Faça seu login para ter acesso a todo conteúdo, participe também do sorteio de cortesias diárias. É rápido e gratuito! :) Entrar
Login
Livros | Autores | Editoras | Grupos | Trocas | Cortesias

Auto Da Compadecida

Ariano Suassuna
Resenhas
Recentes
105 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |


Johnny High 28/08/2014

5 estrelas
Rico, engraçado e armorial. Ariano.
comentários(0)comente



Athaislle 27/08/2014

Essa obra é do escritor cearense Ariano Suassuna (2008.180 pags, 1ºed. Editora: Pockat ouro). O livro Auto da Compadecida é uma comédia teatral baseada nas histórias do nordeste. A obra tem como um dos atores principais Chicó um homem que trabalha para um padeiro e que sob ordem dele irá ter que arranjar um Padre para benzer o cachorro de sua mulher e João Grilo que irá ajudá-lo, irá se aproveitar da situação para se vingar da mulher e do padeiro.
Chicó e João Grilo eram dois pobres homens que trabalhavam em uma padaria. Um dia sob ordem do Padeiro, Chicó foi à igreja a procura de um Padre para benzer um cachorro, no caminho para a igreja Chicó ia conversando com João Grilo seu amigo e companheiro de trabalho, ao chegarem à igreja, Chicó diz ao Padre João que vinha uma pessoa trazendo um cachorro para ele benzer, mas o Padre não aceita, então João Grilo para dar uma ajudinha a Chicó inventa que o animal era do Major Antônio Moraes um homem rico e poderoso da cidade, logo o Padre manda dizer a ele que viesse a igreja que estaria o esperando. Ao verem o Major Antônio Moraes subir a ladeira em direção à igreja a procura do Padre para benzer seu filho que estava doente, João Grilo toma lhes a frente e inventa uma história de que o Padre esta doido que não respeita mais ninguém e com mania de benzer tudo. O Major ao chegar a igreja tem uma conversa com o Padre João, mas o Padre esta confundindo toda a conversa. A mulher e o Padeiro vão a igreja e imploram para que ele benza o cachorro, mas o Padre não benze e então o pobre animal morre e a mulher do Padeiro quer que Padre João o enterre em latim, mas Padre não enterra de jeito nenhum então depois de tanto movimento para enterrarem o cachorro (Xaréu) o Sacristão resolve então ele mesmo enterrar o animal em latim. Ao discutirem se o Sacristão teria agido bem ou não aparece na igreja Severino de Aracaju um cangaceiro e ameaça de matar todos: ao Bispo, Padre João, Chicó, João Grilo, Frade o Padeiro e sua mulher.
Essa obra trás histórias contadas no ceará pelo grande escritor cearense Ariano Suassuna. O personagem principal é João Grilo homem que inventa muitas histórias para tentar se sobressair. Esse livro é ótimo e o recomendo para quem gosta de comédias.
comentários(0)comente



Larissa 16/08/2014

Ariano
Criei vergonha na cara e após o falecimento do mestre resolvi ler uma de suas obras mais aclamadas. Não me decepcionei. É fantástica. E achei a adaptação da rede globo estranhamente fiel.

site: https://www.youtube.com/watch?v=SkNe46OPqRU
comentários(0)comente



Eduarda 16/08/2014

Uma peça teatral escrita por Ariano Suassuna, lançada pela editora Brasil em 1955, drama nordestino com traços do catolicismo. O elenco tem como protagonista João Grilo que vive no meio de confusões, personagens como Chicó que é amigo de João e vive inventando histórias, o Padre, o Bispo, o Frade e o sacristão que compõem o elenco da igreja, A compadecida, Emanuel, Encourado e Satanás que compõem o elenco dos céus e outros como o major Antônio Morais, o padeiro, a mulher, Severino e o cangaceiro.

