Luxúria

Eve Berlin



Resenhas - Luxúria


86 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Savina 15/11/2012

Simplificando o livro: puro plágio. E do pior tipo: o ruim...
comentários(0)comente



Glaucia 25/10/2012

Resenha de Luxúria publicada no Mix
Luxúria é o primeiro livro de mais uma trilogia erótica que entra nesse mercado competitivo e cheios de livros que abordam o tema erótico. A narrativa ocorre em terceira pessoa, mas expõe o ponto de vista de cada uma das protagonistas. Comparando com outros livros sobre submissão que li até o momento, acho que esse foi o mais característico e fidedigno até agora. Isso deixando claro que não li todos, apenas alguns e essa é uma opinião minha.

Dylan é uma escritora de contos eróticos solitária, independente e controladora. Quando começa a pesquisar sobre o tema Submissão, para seu novo livro, recebe a indicação de entrevistar um dominador profissional Alec Walker. Logo no primeiro encontro, Dylan sente uma atração irresistível por aquele homem enorme, altivo, que exala poder e sensualidade.

Alec Walter é um escritor, aventureiro que curte esportes radicais, vivido e viajado, mas acima de tudo, é um dominador experiente e profissional, que leva a sério do “jogo” de poder entre dominador/submissa. Ele vai encontrar com uma atraente escritora de contos eróticos, Dylan Ivory, e logo no primeiro contato, percebe que aquela mulher é diferente e mexe com ele como nenhuma outra.

Alec propõe a Dylan que seja sua submissa, pois só assim, ela entenderia como é a mente de uma pessoa no subespaço, quando entra na dominação e é atingida pelo transe. Dylan nega ter característica submissa, pois gosta de estar “por cima” e é extremamente controladora. Mesmo assim, ela, movida por uma imensa atração sexual, concorda com o acordo e aceita fazer parte do jogo. Contudo, se Alec não conseguir submetê-la, ele é quem será o seu submisso. Cartas são colocadas sobre a mesa e o jogo iniciado.

Esse é um livro extremante sensual e HOT. As protagonistas são comedidas em seus temperamentos, mas quando estão no ato sexual, ficam totalmente entregues à situação. O negócio é tão bom, que deixa o leitor entrando, literalmente, em combustão. Tudo começa a querer explodir.

Diferentemente de outros livros, Alec é cavalheiro, educado e preocupado com sua submissa. Ele não é o tipo que vai logo dizendo que quer “comer” ou oferecendo contrato absurdo para a submissão. A introdução de sua submissa é calculada e cuidadosa, levando em consideração o lado psicológico da coisa.

Outra coisa que tenho que destacar é, Alec me lembra muito os machos-alfas, totalmente dominantes, de livros de lobo. Tem uma cena em que seu subconsciente chama por Dylan como os lobos fazem com suas companheiras... Minha! Ele é muito protetor e preocupado, apesar de ser muito GOSTOSO, e saber usar muito bem as mãos para bater e praticar o ato sexual. O cara bate bem e excita ao extremo. Olha, a coisa é uma loucura!!! rsrs

A autora cria um vínculo emocional entre as protagonistas, que no final acabam entrando em conflito com seus dramas, traumas e conceitos, para se entregarem um ao outro. Como não poderia deixar de ser, cada um tem suas razões psicológicas para ter o lado controlador e avesso a relacionamentos; e a entrega é bem complicada. Dylan fica em conflito, sofre muito e chora pra caramba, mas o repele. Já Alec tenta entender os próprios sentimentos e quase surta. Achei tudo muito fofo... Mas não posso contar mais. rsrs

O único ponto negativo do livro, em minha humilde opinião, é que Dylan acaba ficando muito submissa e de forma rápida demais. Apesar de Alec perceber, no primeiro momento, que era uma submissa nata, eu esperava que ela desse muito trabalho e lutasse contra a dominação, já que tem uma personalidade tão peculiar. Acho que seria mais interessante se houvesse mais resistência da parte da protagonista. Outra coisa, que não é exatamente um ponto negativo, mas não gostei da capa. Acho que não representa a personalidade do livro.

Sinceramente, AMEI “Luxúria” e quase entrei em combustão com as cenas hots, bem escritas. Quando terminou, o livro me deixou com um gosto de quero mais. Fiquei muito decepcionada por ter acabado tão rápido. Queria que a autora houvesse explorado um pouco mais sobre submissão, e essa relação dominador/submissa.

