O Caso dos Exploradores de Cavernas

Lon L. Fuller



Resenhas - O Caso dos Exploradores de Cavernas


35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Carlos 22/10/2014

Li para a faculdade, então, comecei sem muita boa vontade.
Mas a história é boa, e faz pensar (e é essa, justamente, a ideia).
Utilizamos para discutir alguns comportamentos à luz do Direito.
Vale a leitura, especialmente com espírito crítico.


comentários(0)comente



Larissa 10/07/2014

Condenar ou não condenar?
O que você faria no lugar desses homens?
O que você faria no lugar desses juízes?
Depois de tanto tempo ainda me pego esse impasse.
comentários(0)comente



Allana 25/03/2014

O Caos dos Exploradores de Cavernas.
A iniciativa de ler esta obra partiu de uma indicação feita por um professor que argumentou ser este um livro que incita o pensamento crítico dos estudantes, principalmente os de Direito.
O livro narra uma estória que se passa em 4.300 onde 5 exploradores de cavernas adentram uma montanha e, já longes da entrada, ocorre um deslizamento de terra, prendendo estes homens dentro da caverna.
Passados 20 dias, muito depois de os escassos suprimentos terem findado, esses desafortunados suscitaram a ideia de sacrificar um dentre eles para que se alimentasse, do contrario morreriam por inanição. Ocorre porém que Roger Whetmore - quem primeiro teve a ideia - antes de lançarem os dados para saber qual deles seria sacrificado desistiu do acordo, se negando a lançar os dados. No entanto, seus companheiros, o acusaram de violação do acordo, lançando estes mesmos os dados em seu lugar. Tendo a sorte lhe sido adversa, Roger foi, então, morto.
O que suscita discussões acerca deste caso é a possibilidade desses homens serem livres ou condenado à forca por tal ato.
Depois de ter sido proferida a sentença condenatória, contra os acusados, sucede a opinião de diversos juízes, ministros, uns contra e outros a favor da condenação destes homens, cada uma das autoridades nos fazendo refletir seriamente a respeito de seus argumentos, todos bem fundados, na minha opinião.
De fato esta estória nos faz cogitar bastante a respeito da aplicação das leis, de se considerar ou não a opinião pública para a resolução de conflitos, entre outras indagações que nos fazem rever alguns conceitos.
comentários(0)comente



Danielle 12/02/2014

Reflexão
O livro, sem dúvidas, traz um caso interessante, que nos leva a refletir. Fuller conseguiu seu objetivo de introduzir o estudante de Direito a essa Ciência.
Refletir sobre o certo e o errado; sobre a moral; sobre o Direito; sobre as leis. Qual seria a diferença de tudo isso? Sim, há uma diferença. Não tão pequena a ponto de não ser notada. O livro deixa isso bem claro.
Se fosse julgar de acordo com os nossos princípios, certamente o veredicto seria diferente do veredicto dado segundo a lei. O veredicto segundo a nossa moral, provavelmente, seria semelhante ao que a população deu, sendo ela leiga em relação às leis. Eis aí a diferença entre moral e lei.
"Mas eles estavam em uma situação precária. Eles foram forçados a fazer isso! Dez pessoas morreram para salvá-los inutilmente, visto que eles teriam o mesmo fim, sendo ou não salvos: a morte!" Provavelmente, você, ao ler, se questionou isso. Não interessa, a lei diz que "quem tira a vida de outrem por vontade própria deve ser punido com a morte". E não foi legítima defesa, porque não houve um ataque. Talvez defesa contra as circunstâncias em que eles foram deixados. Mesmo com o veredicto final, mesmo com a lei, ainda questionamos se foi mesmo certo essa decisão. Mas o juiz jurou seguir a lei, não o seu conceito interno de certo x errado.
Gostei de todos esses questionamentos e da reflexão a que o livro me levou. Mesmo sem ter chegado a uma conclusão. Culpados ou inocentes, eis a questão?
Sobre a nota: Não ganhou cinco estrelas por ter enrolado demais durante a história. Sei que o livro é pequeno, mas poderia ter sido ainda menor. Mais sucinto e, ainda assim, dito tudo o que precisava. Tive a sensação de que fiquei horas lendo a mesma coisa. Também achei confusa a maneira como as falas foram dispostas. Não sei se é porque li uma versão em pdf ou se todas as edições são assim também.
comentários(0)comente



Amós 25/11/2013

Essencial aos Estudantes de Direito
Uma obra clássica de grande proveito - positivo e filosóficos - para os estudantes de Direito. Não apenas leia, mas apreenda os entendimentos, decisões e doutrinas contidas na obra (de forma interna e externa).
comentários(0)comente



Marcel 04/10/2013

Juridicamente...
...Legal...

Livro pequeno, de fácil leitura contando a história de um grupo de exploradores de caverna que ficam presos em um soterramento na expedição. Tantos dias presos, para não morrerem de fome, fazem um sorteio para ver quem será sacrificado para ser literalmente comido rssr...

