nos voltar pra dentro para fazer um balanço de tudo, não ter medo de buscar ajuda e tratar assim, sem medo algum, da própria ferugem, antes que a "lataria" se desfaça de vez.
comentários(0)comente



Rafaela 14/02/2013

Foi o livro da minha infância! Recomendo a todos que um dia leiam essa estória.
comentários(0)comente



Carlos Eduardo 24/05/2013

eu achei esse livro muito legal pq ele fala sobre um menino que começou a ver manchas azuis espalhadas pelo o seu corpo , foi pensando, pensando e até que percebeu que ele estava com algum tipo de ferrugem. Irritado com as manchas que o encomodavam decidiu ir ao um velho mestre negro, endicado por Tita a sua babá, foi e percebeu que aquilo ia passar com o tempo e que não era para ele se importar que aquilo ia passar.
comentários(0)comente



Carina 10/09/2013

E você? A quantas anda de ferrugem?
O livrinho possui todos os elementos de uma boa obra literária infantil: brincadeiras com a linguagem, questionamentos sobre o mundo, ensinamentos (sem cair no moralismo). Raul é um menininho que descobre que está enferrujando aos pouquinhos - toda vez em que se deixa abater pela covardia, lá surge uma ferrugenzinha nova. Ao final, o protagonista não só descobre como acabar com seu problema, bem como dá uma boa lição em muitos adultos que há muito andam enferrujados por aí.

Literatura infantil que dá lição em gente grande: super recomendo!
comentários(0)comente



karol 24/05/2013

Meu primeiro livro
Percebi,com certo pesar,que o livro possui poucas resenhas,e realmente não consegui entender o motivo.A maioria dos usuários do skoob parece ter vergonha ou acha desnecessário acrescentar a sua estante livros que fizeram parte da infância.Acontece que foram esses livros que nos despertaram o prazer pela leitura,o uso da imaginação,como enfrentar nossos medos,ou foram nossos melhores amigos.
Raul da ferrugem azul foi,provavelmente,o meu primeiro livro.Eu gostava de deitar na cama e ouvir minha irmã ler para mim.Uma,duas,três vezes.Eu não me cansava,fechava os olhos e me imaginava dentro da história,fazia parte dela.E muitas vezes eu também estava cheia de manchinhas azuis.
Na época,esse era meu maior medo,já que eu era muito tímida,o livro teve um significado especial para mim:"Eu não podia ficar cheia de manchinhas azuis".Foi o que me ajudou a enfrentar meus medos,a me expressar melhor,a superar a timidez.
Hoje em dia,não consigo lembrar a história completa,mas ainda depois de todos esses anos,o nome do livro continuava intacto em minha memória.Foi um prazer encontrá-lo aqui e poder relembrar todos os bons momentos que tivemos juntos.
comentários(0)comente



Luis 07/06/2011

Este livro conta a historia de Raul. Um menino que avistou no seu corpo umas manchas azuis e ele percebeu no final que todos nos temos manchas mas so nos conseguimos velas e lambem percebeu que via cada mancha sempre que deixava de fazer algo certo.
comentários(0)comente



Anna Duzzi 27/01/2009

"Escrevendo esta história no tempo em que o Brasil vivia na 'ditadura', numa linguagem simples, a autora mistura fantasia e realidade para nos ensinar que não adianta pensarmos no que poderíamos ter feito. Temos, sim, que agir, para vencermos os preconceitos e contribuirmos para as transformações pessoais e sociais. Só assim, não ficaremos com as marcas da nossa covardia em nosso espírito e corpo.

A publicação dessa obra já foi um exemplo do vencer os obstáculos, da luta pela não intimidação. Mesmo tendo sido rejeitada por oito editoras que 'elogiavam a história, mas ponderavam que era uma provocação à ditadura e podia trazer sérias conseqüências para todos', Ana Maria Machado não se deixou enferrujar e o livro acabou recebendo o prêmio de 'Melhor do Ano' (1980) da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.

De leitura agradável, considero um ótimo remédio para quem deseja espantar suas ferrugens. Contagiou-me a ponto de despertar-me o desejo de eliminar algumas minhas bem antigas!"



A resenha acima é da autoria de Iná Pereira Morais Nascimento e pode ser encontrada na página:
http://www.alb.com.br/apoioprof/aprecia/021anamachadoraul.asp
comentários(0)comente



Lisete 24/05/2009

Ana Maria Machado
Os livros de Ana Maria Machado me foram apresentados no Curso de Literatura Infantil e juvenil.Alguns li durante o curso e depois procurei por mais títulos e ainda procuro...Gosto muito e recomendo.
Não só para crianças...
comentários(0)comente



10 encontrados | exibindo 1 a 10



logo skoob
"Se você não achar um livro lá, você pode cadastrá-lo. Isso é um diferencial, porque o acervo se torna ilimitado"

Gazeta do Povo