Para esse livro dou 5 estrelas(*****) e um lindo coração!
Espero que gostem!

Publicada em http://www.mixliterario.com/2012/10/resenha-luxuria-eve-berlin.html
Marina 21/11/2012minha estante
Concordo com absolutamente TUDO que vc escreveu !!! :D


Larissa 21/11/2012minha estante
Ao contrário do que muitos estão comentando, eu gostei muito do livro e estou realmente ansiosa para a continuação.
Concordo absolutamente com você.




Sweet-Lemmon 12/10/2012

Luxúria é mais um lançamento com temática erótica vindo na esteira do sucesso de Cinquenta Tons de Cinza. Não há como negar, é isso mesmo. Se o livro de E.L. James muito, mas, MUITO dificilmente livros como esse seriam lançados aqui no Brasil. Bem, podemos dizer que 50 tons serviu para alguma coisa, né? Hehehe

Tudo bem, não vou mentir que me incomoda o fato de quê quase todos esses lançamentos “HOT” tem um subtexto BDSM. Eu gostaria de ver mais variedades. Existem tantos tipos de modalidades sexuais, não? Mas, de qualquer forma, qualquer livro adulto é sempre bem-vindo. Ainda mais sendo de qualidade.
Já estava na hora das editoras perceberem que nem só de YA e fantasia vivem os leitores.


O meu problema é que eu, pessoalmente, não consigo achar o BDSM sexy; principalmente, não acho a dor simplesmente pela dor, “estimulante”. Não que eu abomine a prática (caso de zoofilia e watersports, eu confesso). Eu apenas não me excito com alguém apanhando, mesmo que seja num contexto erótico. Quando há o sexo ainda pode haver um grau de excitação, mas a dor pela dor... E isso, acho, tira um pouco do meu barato em livros como este.

Mas mesmo com o BDSM fora do meu Hall de taras Favoritas, Luxúria é um livro extremamente hot e, sim, excitante. Eu nem pensava eu comprar esse livro, mas ele estava tão lindo e formoso na Livraria Cultura- e com um bom preço- que não resisti. E não me arrependo.

Dylan Ivory é uma escritora de livros eróticos que precisa saber mais sobre o universo sadomasoquista para uma próxima obra; por meio de algumas pesquisas ela acaba chegando à Alec Walker, também escritor, só que thrillers psicológicos. Alec é um conhecido dominador na cena sadomasô e, obviamente, seria o “material de pesquisa” ideal para ela. Alec está mais do que disposto à ajudá-la mas com uma condição, ou talvez uma proposta: que ela se submeta à ela e mergulhe no submundo do sadomasoquismo e da escravidão sexual. Dylan, sem pensar muito (na verdade, ela não pensou nada!).

Sim, Luxúria é mais um daqueles tantos livros do estilo “BDSM para Iniciantes”, porém, mesmo que a estória soe um pouco didática no começo, eu percebi que a autora tem bons conhecimentos no assunto e, principalmente, não se mostra moralista ou preconceituosa em relação ao assunto. Os personagens do livro não dissimulados, tarados ou possuem algum desvio de conduta simplesmente porque curtem algo diferente do “papai-e-mamãe”.

Devo avisar, entretanto, que o BDSM, aqui é bem vanila, então, acho que Luxúria é um bom começo para quem nunca leu algo do gênero.

Como já’ era de se esperar, o que começa em “é apenas sexo” , apenas se transformando em paixão e depois amor; é justamente esta questão do surgimento do amor que diferencia livros como Luxúria de um pornô “comum”. Eu achei que Alec começou a se interessar por Dylan muito rapidamente (não estou falando da questão sexual) , quase que como uma paixão à primeira vista e isso não fez muito sentido com a proposta do livro. Mas, sério, quem está ligando pra sentindo quando se tem Alec Walker?

Ah, não falei sobre ele, né?

Pense, David Gandy.


Nu.


Alec é basicamente isso. E apesar de ser um dominador, de maneira alguma ele é um ogro troglodita. Pelo contrário! Pode até parecer um paradoxo o que vou dizer mas Alec é dominador fofix!

E sabem o que mais? A mocinha também é gente boa! Não desmaiem, por favor, mas, Dylan é mais velha e não é nenhuma virgem lesa! Sim! Ela já tinha dado bastante antes de se entregar à Alec! Só por isso, o livro o livro já ganhou pontos positivos comigo.

