Faça seu login para ter acesso a todo conteúdo, participe também do sorteio de cortesias diárias. É rápido e gratuito! :) Entrar
Login
Livros | Autores | Editoras | Grupos | Trocas | Cortesias

Doidas e Santas

Martha Medeiros
Resenhas
Recentes
53 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11


Luiz Felipe 04/06/2014

Algumas crônicas são interessantes, outras são bem rasas e até sexistas. Médio.
comentários(0)comente



Anderson Felix 05/03/2014

Minhas impressões sobre Doidas e Santas
Crônicas de extremo bom gosto, bem escritas, leves, bem humoradas, sutis, femininas, por vezes, até um pouco piegas, mas ainda assim incríveis.

Martha tem o poder de ampliar nosso olhar perante o cotidiano de uma maneira muito interessante. Ela consegue nos fazer divagar, olhar pra dentro de si mesmo e ainda assim enxergar o outro. Faz com que você queira ser uma pessoa melhor, te conquista.

Quando eu ponho meus olhos sobre essas crônicas me sinto um ser humano tão comum, alguém tão simples... eu me reduzo a essa simplicidade de cidadão, de pessoa cultural, que sabe reconhecer seus erros e acertos e vive pra dar o melhor de si.

Lendo Martha Medeiros eu acabo criando um pouco mais de fé, fé em mim mesmo, fé nas pessoas, fé no meu sucesso, acabo olhando um pouco mais pra o quanto a vida me da de bom. Na correria do dia a dia acabamos deixando passar alguns eventos ou alegrias e as crônicas da Martha regata essa felicidade ou esse momento que pode nos causar tanto prazer se pararmos pra analisar.

(Livro que eu incluí no VIAGEM PELO BRASIL EM 54 LIVROS https://www.facebook.com/groups/viagempelobrasilem54livros/?fref=ts
Autor do Rio Grande do Sul)
comentários(0)comente



Ellen Macedo 12/11/2013

Para rir e refletir
Minha primeira experiência com Martha Medeiros. Contrariando a máxima de que crônica é leitura fácil, a autora me fez não só dar boas risadas mas refletir sobre as cobranças que recaem sobre a mulher na sociedade de hoje. Na mesma semana em que li vi a peça com Cissa Guimarães e a experiência foi melhor ainda.
comentários(0)comente



Lu 18/09/2013

Pra mim esse é um dos melhores livros da martha, é muito leve e divertido. Li em 3 dias e fiquei triste quando acabou. Uma atenção especial para a cronica: O café do próximo.
comentários(0)comente



Carina 11/09/2013

O mundo sob um olhar feminino
Resenha: Martha Medeiros é outra autora que me assustava, dada a recorrência de citações no facebook. Autoajuda, literatura barata, conselhos esotéricos-psicanalíticos era o que eu esperava da leitura, nada mais.

Apesar de não ter sido a grata surpresa de descobrir um ícone da literatura atual (como ocorreu com minha leitura dos contos de Caio Fernando Abreu, outro queridinho das redes sociais), foi uma conversa boa a que tivemos. O diálogo com as doidas e santas de Martha foi restaurador, perspicaz, apesar de alguns excessos e repetições frequentes na obra.

Não se trata de uma grande autora, mas sim de uma boa confidente. Martha discute tudo o que vê, desde situações engraçadas a vazios existenciais, tudo com a graça e a leveza de uma boa amiga, disposta a nos consolar a qualquer momento. A nos instigar, provocar e azucrinar, também. É uma leitura que pode parecer boba (uma vez que a autora, mesmo sem ser especialista em nada, dá palpite em tudo), mas que é necessária em alguns momentos da vida – de reflexão mais livre e, nem por isso, menos séria.

Trechos:

Entre sobreviver e viver há um precipício, e poucos encaram o salto.
***
Mesmo onde você enxerga um vazio, pode ter gente dentro.
***
"Sempre" é um amontoado de tempo que não sustenta nenhuma teoria.
***
Quanto mais leve a alma, mais forte o organismo.
***
Já fomos mais românticas. Hoje o sexo é mais importante, queima calorias, melhora a pele e não duvido que um coração vazio também ajude na hora de subir na balança.
***
Não é que homens gostem de futebol, é muito mais do que gostar. Eles ampliam seu universo através desse esporte. Tudo o que se diz, preconceituosamente, que um homem não é, ele é, desde que esteja num estádio ou em frente à tevê. Ele se emociona, chora, festeja, pula, abraça, faz festa, se desespera. Dá um salto mortal sem nunca antes ter dado uma cambalhota. Extravasa-se. Solta no berro todas as injustiças acumuladas na semana e fica com o semblante abobalhado diante de um drible, como se estivesse assistindo ao vivo o jogo de pernas da Juliana Paes. Ele é tudo, menos um insensível.
***
Outra coisa: dizer que homens não têm boa memória para datas e acontecimentos importantes só pode ser implicância. Pergunte a qualquer um há quanto tempo não acontece um Grenal, em que dia começa a Copa, qual a escalação do time que ganhou a medalha de prata nas Olimpíadas de 2004, e ele acertará as duas primeiras perguntas e engasgará na terceira, quando então se dará conta da pegadinha: a seleção masculina não se classificou para disputar os jogos de Atenas. Não trucide o coitado.
***
Libertar uma pessoa pode levar menos de um minuto. Oprimi-la é trabalho para uma vida.
***
Nossa vida é apenas uma pequena brecha de tempo entre duas ausências.
***
Uma mulher é apenas uma mulher, mas uma mãe é um vulcão, um furacão, uma enchente, uma tempestade, um terremoto. Uma mãe é invencível.
***
ELA

