Dom Casmurro

Dom Casmurro
4.2602 33340



Resenhas - Dom Casmurro


570 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Luísa Paula 26/03/2015

Dom Casmurro, uma narrativa do grande romancista Machado de Assis, publicado pela editora Ática, em 1997, com 223 páginas. O livro inicia numa versão anterior a todos os seus acontecimentos. Bento Santiago, já mais velho, contando como recebeu a alcunha de Dom Casmurro. A expressão fora inventada por um jovem poeta, que tentara ler para ele no trem alguns de seus versos. Como Bento cochilara durante a leitura, o rapaz ficou chateado e começou a chamá-lo daquela forma. Então a história volta para a infância de Bentinho. Certo dia ele escuta a conversa de José Dias e sua mãe sobre uma promessa que ela havia feito antes de seu nascimento, já que já tinha perdido um filho, ela faz a promessa de que se Bentinho nascesse, ele se tornaria padre. José Dias como sabia do romance secreto de Bentinho e Capitu, conta a dona Glória no meio dessa conversa sobre o tal casal. Bentinho fica com raiva de José Dias e conta a Capitu do ocorrido, eles conversam sobre uma maneira de Bento fugir do seminário, onde se tornaria padre. Mas eles não conseguem uma forma de impedir a sua ida ao seminário. Mas antes de partir, promete a Capitolina que iria se casar com ela. No seminário, Bentinho conhece Ezequiel de Souza Escobar, que se torna seu melhor amigo. Em uma visita a sua família, Bentinho leva Escobar e Capitu o conhece. Com o passar do tempo dona Glória e Capitu se aproximam, e ela começa a aceitar o romance dos dois. Até que Bentinho encontra uma solução para o mesmo sair do seminário, colocando um escravo em seu lugar. Bentinho então se forma em direito, e posteriormente se casa com Capitu. Escobar e Sancha (amiga de infância de Capitu) também se casam, eles têm um uma filha na qual dão o nome de Capitolina, em homenagem à amiga. Mas Bento e Capitu encontram dificuldades em ter um filho, mas com o passar dos anos, Capitu finalmente engravida e como forma de homenagem, Capitu e Bentinho colocam o nome do filho de Ezequiel. Bento passa a ver muita semelhança entre Ezequiel e Escobar, seu amigo. Até que em um dia de diversão na praia, Escobar morre afogado. Como Bento ver muita semelhança entre seu filho e o amigo falecido, começa a desconfiar em uma suposta traição por parte de sua mulher com Escobar. Ele não suportando a dor, resolve se suicidar. O fim é surpreendente. O romance é bastante rico em detalhes, por isso a atenção é essencial para não se perder na narrativa. Particularmente é um livro de que gosto muito por ser cheio de mistério, romance e drama. Apesar de a linguagem ser um pouco mais culta, a compreensão se torna fácil por meio do contexto. Recomendo muito esse clássico literário.
comentários(0)comente



TÁSSIA ROCHELLI 24/03/2015

Dom Casmurro
A obra é infinitamente cheia de enigmas, assim como a maioria das produções do grande autor brasileiro Machado de Assis. Um cânone da literatura nacional, Dom Casmurro encanta-nos do começo ao fim. As supostas dissimulações de Capitu, o ciúme doentio de Bentinho, a dedicação de José Dias e toda a trama nos chama a atenção para as perfeitas armações machadianas. A cada leitura novas descobertas, novos pontos de vistas.
Todos os leitores da mais enigmática obra de Machado de Assis se perguntam: Capitu traiu ou não o marido? Ou tudo foi fruto da mentalidade doente de Bento Santiago?
Cada um segue a resposta que queira, o importante é que Machado sempre ganha muitos adeptos por trazer em suas obras a dúvida, característica tipicamente Sua, que é marcante na maioria de seus escritos.