Outro ponto a se destacar é que o livro é narrado em terceira pessoa (quase uma raridade, hoje em dia) e, com isso, conhecemos melhor os pensamentos e sentimentos tanto de Dylan quanto de Alec.

Luxúria é um livro bem escrito, de leitura rápida e carregado de cenas de sexo. Todavia, mais interessante ainda do que a alta carga sexual é ver como aos poucos a paixão vão aflorando entre eles e todas as barreiras, as guardas vão sendo derrubadas. Sim, este é um livro erótico, mas, em última instância é simplesmente uma estória de amor.

Recomendo.


***

A Série

Luxúria (Edge)
Cada livro é sobre um casal diferente.

1. Luxúria (Pleasure's Edge)
2. Desire's Edge – inédito no Brasil
3. Temptation's Edge – inédito no Brasil

Leia a resenha completa, com os links ativos, capa original e fotinhos (!) no meu blog:

http://umaconversasobrelivros.blogspot.com.br/2012/10/luxuria-de-eve-berlin.html


Leeoh 12/10/2012minha estante
Adoro suas resenhas! *-*
Preciso comprar urgentemente "Luxuria". rs
Pelo menos eu acredito que a protagonista desse livro não seja uma "virgem lesa"! kkk
Adorei!


Tati 23/10/2012minha estante
Só por ler o que você disse, estou ansiosa para ler o livro. Resenha perfeita e atraente. =) !!!


Jacy Coelho 10/02/2013minha estante
eu pensei em Joe Manganiello só que não tem olho azul...mas quando ela fala que ele é grande, muito grande, só pensava nele.




Aline 10/12/2012

Não gostei
Eu achei o enredo fraco. Não penso em ler os outros da série... Cansei desse tema BDSM, não acho a dor excitante... Fora que é sempre o mesmo blábláblá... Sexo, sexo, sexo, traumas de infância... Coisa cansativa!
comentários(0)comente



Camille 27/09/2012

http://revistainnovative.com/luxuria
Dylan é controladora e parece surreal quando Alec, dominador e sua segura fonte de informações para o próximo romance erótico, propõe que ela seja sua submissa. Todavia, o argumento é bom: somente assim ela poderá saber o que é o sadomasoquismo, como é e o que exatamente ele faz sentir. Somente assim ela poderá escrever de forma a tornar sua história verossímil e continuar a cadeia de romances eróticos de sucesso (que ele próprio, inclusive, elogiou).

O que começa como uma prova para si mesma (e para Alec, é claro) de que nasceu para ser domadora e não submissa vai por água abaixo logo nos primeiros instantes que o jogo começa. Não que ela necessariamente se arrependa disso, nem Alec, na verdade a ideia sequer passa pela cabeça dos dois que aproveitam o momento cada um à sua maneira e, ao mesmo tempo, tão unidos a ponto de questionarem a intensidade do que está sendo vivido. O jogo começa a ser mais frequente, deixando brecha para que surja um sentimento que assusta ambos – ainda que de forma diferentes: amor.

Adultos independentes, conseguem pressentir que algo está errado, que não é normal – após o que eles têm feito – sentirem a absurda vontade de ficarem abraçados ouvindo as batidas do coração um do outro. Todavia, seguros de si, deixam-se levar pelo sentimento até que seja tarde demais para voltar atrás. Ponto para o livro que inova ao não apostar no drama tão costumeiro de um casal resolver por sexo, apaixonar-se e afastar por causa disso dando escapulidas em nome do amor.

Eles não admitem o que sentem, nem para si mesmos: enterram bem fundo e fingem que podem lidar com aquilo mais tarde, que são fortes para viver o momento e ponto. Os leitores agradecem. Eve (ou a tradução?) dá uma escapulidas quando tenta falar de assuntos mais sérios, não na hora de escrever sobre eles – suas falas são sempre boas, impecáveis – mas os fatos nem sempre batem. Às vezes alguma coisa já foi dita, outras parece que tem alguma incoerência. São detalhes que quando estamos extremamente envolvidos em uma história acabamos notando, prejudicam a leitura, todavia não o suficiente a ponto de estragar o momento descrito ou a narrativa do livro.

