Dom Casmurro

Dom Casmurro
4.05763 36437



Resenhas - Dom Casmurro


100 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Lara 01/05/2016

Mas então, Capitu traiu ou não Bentinho?



Se o leitor está esperando uma história trágica de ciúmes, onde a pobre donzela sofre nas mãos do violento ,horrível ( e Deus nos livre) ciumento, então largue o livro imediatamente. Dom Casmurro é a história de amor, sim , o amor realistico,ainda sim amor.

Vamos desconstruir, as pessoas que têm o mínimo vocabulário podem ler Dom Casmurro tranquilamente,e é uma experiência que todos devem ter. SÉRIO, LEIAM! Mesmo se eu não tivesse gostado, quem sou eu para desistimular alguém à ler Machado de Assis? Não se assuste com o nome, Machado de Assis é um livro para todos. Leia como um livro normal, não como um clássico da literatura que ele é.

O livro é narrado pelo Bento, ou Bentinho, já velho narrando sua vida.Sua infância com Capitolina,ou Capitu, como a denúncia de José Dias, o agregado, fez com que seu amor por Capitu fosse despertado. Bentinho era filho único, foi concebido com dificuldade e com uma promessa, devido a dificuldade de gerá-lo , sua mãe prometeu a Deus que o garoto se nascesse ia ser padre, e fosse para um seminário, e foi inevitável que se separasse da Capitu.

Dom Casmurro é pequeno e não é difícíl de ler, cada frase é gostosa de ler, as metáforas são inteligentes. Por ser um livro muito famoso, o final é conhecido por muita gente e isso faz com que o final seja menos surpreendente(maldito seja o spoiler) , mas afinal de contas, não deixa de ser emocionante.

Dom Casmurro traz à tona a discussão sobre o ciúme excessivo,e como uma dúvida pode estragar a vida de uma pessoa, do mesmo modo traz outra discussão, a fidelidade e lealdade dos casais.Seu filho pode , na verdade, ser filho do seu melhor amigo. Do ponto de vista de Bentinho, seu filho,Ezequiel , e seu melhor amigo, Escobar, eram assustadoramente parecidos,mas o próprio livro já mostrou um exemplo que duas pessoas sem nenhuma relação genética podem ser parecidas ou que o fato de serem parecidos e fruto do ciúme. O livro é ambilateral , cada leitor tem sua opinião própria e isso é extraordinário.

Capitu,isto é,uma criatura mui particular mais mulher do que eu homem
-Página 51

As perguntas ficam em aberto,e o narrador não é tão confiável, por isso, o final é diferente ( mas não errado ) para cada leitor. Bentinho desde o começo forma uma imagem da Capitu, como uma criança inteligente,calculista, dissimulada, talvez até falsa e induz o leitor a acredita que ela o traiu. Ele tem uma idealização própria dela, o leitor só tem acesso a um lado dos acontecimentos,a do Bentinho.

Calou-se outra vez. Quando tornou a falar, tinha mudado,não era Capitu de costume,mas quase.
Página 32




Do outro lado da moeda, Capitu pode ser a garota que ele fala, dissimulada, falsa.

A gente Pádua não é de todo má. Capitu,apesar daqueles olhos que o diabo lhe deu Você já reparou nos olhos dela? São assim de cigana oblíqua e dissimulada
Página 42


Capitu traindo ou não Bentinho, pelo menos no começo , o amor deles é um dos mais bonitos da literatura internacional.

Os beijos de Capitu fechavam-me os lábios


É lindo ,fluido, rápido de ler e altamente recomendável.






Beijos,




Lara Amaral

site: http://viagemnasepia.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Carmem.Toledo 20/04/2016

Um retrato moral do XIX.
"Dom Casmurro" é um famoso romance machadiano, carregado de suspense, ironia e momentos de dúvida (sobretudo, do leitor). A obra retrata a moral que reinava na sociedade de fins do século XIX.
comentários(0)comente



Nara 13/04/2016

A grande dúvida
O livro que se trata de uma possível traição, mas que no fundo nos mostra uma ótima construção de personagem e um grande jogo de Machado de Assis.
Bentinho é um narrador completamente parcial. É impossível não levantar dúvidas sobre tudo o que ele fala.
Apesar do tema traição, o que realmente é tratado no livro é o conceito de verdade, é a construção da moral do personagem, é um personagem completamente humanizado (afinal, todos nós enxergamos nosso lado da história como sendo a completa verdade). Machado de Assis é genial ao criar personagens que não são apaixonantes por suas qualidades, mas pelos defeitos que são um pouco parecidos com os nossos.