Depois do resgate, há o julgamento dos sobreviventes com toda a questão jurídica acerca do homicídio e da moralidade!!!!

comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Francini Cervan 09/07/2013

O livro é uma discussão de juízes acerca de um caso complexo e de grande publicidade. O caso é o seguinte: 5 exploradores foram explorar uma caverna e ficaram presos (pedras deslizaram e obstruíram a única saída). O governo mandou resgate, mas era um caso complicado, morreram 10 homens trabalhando no resgate que durou ao todo 32 dias. Os suprimentos acabaram muito antes e os exploradores acabaram decidindo que um deles morreria para que os outros 4 sobrevivessem comendo a sua carne, o que foi feito, escolheram quem seria morto por meio dos dados. Ao voltarem para a civilização foram indiciados por homicídio e condenados à forca. Mas a parte mais importante é a discussão e exposição de ideias dos juízes acerca de como deveriam julgar o caso.

O julgamento se passa nos Estados Unidos no ano 4300 (sim, é fictício), e sugere que "as questões nele envolvidas estão entre os problemas permanentes da raça humana" (Página 82).

Hoje, pelas leis brasileiras, se eu fosse advogada dos réus, provavelmente alegaria inexigibilidade de conduta diversa e estado de perigo, acredito que apesar de terem, de fato, cometido o crime de homicídio as circunstâncias devem ser levadas em conta, eram desesperadoras. Uma das teses discutidas é a de que por estarem longe da civilização, por sua própria conta, não estariam sujeitos às leis da civilização, mas acho uma tese difícil de ser defendida, não me convenceu muito. Mas também não acho que as leis devem ser aplicadas e ponto, como se o magistrado fosse um computador. Enfim, é difícil por ser um caso único, extremamente chocante (estamos falando de matar para viver, de antropofagia) e também por se passar em outro país com leis totalmente diferentes e com um sistema jurídico totalmente diverso (Nos EUA funciona o common law onde o juiz julga com base no costume, na jurisprudência, assim a lei costuma ser aplicada da mesma maneira sempre, por aquele tribunal, de maneira mecânica, Aqui é o Civil Law, onde a base para aplicação é a lei, que são muitas, somos muito positivistas, e ao juiz cabe interpretar e aplicar a lei a cada caso).

É um livro muito conhecido, tido como base pela maioria dos juristas. Acredito que o que fixou para mim foi a delicadeza de cada situação e a quantidade de interpretações que ela pode gerar, o que é muito importante para qualquer aplicador do direito (ou que pretende um dia ser um [no caso eu]).

A edição (box essencial do direito) é uma graça, dá o ar de um clássico (que é), ao mesmo tempo super moderno, de um azul muito lindo e cheio de pequenos detalhes que encantam.


site: http://espeloteadaepatricinha.blogspot.com.br/2013/05/o-caso-dos-exploradores-de-caverna.html
comentários(0)comente



Lino 29/06/2013

Boa pedida para universitários de Direito.
Todo aluno, seja do ensino fundamental, seja do ensino médio, uma vez pelo menos ouviu do seu professor de Português o seguinte: "Interpretação não é pessoal". Bastava se deparar com alguma questão menos clara quanto a seus propósitos para que começassem os protestos.

No entanto, quem ingressa no mundo do Direito, sem muita dificuldade, acaba por perceber que aquela máxima presente até então, não se aplica a essa nobre ciência. É exatamente neste sentido que "O Caso dos Exploradores de Cavernas" foi escrito.

Ao bem dizer o que há é o relato do sentenciamento de quatro réus acusados de um crime. O grande detalhe da história é a divergência de opiniões que existe entre os magistrados. Pode-se até discordar de um e concordar com outro, mas é fato que todos os posicionamentos são muito bem embasados.

O livro faz questão de trazer à tona que no Direito nada é tão necessário como a solidez dos argumentos. Bastante curta e interessante, a obra de Lon Fuller é quase obrigatória para qualquer iniciante no curso de Direito.
comentários(0)comente



Ana Débora 24/03/2013

Um livro que desperta o leitor para as verdades que podem ser construídas, as quais o confundem ante os argumentos coesos e convincentes, mas com posições diferentes sobre o mesmo fato.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Vanessa 01/03/2013

Só comentários . . .
Livro do começo da facu . . . para estudos mesmo . . . quando não gostava de ler . . . tipo "leitura obrigatória".
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Junior Nery 20/12/2012

Leitura rápida e instigante!Até onde vai o direito a vida?Até onde vai o direito positivo?E o direito natural?A vida é renunciável?Uma bela obra de Direito!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3



logo skoob
"O sucesso do Skoob tem explicação. Além de ser uma ferramenta inédita em português, chamativa para leitores inveterados, o funcionamento do sistema é fácil."

A Notícia