Berlin tem uma incrível capacidade de transportar o leitor para dentro de seu universo, levando-nos a imaginar cada cena e cada passo. Cada beijo, sentimento e cada toque. É impossível não se apaixonar pela história, pelos personagens que também tem uma história que tornam eles quem são. E, claro, é total e absolutamente inviável não se apaixonar por Alec.

Apesar dos inúmeros aspectos positivos, Luxúria tem sim seu ponto negativo. Eu não esperava, pela própria sinopse, que Dylan fosse aceitar tudo tão fácil. Eve introduziu uma personagem com uma característica forte que, tudo indica, não aceitaria com tamanha facilidade uma proposta como a de Alec, e bastaram algumas poucas frases e alguns apertos e mão para que ela se rendesse – e ficasse perdidamente "apaixonada". É compreensível que um não esquecesse o outro, pessoas marcam umas às outras, mas não da forma que foi. Ficou exagerado e extremamente forçado. Felizmente, a autora se recupera maravilhosamente no decorrer do livro.
Yonarah 10/10/2012minha estante
Desde que vi o nome do livro e a capa quis comprar e agora que li sua resenha com certeza comprarei, ótima resenha parabéns!


SheilaRosencler 09/11/2012minha estante
Li e não gostei, a história é muito fraca, muito mal construída. As cenas hot são boas, mas o enredo e as motivações são terríveis.


Jacy Coelho 10/02/2013minha estante
Eu até concordo com a SheilaRosencler que a história é fraca, mas nem chega a prejudicar o livro, porque a leitura é tão rápida que parece um conto. E tudo se passa em 5 semanas, então tipo, não tem história secundária, dia a dia dos personagens, nada disso, são só os dois, e achei isso um charminho. Gostei.

Gostei da motivação também, achei melhor do que a idiotice de cair de bunda no chão de Toda Sua.


miriam 24/03/2013minha estante
Li e não gostei,fora que no liminar do desejo,historia e mesma.Só que personagens diferentes!


Georgina Maria 25/07/2013minha estante
É um dos piores livros que já li. Em 80% do livro só vamos encontrar as descrições do sexo entre Alec e Dylan.
Onde uma mulher forte, bem resolvida, independente como a Dylan iria se submeter tão facilmente a um dominador? Nunca. Detestei o livro e com certeza vou tentar trocar ou dar ou até mesmo jogar no lixo (coisa que raramente faço com meus bebes). Não tem história, só tem sexo!
Não comprem, não leiam. Mas se não resistirem a saber se é isso mesmo, baixem na NET. Sai muito mais barato!!!!




Fulana Leitora 17/10/2012

Resenha feita por Kezia Martins para o blog Fulana Leitora: http://fulanaleitora.blogspot.com.br/2012/10/resenha-luxuria-eve-berlin.html
Luxúria conta a história de Dylan, uma escritora de romances eróticos, que quer aprofundar o seu conhecimento sobre o mundo do sadomasoquismo e dominação para escrever o seu novo livro. Em sua busca por informações Dylan conhece o Alec, um homem bonito, imponente e extremamente sedutor.

Dylan, como nos é apresentada no início do livro, é uma mulher jovem, bonita e controladora. É muito independente, desde criança, e se orgulha disso. Mas, ao conhecer Alec, se vê tentada com a sua proposta de que ela seja sua submissa, por que só assim ela teria uma visão melhor do mundo BDSM para escrever seu livro.

Não preciso nem dizer o que acontece a seguir não é?! Eu li Luxúria por que, como já cansei de dizer, eu gosto muito de romances eróticos. Eu criei muitas expectativas a respeito dele, talvez seja por isso que me decepcionei um pouco. O livro acabou sendo mais do mesmo.

A autora tenta dar alguma profundidade a história trazendo a tona os traumas emocionais dos personagens. Mas, ficou só na tentativa. E, de novo, eu digo: Mais do mesmo. Uma das inúmeras semelhanças que são visíveis em romances eróticos, o fato do praticante de BDSM ter traumas emocionais, quase sempre ligados a infância.

“Ela era perfeita. E ele sabia muito bem que esse poderia ser mesmo o fim do controle que passara sua vida inteira aperfeiçoando.” - Alec

Mas, para quem lê romances eróticos simplesmente pelo erotismo, Luxúria é um prato cheio. O livro está repleto (e quando digo repleto quero dizer exageradamente) de cenas eróticas.