comentários(0)comente



Mi 19/03/2015

Lindo demais para ser esuqecido
Este livro eu tive o prazer de ler em conjunto com minhas colegas do Clube do Livro - o Língua Solta. Nooooossa!!!! A linguagem de Machado de Assis é brilhante, o autor utiliza muitas vezes um tom irônico, mas envolvente, e a história é contada de maneira tão espetacular!!!! O amor de Bentinho por Capitu... No início, todos aqueles momentos singelos de uma paquera sendo registrados, e o desenrolar da história surpreende... Há grandes saltos temporais , mas que Machado consegue retratar de maneira fabulosa. Seu entendimento não é prejudicado. E o final: gente, o final é incrível!!!! Isso porque a discussão sobre a pauta de Bentinho perpetua, e podemos passar horas discutindo: ele estava certo ou errado?
comentários(0)comente



Suzanne 18/03/2015

Dom Casmurro é um romance escrito por Machado de Assis em 1899, Ano 2008 / Páginas 191, editora Rovelle. É narrado por Bentinho, o próprio Dom Casmurro, já adulto contando sua história de vida. Sua mãe, D. Glória, uma senhora que ficará viúva muito jovem, o prometa as obras eclesiásticas à Deus, por ter segurado sua segunda gravidez. Mas ela nem se quer imagina que o filho era apaixonado, e vivia um romance as escondidas, com Capitu, uma menina com os olhos intensos e pele morena, que era filha de um conhecido da família. Quando Bentinho soube que sua mãe estava prestes a manda-lo para o seminário, foi correndo contar para Capitu. E por um momento acharam-se desesperados, com essa notícia, porém Capitu, com sua tamanha esperteza, bola um plano para que seu amado não vá embora. E assim, Bentinho coloca o plano em ação, mas tudo depende da decisão de D. Glória. No meio de tanta aflição o casal apaixonado, fazem promessas de amor um ao outro, na qual era, acontecesse o que fosse juraram casar-se um com o outro.
Ao meu ver, Machado de Assis da ênfase da personagem Capitu, mostrando uma mulher diferente da sociedade da época, a qual toma decisões e tem um sentimento muito dominador para Bentinho. É um livro bom, onde vemos fatos interessantes.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Marcos 16/03/2015

Dúvida Eterna...
Qualquer
pessoa que leia Dom Casmurro torna-se suspeita a falar da obra; Machado
de Assis brinca com as palavras, sua narrativa não-linear em nada
atrapalha a fluidez de seu texto e vai nos dando as peças de um quebra-cabeça que ao final fica incompleto, jogando sobre o leitor a decisão do veredicto final: Capitu traiu ou não?
Dom Casmurro é a expressão máxima da genialidade de Machado de Assis; é
um romance cujo manancial de sugestões nunca se esgota.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



nandinha 06/03/2015

Dom Casmurro (Editora CERED, 2013, 208 páginas), um livro de Machado de Assis, um dos seus grandes e famosos Clássicos. Uma história fascinante, onde ficamos com a pergunta: Capitu traiu ou não Betinho?

Bento Santiago, mais conhecido por Bentinho, é apelidado por Dom Casmurro e explica o porquê. Certo dia ele escuta a conversa da mãe dele e de José Dias dizendo que Bentinho ia ao seminário, por causa de uma promessa que a mãe dele fez. Mas Bentinho não quer ir. Ele tem uma grande amizade com Capitu, mas acaba passando disso e rolando um beijo, até ele prometer que quando voltasse eles se casariam. Bentinho vai para o seminário e lá ele conhece um outro seminarista, que também não queria está ali, Ezequiel de Sousa Escobar, e acabam se tornando grandes amigos. Certa vez na casa de Bentinho, Escobar conhece Capitu. Para Bentinho não voltar mais para o seminário e não quebrar a promessa de sua mãe, Escobar tem a ideia de colocar um escravo no lugar de Bentinho. Então Bentinho se torna advogado e cumpre a promessa de se casar com Capitu. Mas aí o casamento começa com problemas, pois eles não conseguem ter um filho. Já Escobar e Sancha, amiga de colégio de Capitu, já tiveram uma menina, a qual dão nome de Capitolina. Anos depois Capitu engravida de um menino, assim sendo chamado de Ezequiel em homenagem a Escobar. Na praia, enquanto nadava, Escobar morre afogado. Capitu ficou muito triste e Bentinho estranhou o tamanho da tristeza. Com o passar dos anos Bentinho ficava cada vez mais parecido com Escobar. Então Bentinho fica bastante desconfiado e desabafa.