Machado de Assis tem uma escrita difícil, mas genial. Machado de Assis transcende as décadas e é sempre atual. Vale a leitura, o debate, a releitura. Mas a dúvida sempre vai ficar. O fim indefinido é, pra mim, o maior motivo para se ler o livro.
comentários(0)comente



Rogério 03/04/2016

Edição da Egéria (1980)
Apenas um registro em minhas leituras e organização, de meu interesse. Li "Dom Casmurro" pela primeira vez.na edição da editora Egéria (1980). Era adolescente, busquei por conta própria e lembro que nesse primeiro contato não gostei da obra, embora a leitura tenha me prendido do início ao fim e ter finalizado rapidamente. Acho que o ano era 1986 e foi a primeira de três vezes que já li. Um livro indispensável a todo leitor de romances urbanos, principalmente pelo texto instigante do Machado de Assis. Parece que ele está confidenciando algo só para você. Sobre o Bentinho, a Capitu e o intrometido do Escobar...
comentários(0)comente



Vitor.Paty 18/03/2016

O que eu achei do livro
Esse livro é muito bom,no começo ele é chato,no meio fica legal,mas no final........É supriendente.Infelizmente a versão que eu tenho é a do prazer de ler,da escola,então o livro tem muitas palavras dificies,mas irei comprar o livro desta capa.Vamos ver o que ha de diferente.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Marcus Vinícius Rocha Sales 04/03/2016

Espetáculo narrativo
Essa é a minha segunda experiência com "Dom Casmurro" e ainda não tenho resposta para dúvida que aflinge Bentiniho e seus leitores.
Na primeira leitura, há mais de sete anos, já havia me dado conta da beleza da narrativa de Machado de Assis, mas não consegui assumir posição quanto a fidelidade de Capitu. A partir desta segunda experiência, a obra ganhou novos contornos e reeinterpretei nao só algumas passagens, mas toda a obra.
É evidente o esforço de Machado de Assis em entregar uma obra evidenciando sua especial capacidade e manusear a língua portuguesa. Toda a narrativa é construída com desmedida atenção à forma. Ouso dizer que "Dom Casmurro" me ganhou mais pela absurda beleza de sua narrativa do que pela história contada.
Se Machado de Assis planejou incutir em seus leitores a dúvida, uma vez que seu narrador é justamente quem foi tomado por ela, fez com tal cuidado que não permite que o leitor tome partido de Bentinho e compartilhe com ele de suas suspeitas, de imediato. Não, por mais que seja o possivelmente traído, o nosso narrador, não somos levados a seguir com ele. Tanto é verdade, que é grande o número de leitores que consideram Capitu mulher sem mácula.
De minha parte, pela total falta de interesse em Capitulina de demonstrar o contrário e implorar que nela acreditasse diante da inegável semelhança e por conseguinte não absurda suspeita, prevalece a opinião de que Bento estava certo. Capitu, assume, ainda que Escobar e Ezequiel realmente tem semelhanças, alegando a vontade de Deus.
Quem sabe num terceiro contato, a opinião mude..


comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Nathalia Almeid 24/02/2016

O que se faz por amor
O livro narra a história de amor entre Bentinho e Capitu que juram casar-se quando maiores.
Bentinho vai para o seminário onde conhece Escobar, que logo se torna seu amigo. Após certo tempo, Bentinho volta para a cidade natal, pois sua mãe está doente. Escobar vai também para dar os “pêsames”. A história continua narrando a paixão escondida de Bentinho e Capitu, quando Sancha (uma amiga de Capitu) e Escobar se casam. Depois, Capitu e Bentinho casam-se também. Sancha e Escobar tem uma filha a quem dão o nome em homenagem à Capitu. Bentinho e Capitu tem um também, em que nomeiam Ezequiel, em homenagem à Escobar.
Escobar morre.
Bentinho, numa crise de ciúmes começa a ver que seu filho tem muitas semelhanças de Escobar. Ameaça Capitu, acusando-a de ter o traído. Ezequiel e Capitu vão para a Europa. E vivem lá até que Capitu morre.
Bentinho acaba sozinho, cuja alcunha é “Dom Casmurro”.
comentários(0)comente