O começo parece um pouco forçado, essa atração instantânea que ambos sentem. De inicio eu não consegui captar isso. Eles se apaixonam tão rápido que não dá tempo de nos apaixonarmos por eles. Mas, no decorrer da história, o romance vai ganhando certa relevância e a intensidade da relação deles vai ganhando o leitor.

“Maldito fosse seu coração traidor. Ela estava apaixonada por ele. E não havia nada que pudesse fazer a respeito.” - Dylan

Eu achei o enredo um pouco fraco, acho que isso prejudicou o livro. A Eve é uma boa escritora, tem uma escrita fluida e detalhista, o que me agrada muito. Mas, faltou história. Eu senti falta de outros personagens ou que, ao menos, os personagens secundários fossem mais explorados. O livro é, praticamente, Dylan e Alec e nada mais.

Uma coisa eu não posso negar, por mais que eu não tenha achado o livro perfeito, eu não consegui largar até terminar de ler. A narrativa da Eve é muito boa. O fato de ser em terceira pessoa torna a leitura mais envolvente. Por que assim você pode ver tanto a percepção da Dylan quanto do Alec.

Apesar de tudo, eu gostei do livro. Estou botando fé, mais uma vez, que a continuação vai ser melhor. Para quem não sabe Luxúria é uma trilogia. Então, só nos resta esperar pelos próximos.
comentários(0)comente



MEIRE 01/11/2012

PARA BAIXAR!!
http://trocasdeebooks.blogspot.com.br/search/label/EVE%20BERLIN
comentários(0)comente



Carolina Durães 03/11/2012

Sinopse - Luxúria - Trilogia Luxúria - Livro 01 - Eve Berlin
Quando achava que era hora de parar... Ela então pediu por mais... Quando Dylan Ivory, escritora de romances eróticos, recebe o contato de Alec Walker, nem imagina o quanto esse homem pode mexer com seus pensamentos. Conhecido por ser um famoso dominador em relações sadistas e sadomasoquistas, Alec tenta convencer Dylan de que a melhor forma de se aprofundar no assunto - e então escrever um livro o mais próximo possível da realidade - é viver uma experiência como submissa e sentir na pele a sensação desse tipo de relação. Para Dylan, essa proposta será difícil de ser aceita - uma vez que ela é fanática por ter o controle de tudo em sua vida. Embalados por um misto de prazer e apreensão, o casal se vê em uma situação tentadora enquanto evitam entregarem-se ao sentimento que nasce entre eles.
Minha opinião – Primeiramente, quero deixar bem claro que essa resenha é destinada para MAIORES DE 18 ANOS. Eu não sabia o que esperar desse livro. Os livros eróticos ganharam o mercado literário, principalmente quando tratam de estilo de vida alternativo. A história começa exatamente com o encontro de Dylan e Alec, e logo de cara Alec deixa claro para Dylan duas coisas: para escrever o livro erótico com o tema, ela deve experimentar o sexo no estilo sadomasoquista e que ela é uma submissa nata. Dylan alega ser uma controladora nata e obviamente seria uma Dominatrix, discordando plenamente da opinião de Alec, mas aceitando o desafio. E ao aceitar a proposta de Alec, o livro começa em si... E acaba a história. Vejam bem, não estou dizendo que o livro é ruim, estou dizendo que a história termina, pois desse momento para frente a única coisa que aparece no livro é sexo, sexo, uns “tapinhas de amor”, sexo, sexo, mais uns “tapinhas de amor”. E nesse meio tempo, os dois descobrem que estão apaixonados. E o livro termina rs... Algumas coisas realmente me chatearam durante a leitura: a primeira, é claro, é a falta de uma história mais bem elaborada. Não tenho nada contra um livro bem hot, desde que tenha uma história no meio. Segundo, a Dylan cedeu ao seu lado submisso desde o primeiro encontro sexual dos dois... Sinceramente, achei que ela iria resistir um pouco mais, tentar pegar o controle na cama em alguns momentos. Puro engano. Ela simplesmente se tornou uma submissa nata em um piscar de olhos. E o terceiro item que me irritou foi a explicação dos dois para não se envolverem em relacionamentos. Eu até que entendi o background da Dylan e entendi porque ela se tornou tão maníaca por controle, mas a explicação dada para o Alec foi bem fraquinha. Agora, se eu achei o livro ruim? Depende. Se você está a procura de um livro hot, simplesmente hot, não, o livro não é ruim, mas se você está a procura de um livro hot com um pouquinho de enredo, provavelmente “Luxúria” não será o livro ideal para você.