Claro que não irei contar o final, vocês terão que saber o motivo de Bentinho ser chamado de Dom Casmurro, e se realmente Capitu traiu Bentinho. É uma história cheia de detalhes à se analisar, muito fascinante, vale a pena ler.
comentários(0)comente



AmadosLivros 05/03/2015

Resenha do Blog Amados Livros
Não deixe de conferir nossa opinião sobre este livro no nosso blog! E lá também tem muitos outros livros legais! Dê uma passadinha lá! ;D
Link no final da postagem! ;]

site: http://amadoslivros.blogspot.com.br/2015/02/livro-dom-casmurro.html
comentários(0)comente



Neto 04/03/2015

O livro conta os acontecimentos ocorridos por ele mesmo Dom Casmurro e sua mãe,conhecida coma viúva,Dona Gloria,que lhe mandou para um seminário por causa de sua promessa feita depois que ela perdeu seu primeiro filho no parto,no seminário Bento conheceu Ezequiel de Sousa,foi que influencio para ser advogado.
Depois Bento saiu do seminário foi estuda direito ,enquanto Ezequiel se torna comerciante e casa com a amiga de Capitu,logo depois Bento e Capitu também se casa,Ezequiel morre afogado,com o tempo,Bento desconfia de uma suposta traição do seu melhor amigo.
comentários(0)comente



Jennifer 02/03/2015

(In)certas dúvidas
E quem nunca entrou, ou ouviu falar, na bela e cruel dualidade que esse livro nos coloca? Contado em primeira pessoa, pelo personagem Bentinho (Dom Casmurro), o enredo é um mistério destruidor de expectativas. Nesse há relatos de um homem obcecado por "uma cigana oblíqua e dissimulada, que carrega os olhos de ressaca", Capitu. Esta que casa-se com ele (personagem-narrador) e que, segundo o mesmo, demonstra-se adepta à desconfiança.
A incerteza gerada pelo livro gira em torno de uma simples e enigmática questão: "Capitu traiu Bentinho com Escobar"? É essa a intenção do autor e dúvida do narrador, que não é nada confiável.
Talvez os relatos expostos por Bentinho sejam convincentes a ponto de aparentarem verdadeiros, tendo em vista que ele se formou em direito e aprendeu a argumentar; ou talvez sejam mesmo verídicos dentro da ficção. Deixemo-nos como foram escritos e pensemos que do mesmo modo que temos indícios da provável traição, também existem pormenores que provam o contrário. Deixo essa parte para os que lerão. Li já faz uns anos e a dúvida lindamente prevalece, se bem que no momento em que acabei a leitura tive de dar uma resposta ao texto literário, e esta foi sim (que ela o traía). Depois de dois dias remodelei minha própria afirmação.

Enfim, uma ótima leitura e um bom questionamento. A riqueza no romance de Machado é que ele intriga o leitor dentro do impossível moldado pelo possível, a ficção.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Thiago 17/02/2015

Traiu!!!!!!!!!!!!
Já li esse livro três vezes e em todas ficou-me patente a traição de Capitu, um dos motivos é quando ela pergunta a Bentinho se ela tem olhos de "cigana oblíqua e dissimulada", mas enfim é só minha opinião, leiam e tirem a de vocês.
comentários(0)comente