Se você não tem problemas com a sua, levante as mãos para o céu e pare agora mesmo de reclamar da vida. O que são algumas dívidas para pagar, um celular sempre sem bateria, um final de semana chuvoso? Chatices, mas dá-se um jeito. Nela não. Nela não dá-se um jeito. Para eliminá-la, prometemos cortar bebidas alcoólicas, prometemos fazer mil abdominais por dia, mas ela não acusa o golpe, segue com sua saliência irritante. A gente caminha, corre, sobe escada, desce escada, vibra quando nosso intestino está bem regulado, cumprindo suas funções à perfeição, mas ela não se faz de rogada, mantém-se firme onde está. "Mantém-se firme" é força de expressão. Ela é tudo, menos firme. Você sabe de quem estou falando.
Ela é uma praga masculina e feminina. Os homens também sofrem, mas aprendem a conviver com ela: entregam os pontos e vão em frente, encarando a situação como uma contingência do destino. As mulheres, não. Mulheres são guerreiras, lutam com todas as armas que têm. Algumas ficam sem respirar para encolhê-la, chegam a ficar azuis. Outras vão para a mesa de cirurgia e ordenam que o médico sugue a desgraçada com umbigo e tudo. Mas passa-se um tempo e ela volta, a desaforada sempre volta.
Quem não tem a sua? Eu conto quem: umas poucas sortudas com menos de quinze anos. Umas poucas malucas que acordam, almoçam e jantam na academia. Algumas
mais malucas ainda que não almoçam nem jantam. As que nasceram com crédito pré-aprovado com Deus. E aquelas que nunca engravidaram, lógico.
As que ignoram totalmente sobre o que estou falando são poucas, não lotariam uma sala de cinema. Já as que sabem muito bem quem é a protagonista desta crônica(pois alojam a infeliz no próprio corpo) povoam o resto da cidade, estão por toda parte. Batas disfarçam, vestidinhos disfarçam, biquínis colocam tudo a perder.
Nem todas a possuem enorme. Cruzes, não. Às vezes é apenas uma protuberância, uma coisinha de nada, na horizontal nem se repara. Aliás, mulheres acordam mais bem-humoradas do que os homens porque de manhã cedo somos todas magras. Todas tábuas. Todas retas. Passam-se as primeiras horas, no entanto, e a lei da gravidade surge para dar bom dia. Lá se vai nosso humor.
Falam muito de celulite. Falam de seios, de traseiros, de rugas, de pés grandes, de falta de cintura, de caspa, de tornozelos grossos, de orelhas de abano, de narizes desproporcionais, de ombros caídos, de muita coisa caída. Temos uma possibilidade infinita de defeitos. Mas ela é que nos tira do prumo. Ela é que compromete nossa silhueta. Ela é que arrasa com a nossa elegância. Ela. Nem ouso pronunciar seu nome. Você sabe bem quem. Se não sabe, sorte sua: é porque não tem.
***
Uma pessoa que não fez amigos não teve pela sua vida nenhum respeito. Nossa solidão é nossa casa e necessita abrir horários de visita, hospedar, convidar para o almoço, cozinhar com afeto, revelar-se uma solidão anfitriã, que gosta de ouvir as histórias das solidões dos outros, já que todos possuem seus descampados.
***
Durante a madrugada qualquer unha encravada vira um câncer terminal.
***
Tampouco tenho sonhado. Não há sono suficiente para criar uma historinha com começo, meio e fim. Freud teria dificuldade em trabalhar hoje em dia: dorme-se pouco. E lembra-se menos ainda.
***
Morremos um pouco todos os dias, e todos os dias devemos procurar um final bonito antes de partir.
comentários(0)comente



53 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11



Publicidade


logo skoob beta
"o site é uma ótima ferramenta para estimular a leitura nas escolas e universidades."

Conexão Professor