Avaliação 3/5.
Em breve essa resenha será publicada no blog Floreios e Borrões.
comentários(0)comente



Leeoh 01/11/2012

http://www.leandro-de-lira.com/
Ultimamente, a quantidade de livros com o tema "erotismo", publicados aqui no Brasil é impressionante. Alguns são ótimos e fazem jus ao seu gênero. Outros são completamente previsíveis, enfadonhos e apenas "mais do mesmo". Ainda bem que "Luxuria" foi um bom livro, apesar de alguns pontos negativos que eu encontrei durante a leitura.

[SINOPSE] Quando achava que era hora de parar... Ela então pediu por mais... Quando Dylan Ivory, escritora de romances eróticos, recebe o contato de Alec Walker, nem imagina o quanto esse homem pode mexer com seus pensamentos. Conhecido por ser um famoso dominador em relações sadistas e sadomasoquistas, Alec tenta convencer Dylan de que a melhor forma de se aprofundar no assunto - e então escrever um livro o mais próximo possível da realidade - é viver uma experiência como submissa e sentir na pele a sensação desse tipo de relação. Para Dylan, essa proposta será difícil de ser aceita - uma vez que ela é fanática por ter o controle de tudo em sua vida. Embalados por um misto de prazer e apreensão, o casal se vê em uma situação tentadora enquanto evitam entregarem-se ao sentimento que nasce entre eles.

O livro começa narrando a história de Dylan, uma escritora de romances eróticos, que está planejando escrever seu próximo livro. Porém, essa nova ideia que ela pretende transformar em livro não é apenas uma ideia comum. Ela quer escrever um romance erótico sadomasoquista. No entanto, mesmo com algumas pesquisas feitas, ela precisa se aprofundar ainda mais no assunto. E para isso, ela busca ajuda de um homem, e esse homem é Alec.

Alec é um escritor também. Porém, ele escreve sobre ficção, ficção policial... Enfim, escreve sobre gêneros completamente diferentes dos que Dylan escreve. E é sadomasoquista. E justamente por isso, que Dylan entra em contato com ele, para que ele possa ajudá-la. E no primeiro encontro, a proposta que ele oferece é que, para que ela de fato, possa escrever o livro, ela precisa viver todas as experiências que o mundo BSDM (Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo) oferece. E Dylan aceita.

À partir desse ponto, eles começam a viver experiências intensas, onde um sentimento inevitável vai surgindo entre eles. Mas será que eles conseguirão superar esse sentimento tão forte e seguir adiante? Só lendo para saber.

"Ele abaixou-se na direção do rosto dela e foi distribuindo longos, lentos e doces beijos na face, no queixo, na testa e nas pálpebras. Beijos que a deixaram tremendo. Não de desejo. Mas de algo mais. O que seria?
Não pense. Pare. Apenas seja.
Mas ela sabia. Sentiu o arrepio na barriga, no peito, no pulso acelerado. Não tinha a ver com sexo, embora tivesse sido incrível, como disse o próprio Alec. Significava mais. Era algo mais profundo."
Pág.: 206

O livro é recheado de cenas de sexo e a autora é bem explícita; não poupa detalhes em momento algum. O grande ponto positivo da história são as personagens. Dylan não é aquela mulher ingênua, que nunca transou na vida. Não. Ao aceitar a proposta, ela já tinha uma noção do que estaria por vir.

Alec é incrível. Ele não é um neurótico sadomasoquista, como muitas autoras retratam em seus livros. Não mesmo. Ele explica tudo à Dylan, de uma maneira clara, para que ela possa compreender perfeitamente como geralmente funciona as práticas sadomasoquistas.

Porém, devo esclarecer que, o sadomasoquismo abordado nesse livro é bem, digamos, "light".

O que me deixou impressionado é que parece que o Alec é insaciável. Quase todas as vezes que ele saía com a Dylan, eles transavam. E ela quase sempre queria também. Ou seja, ambos eram insaciáveis demais. Acho que se a autora tivesse diminuído um pouco o apetite sexual deles, a história teria melhorado um pouco.

O livro é narrado na terceira pessoa do passado, e em nenhum momento prejudicou a história. A autora soube construir bem cada personagem, mostrando suas dúvidas, anseios e medos.