Jaine 17/02/2015

Dom Casmurro (Editora Martin Claret, 2007, 225 páginas, obra de Machado de Assis)
Bento Santiago, vulgo Bentinho explica o porquê de ter sido apelidado de Dom Casmurro. Depois vamos até a infância dele onde ele aos quinze anos escuta uma conversa entre sua mãe (Dona Glória) e José dias dizendo que o mandaria para o seminário por conta de uma promessa que ela havia feito, por ter perdido a primeira filha. Ele fica furioso porque na ocasião José Dias conta a sua mãe sobre a amizade entre ele e Capitolina (Capitu). De diversas formas ele tenta não ir para o seminário, mas não teve jeito. Foi, porém antes de ir ele beijou Capitu e fizeram a promessa de que se casariam quando ele voltasse. No seminário ele conhece Ezequiel de Souza Escobar (também não queria ser padre), e se tornam melhores amigos. Escobar conhece Capitu durante uma visita a família de Bentinho. Dona Glória ficou agoniada por não saber como livrar o filho da promessa que ela havia feito, como era muito religiosa não podia simplesmente a quebrar, eis que Escobar tem uma ideia. De mandar outra pessoa no lugar de Bentinho ao seminário, mandam um escravo o qual vira padre. Bentinho se torna advogado e então cumpri a promessa de se casar com Capitu, mas logo o casamento começa a desandar pela dificuldade de terem um filho, visto que Escobar e Sancha (Amiga de colégio de Capitu) não tem essa dificuldade, logo tem uma filha a qual dão o nome de Capitolina em homenagem a Capitu. Alguns anos mais tarde Capitu engravida e eles colocam o nome do menino de Ezequiel em homenagem a Escobar, ele seria também o padrinho do garoto, porém o tio de Bentinho que estava quase morrendo pediu para o ser. Durante um nado na praia Escobar morre e Bentinho estranha a tamanha tristeza que Capitu sente. Passados alguns anos Ezequiel passa a se parecer cada vez mais com o pai (Escobar) Bentinho não suportando isso coloca veneno em sua xícara de café, porém Ezequiel entra mesmo na hora e ele tem a ideia de dá-la a ele, porém desiste e acaba contando que ele não é seu filho. Capitu entra e vê os dois chorando e pergunta o que foi. Ele desabafa e eles resolvem se separar, para não dar escândalo eles resolvem fazer uma viagem para a Europa, onde lá Capitu morre. Ezequiel que faz Arqueologia decide fazer uma pesquisa na qual durante a viagem morre de Febre Tifoide. Bentinho, então resolve fazer uma casa igual à que morava na infância da rua de Matacavalos e passa a ser o amargo Dom Casmurro. É uma leitura difícil de se fazer e confusa, pois o livro é narrado por Bentinho, Nele temos apenas a visão dele. Na minha opinião quem traiu foi ele, pois ele era uma pessoa extremamente ciumenta e ficava mentalizando coisas que não existiam. Capitu e o pobre Ezequiel é que arcaram com as consequências de viver com um homem doente e obcecado como Bentinho.
comentários(0)comente



Edmilson Jr 08/02/2015

Cansativo, porém, fascinante!
Antes de ler o livro eu já tinha ciência do que se tratava o mesmo. Famoso que é, sempre ouvia a indignação dos leitores de Dom Casmurro a respeito de: Afinal, Capitu traiu ou não Bentinho? A fim de tentar entender as essas indignações, resolvi iniciar a leitura do clássico.
A principio, eu confesso que meu foco era identificar onde estaria os indícios de traição, mas no decorrer da narrativa eu pude me desprender mais do meu foco e me rendi às personagens. Bentinho, ao narrar sua infância e assim fazendo uma ponte com sua velhice, deixou desde cedo a ideia de que era um grande romântico e que possuía fortes sentimentos por Capitu.

"Eu amava Capitu! Capitu amava-me! E as minhas pernas andava, desandavam, estacavam, trêmulas e crentes de abarcar o mundo." (cap. XII)

Já Capitu, a famosa cigana de olhos oblíquos e dissimulados me conquistou desde o inicio de minha jornada literária. Foi em função dela que descrevo a obra de Machado como fascinante. Confesso que o tempo que Bentinho passou no seminário me tirou vários bocejos, embora esse fato tenha sido de extrema importância para formular a ideia de um provável triangulo amoroso - só lendo para saber do que eu estou falando.

Em geral, a obra é muito rica e vale a pena a leitura. Cheia de reflexões e diálogo entre o narrador e leitor, Dom Casmurro com certeza irá te tocar em algum sentido.
comentários(0)comente



570 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |



logo skoob
"Uma ferramenta como essa pode certamente ser usada por professores para incentivar a leitura"

Jornal do Brasil