Tudo começa com uma confusão arranjada por João Grilo, pois a cachorra do padeiro estava doente e o mesmo queria que o padre á benzesse e fez com que Chicó e João fossem até a igreja e convocasse o padre á padaria. Mas o padre achou um absurdo bezer uma cachorra, mas João, um cara mentiroso e que vivia se metendo em confusão, mentiu para o padre dizendo que a cachorra era do major Antônio Moraes, ao qual o padre dava uma certa atenção a mais. O padre logo trocou de conversa e disse que iria benzer a cachorra. O major resolve aparecer à igreja para pedir ao padre a benção para seu filho que estava adoentado, o padre achando que a benção era para a cachorra, logo arrumou uma confusão. O major achou tudo muito estranho e foi conversar com o bispo, que se encaminhou para a igreja. Logo que a confusão foi esclarecida, João mentiu mais uma vez falando a respeito de um testamento, o que despertou o interesse no Padre que logo fez o enterro da cachorra. Quando o bispo chegou na igreja, questionou ao padre e o mesmo falou a respeito do testamento que também foi de interesse ao bispo. Após toda essa confusão aparece um cangaceiro que rouba e mata a população e este que junto aos outros ao qual matou subiu aos céus. O teatro munda a cena para um céu com Emanuel (Deus) sendo o advogado, Encourado (Satanás) como acusador. Satanás tinha bons argumentos para levar todos, logo João fez uma prece a Compadecia, que ajudou a todos.

Além do livro ser bastante engraçado, faz uma critica ao catolicismo e a sociedade como hipócrita.
comentários(0)comente



Aliane 13/08/2014

Auto da compadecida
Auto da compadecida de Ariano Suassuna, Pocket ouro, editora GOL, com 180 páginas, publicado em Recife, no dia 24 de setembro de 1955.
Ariano Suassuna, era dramaturgo, professor, romancista, poeta e criador de movimentos culturais de caráter. Nasceu em 16 de junho de 1927 em João Pessoa, Paraíba, e faleceu no dia 23 de julho de 2014 em Recife Pernambuco. Autor também de O Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, Ariano Suassuna é universalmente conhecido e admirado, membro da academia brasileira de letras, Ariano foi idealizador do movimento Armorial, lançado em 1970 no Recife.
Auto da compadecida, encenado pela primeira vez em 1956 no Recife. Conquistou a medalha de ouro da associação brasileira de críticos teatrais no ano de 1957, no mesmo ano foi publicado pela editora Agir, repetindo o sucesso dos palcos, ganhou três adaptações cinematográficas a ultima delas por Guel Arraes.
O livro da peça teatral de Ariano Suassuna retrata de maneira humorística vários fatos sérios do nosso cotidiano, como por exemplo, a mentira, a desigualdade social, a influencia de pessoas do poder, a corrupção, e a traição entre marido e mulher. Tem como personagens palhaço – é o anunciador da peça e também o grande comentador dos fatos.
João grilo – protagonista, pobre e franzino, que usa de sua “sabedoria” para garantir a sobrevivência. É o melhor amigo de Chicó.
Chicó – é o contador de fatos, o mentiroso ingênuo que cria histórias só por diversão; padre João – mau sacerdote, preocupado apenas em ganhar dinheiro para sua aposentadoria. Sacristão – outro exemplo de mau religioso. bispo – juntamente com o padre João e o sacristão, ajuda a fazer o quadro de representação da Igreja corrompida. Antônio Moraes – senhor de terras, poderoso, que se impõe pelo medo, pelo dinheiro e pela força.
padeiro – representante da burguesia interessada apenas em acumular riquezas, explora seus empregados e tem acordos com as autoridades da Igreja. mulher do padeiro – esposa infiel e devassa, tem amor apenas por seus animais de estimação. Frade – bom sacerdote. Severino do Aracajú – cangaceiro violento e ignorante. cangaceiro – ajudante de Severino, sua função é apenas matar; demônio ajudante do Diabo; O encourado (o diabo) – Funciona como uma espécie de antagonista de João Grilo. Manuel (nosso senhor jesus cristo) personagem que simboliza o bem. A compadecida (nossa senhora) – heroína da peça, funciona como uma advogada de João Grilo e de seus amigos.












 Referencias:
• Próprio livro;


• Data da pesquisa: 12 de agosto de 2014


site: http//www.infoescola.com.br
comentários(0)comente



105 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |



Publicidade


logo skoob beta
"Diferentemente das redes de relacionamento pessoal, o que importa no site não são as fotos dos usuários ou para que time eles torcem, e sim o que merece ou não ser lido."

Estadão