Outro detalhe sobre o Alec é que, ele é muito dominador. Ele sabe como satisfazer a parceira no ato sexual. E ele tem uma pegada incrível também. Enfim, caso queira conhecê-lo melhor, só lendo mesmo.

Contudo, o livro é bom sim. Não é um livro incrível, com uma história surpreendente. Não. É apenas um bom livro erótico, para quem busca algo do gênero. A narrativa flui de forma natural e de maneira alguma, o livro torna-se cansativo. Esse é o primeiro livro da trilogia Luxuria e eu gostei.

Recomendo!
Silvia 13/11/2012minha estante
Apesar de eu não ter nenhum interesse sobre este livro, e não vou ler mesmo, gostei da sua resenha, como sempre vc escreve super bem, pelo menos já sei sobre o que se trata. E que capa linda!


Leeoh 17/11/2012minha estante
Obrigado por ler minhas resenhas e pelos elogios, Silvia! (:
Beijão!


Tamires 12/12/2012minha estante
Ótima resenha, bem realista. Estava em dúvida se deveria ler ou não o livro e acabei decidindo por comprá-lo.


Leeoh 12/12/2012minha estante
Obrigado Tamires! (:
Espero que curta a leitura.
Abraço!




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Flávia Mota 20/03/2013

Luxúria
Muito Bom a estoria de Alec(Me abana) e de Dylan, Demorou um pouco mas acabaram vendo que se amavam e gostei muito do que ele ensina para ela.......Recomendo
comentários(0)comente



Carolncb 10/10/2012

Romance com BDSM - hora de praticar
Este livro inicia uma trilogia focada no BDSM, porém com uma aura sentimental. Agora anda na moda, mas há um diferencial a autora dá a impressão de saber sobre o que está falando, não passa uma visão pejorativa sobre o tema,mas sim real. Ideal para quem tem curiosidade sobre esse mundo.

Dylan Ivory é uma autora de romances eróticos em processo de pesquisa para seu novo livro, no qual um casal irá explorar o sadomasoquismo, a mudança de poder e a submissão. Em busca de informação, ela vai ao encontro de um especialista, o dominador Alec Walker, que lhe propõem vivenciar o jogo, para ter uma real impressão do que se trata.

Ao vivenciar essa experiência, Dylan vai perdendo os preconceitos. A trama toca no fato de uma mulher, que aparentemente é controladora na vida real, poder ser submissa dentro de quatro paredes, e isso até pode ser terapêutico, já que ela encontra prazer ao ceder o controle, ao confiar totalmente numa pessoa.

O livro é mistura romantismo com o BDSM, o que disperta em muitas de nós, abertura para novas possibilidades.
comentários(0)comente



Thaty 10/10/2012

Repetitivo ao extremo!
Li na marra mesmo. E vou ler os outros porque sempre gosto de terminar o que começo.
Levou duas estrelas porque gostei da capa.

comentários(0)comente



Wolf 16/05/2013

Luxúria
Alec Walker é tudo o que Dylan não poderia imaginar. Tudo bem, ele tinha aquele aspecto de bad boy com as tatuagens e a moto, mas ele era gentil, educado, atencioso, perspicaz e... lindo demais. Alec também é escritor, mas de livros de suspense. Adora viajar em sua moto e é viciado em adrenalina.

Dylan Ivory é uma escritora de romance erótico de 33 anos que está escrevendo um novo livro onde o tema é: sadomasoquismo e sadismo. Durante sua pesquisa, uma das submissas que ela entrevistou, diz que ela deve conversar com o dominador Alec Walker. Grata pela dica, ela marca um encontro com ele, afinal teria a oportunidade de entender melhor os pensamentos e as vontades de um dominador.

Se Dylan achava que teria algumas conversas com Alec e nada mais, o dominador alega que é impossível retratar o sadomasoquismo e que ela tem que experimentar esse estilo de vida. Dylan não é nenhuma menininha indefesa e é muito bem resolvida sexualmente, e diz a Alec que não serve para ser uma submissa, mas quando ele discorda e acaba deixando-a morta de raiva com a sua proposta, a controladora dentro de Dylan aceita a proposta.

Após um início conturbado, Dylan mergulha de cabeça no universo sadomasoquista, provavelmente porque com Alec tudo parece mais fácil e mais... prazeroso. Tudo estava indo muito bem, mesmo com as dúvidas brotando na cabeça de Dylan. Afinal eles tinham o tipo de relacionamento que ambos queriam: Alec não queria compromisso e Dylan tinha certa dificuldade em estabelecer um relacionamento sério. Mas tudo muda quando ela começa a apaixonar-se por Alec.

