Faça seu login para ter acesso a todo conteúdo, participe também do sorteio de cortesias diárias. É rápido e gratuito! :) Entrar
Login
Livros | Autores | Editoras | Grupos | Trocas | Cortesias

O Grande Gatsby

F. Scott Fitzgerald
Resenhas
Recentes
195 encontrados | exibindo 6 a 11
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 |


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Lu 16/07/2014

Existem ressalvas.
O livro O grande gatsby é um clássico absoluto, porem de leitura extremamente fluida! Fitzgerald ganhou incríveis pontos comigo pela maneira de se construir a narrativa. Quanto à história, o inicio é devagar, e parece não saber para onde ir, até que encontra o gancho do romance. O livro traz umas reflexões muito interessantes sobre o amor e sobre a frivolidade das pessoas. Apesar de não ter me conquistado total, é uma ótima leitura!
comentários(0)comente



Duh 05/07/2014

Um dos melhores livros já escritos
Fitzgerald não só criou um livro com personagens cativantes, ele criou uma atmosfera cheia de loucura e beleza.
Quem ler o livro vai perceber que Gatsby é o rico do momento, mas que tem um grande coração, talvez ao meu ver, seja por este motivo que interpretei o título do livro deste modo.
Tudo é refinado e delicado na escrita, poucas vezes pude ver tanta beleza em cenas de amor como se tem descritas aqui.
Sem dúvida um livro marcante que descreve a atitude de um povo do século XX e sua forma de vida.
É extremamente inteligente descrever como foi bom conhecer cada personagem, suas dúvidas e aspirações.
Nick é o nosso narrador, não só narra como participa da história, um personagem fora do comum.

O grande Gatsby deve ser lido sim e deve se dar toda a importância para cada clássico da literatura, este não é exceção.

Belíssimo livro
comentários(0)comente



Wilton 26/06/2014

O egoísmo venceu
Fitzgerald retratou com mestria uma sociedade burguesa fútil e hipócrita, sem compromisso com valores éticos e morais e que aceita manipular seres humanos – e seus sentimentos – em vista de interesses egoístas.
A personagem Gatsby aparenta ser insensível e despreocupado. Na verdade era um homem romântico, capaz de loucuras para reatar um antigo romance. Vulgares eram as pessoas de suas relações, notadamente as que o remetiam ao passado numa cidadezinha do Oeste americano.
Com Gatsby, Fitzgerald mostrou a solidão de um homem que constantemente celebrava festas em sua mansão e que estava sempre rodeado de centenas de pessoas, mas que não pode concretizar o seu maior sonho. E mais do que isso, um homem que se tornou rico misteriosamente, mas que não conseguiu ser aceito em um mundo onde as tradições conservadoras não permitem a mobilidade social.
Como toda grande obra literária, a verdadeira reflexão está dentro de cada um de nós. Com ela, o leitor pode perguntar a si mesmo quais são os limites morais para alcançar seus objetivos, até onde chegar para conquistar vitórias. E o mais importante, qual o valor dessas vitórias. Essa busca nos fará perceber que o ser humano aceita sacrificar os sentimentos alheios para satisfazer os seus desejos. E isso, os personagens Tom e Daisy Buchanan podem ensinar com excelência.
comentários(0)comente



Challis 23/06/2014

Originalmente publicado em 1925, O Grande Gatsby é considerado por muitos a melhor obra de Fitzgerald. Com este livro, ele mostrou ser não só um grande escritor, mas também um exímio historiador de sua época. Como uma das mais agudas críticas ao "sonho americano", a obra retrata a rotina e os costumes de uma sociedade próspera e desenfreada, vivendo o caos que tomou os Estados Unidos após a Primeira Guerra Mundial. Nota-se também os contrastes existentes entre o romântico "velho oeste" e o frio leste desenvolvido.

Leia a resenha completa: http://www.acrobatadasletras.com.br/2013/12/resenha-o-grande-gatsby-de-f-scott.html
comentários(0)comente



195 encontrados | exibindo 6 a 11
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 |



Publicidade


logo skoob beta
"O contato direto com outros leitores incentiva a ler e adquirir livros que nem imaginávamos existir."

Revista Época