Filipe.Pereira 23/02/2016

De toda literatura clássica brasileira, Machadão é meu preferido. Ok, não li toda literatura clássica, é fato, mas dos que li, Machado é um dos poucos que li com prazer. Sem enfados. Há estilo, há bons enredos, há digressões filosóficas, há humor (sim, humor, porras), há tudo. Não falta nada. É o que fizemos de melhor, em literatura. Há certas unanimidades que não são burras. Eis a prova.
comentários(0)comente



Débora Reis 22/02/2016

Sarcástico, hilário, ciumento inveterado etc. Dom Casmurro nos faz crer que Capitu é dissimulada, mas, na minha opinião, ele é quem dissimula o tempo todo - o falso sincero, rsrs...
Foi uma releitura interessante!
Ri em muitas ocasiões, fiquei chateada em outras, rsrs... lendo romances eu pareço com minha avó, que conversava com os personagens das "suas" novelas. Eu briguei muito com o sr. Bento, mas ele é incorrigível kkkkk
Um dos personagens que me fez rir muito, muitíssimo, desta vez foi o José Dias, o agregado. Uma figura que até no leito de morte soube ser "espalhafatoso".
Aberto a "mil e uma inferências", Dom Casmurro tem porquês bem óbvios para ter se tornado um clássico da literatura brasileira.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Nena 13/02/2016

Indispensável
A famosa história do suposto triangulo amoroso entre Bentinho, Capitu e Escobar. Afinal, houve ou não a traição ou tudo não passa de suposições? Um romance maravilhoso, leitura indispensável.
comentários(0)comente



Lívia 10/02/2016

Ah Capitu...
Se Capitu tinha mesmo o olhar de cigana oblíqua e dissimulada, se ela possuía realmente os olhos de ressaca, não foi só a Bentinho que eles envolveram e tragaram, a mim também. Digo "se" não por duvidar da veracidade da história, mas por duvidar do narrador, uma vez que trata-se de um homem supostamente, que fique bem claro, supostamente, traído.
O enredo tem como tema central o adultério feminino, tema típico dos romances realistas. Entretanto, esse adultério é apenas sugerido, nunca provado, de forma que ninguém pode afirmar se houve ou não traição. Dessa forma, o grande personagem do livro é a dúvida, essa é a única coisa que sobre após a leitura.
Bento Santiago e Capitu foram criados juntos, apaixonaram-se na adolescência e se casaram quando adultos, depois de, a muito custo, Bentinho sair do seminário e voltar de São Paulo, onde fora estudar Direito. O casal tinha tudo para ser feliz, viver uma linda história de amor, não fosse a fértil imaginação de Bentinho, imaginação essa que o conduzia a um ciúme doentio de sua amada, a ponto de enciumar-se do mar!
Bentinho pinta uma imagem de Capitu, como sendo uma mulher forte emocionalmente, extremamente sensual, independente e dissimulada ao passo que ele, menino ingênuo, fraco e mimado, se deixa levar por aqueles olhos de ressaca.
É a segunda vez que leio o romance e é como se fosse a primeira, tamanha é a genialidade de Machado de Assis. O livro, descendente da escola Realista, não foge ao propósito, isto é, traz consigo inúmeras críticas sociais, mas todas elas nos são apresentadas de forma sutil e irônica à moda Machado de Assis, de forma que o leitor desatento acredita mesmo trata-se de um romance que acabou de forma trágica.
O leitor que não se vir tragado pelos olhos de ressaca da bela e sorridente Capitu, não compreenderá a essência dessa magnífica obra da literatura mundial. Quanto a traição, a única que vejo é não ter esse livro como uma das melhores leituras da vida!
comentários(0)comente



100 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7