Achei interessante o fato dos personagens principais terem certo ceticismo sobre o amor, isso acaba tornando a estória mais interessante e podemos acompanhar o crescimento do relacionamento entre eles. As cenas de sexo são bem realísticas, nada fofinhas. Haha Você vai encontrar muito a palavra “foder” aqui nesse livro, mas se você já leu “Cinquenta Tons de Cinza”, provavelmente já está acostumado! Mas não pense que se trata de um livro vulgar. De jeito nenhum. “Luxúria” não têm nada de vulgaridade em suas páginas e definitivamente não cai na mesmice. Ele é intrigante do início ao fim.

Eve Berlin traz uma narrativa envolvente e nada cansativa, com personagens complexos e um enredo rico em detalhes. Se você não é muito familiarizado com o tema abordado no livro, definitivamente não ficará perdido, ele é consistentemente tratado de maneira simples e realística. Enfim, “Luxúria” vai tirar o seu fôlego!
Léia 16/05/2013minha estante
Humm.. gostei da resenha. Estou com a trilogia aqui, estou ansiosa para começar a ler.. Gosto de livros que de alguma maneira abordem o BDSM, embora a grande maioria despejada ultmamente nas prateleiras advindas da explosão sem graça cinzenta, deixam muitíssimo a desejar. Estou mais confiante que esta leitura seja mais proveitosa e talvez até.. mais realista... mesmo tirando o detalhe que não sejam fatos reais.

Bjos, moça.


Wolf 16/05/2013minha estante
Verdade Léia. Também gosto de livros que abordem o BDSM. Particularmente, adorei o "Luxúria". Estou com o segundo livro aqui e mal vejo a hora de começar a ler.




Vivi 04/11/2012

Vídeo Resenha!
Olá pessoas, dessa vez voltei trazendo uma resenha em um formato diferente do que vocês estão acostumados a ver aqui no blog.

A resenha de hoje fala sobre o primeiro livro de uma trilogia erótica a "Trilogia Luxúria" que conta a história de Dylan, uma renomada escritora de romances eróticos e o misterioso Alec dominador sadomasoquista e também escritor.

E então vamos descobrir o que essa blogueira que vos fala achou da leitura de Luxúria?

Vídeo Resenha em: http://emporiodoslivros.blogspot.com.br/2012/11/video-resenha-luxuria-eve-berlin.html

Abaixo meus comentários durante a leitura no Skoob.

Histórico do progresso da minha leitura.
31/10/2012 - 14% (37 de 256)"Hmm, até agora é apenas mais do mesmo... bem clichê pra falar a verdade.

"02/11/2012 - 26% (67 de 256)"Começou a melhorar... mas sou só eu que sinto falta de mais romance nesses novos eróticos? Pelo menos os dois protagonistas não caíram direto na "cama", mas já agem como se um fosse o oxigênio do outro! Só acho isso meio forçado..."

03/11/2012 - 50% (127 de 256)"Okay, vou confessar algo aqui... já li alguns livros sobre BDSM (Bondage, Discipline, Sadism, Masochism) e não, não é meu gênero favorito, até agora o livro mostrou sim uma pequena (muito pequena) parcela do que seria a relação no BDSM. Estou exatamente na metade do livro e só agora fui me acostumar com o ritmo "água com açúcar" da história (entendam aqui que, por água e açúcar quero me referir ao Sadomasoquismo mesmo, achei um pouco leve de mais). Não sou especialista nesse tema; não curto dor e não acho saudável esse estilo de vida..."

04/11/2012 - 100% (256 de 256)"Depois da página 127 o livro evoluiu bastante, continua com toda aquela relação Sadomasoquista (já que o livro trata disso mesmo), mas a partir desse ponto a história passa a ter, digamos, mais "romance" e os personagens ficam um pouco mais interessantes, mais humanos diria. Realmente não sei o que raios vou dizer na resenha em vídeo que pretendo gravar, só sei que boa coisa não vai sair. kkk"

Playlist - Bad Things - Jace Everett

Bjokas!!!
comentários(0)comente



86 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6



logo skoob
"O encontro dos livros com a web"

Ministério da Cultura