Faça seu login para ter acesso a todo conteúdo, participe também do sorteio de cortesias diárias. É rápido e gratuito! :) Entrar
Login
Livros | Autores | Editoras | Grupos | Trocas | Cortesias

Luxúria

Trilogia Luxúria - Livro 01

Eve Berlin
Resenhas
Menos Gostaram
84 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |


Savina 15/11/2012

Simplificando o livro: puro plágio. E do pior tipo: o ruim...
comentários(0)comente



Glaucia 25/10/2012

Resenha de Luxúria publicada no Mix
Luxúria é o primeiro livro de mais uma trilogia erótica que entra nesse mercado competitivo e cheios de livros que abordam o tema erótico. A narrativa ocorre em terceira pessoa, mas expõe o ponto de vista de cada uma das protagonistas. Comparando com outros livros sobre submissão que li até o momento, acho que esse foi o mais característico e fidedigno até agora. Isso deixando claro que não li todos, apenas alguns e essa é uma opinião minha.

Dylan é uma escritora de contos eróticos solitária, independente e controladora. Quando começa a pesquisar sobre o tema Submissão, para seu novo livro, recebe a indicação de entrevistar um dominador profissional Alec Walker. Logo no primeiro encontro, Dylan sente uma atração irresistível por aquele homem enorme, altivo, que exala poder e sensualidade.

Alec Walter é um escritor, aventureiro que curte esportes radicais, vivido e viajado, mas acima de tudo, é um dominador experiente e profissional, que leva a sério do “jogo” de poder entre dominador/submissa. Ele vai encontrar com uma atraente escritora de contos eróticos, Dylan Ivory, e logo no primeiro contato, percebe que aquela mulher é diferente e mexe com ele como nenhuma outra.

Alec propõe a Dylan que seja sua submissa, pois só assim, ela entenderia como é a mente de uma pessoa no subespaço, quando entra na dominação e é atingida pelo transe. Dylan nega ter característica submissa, pois gosta de estar “por cima” e é extremamente controladora. Mesmo assim, ela, movida por uma imensa atração sexual, concorda com o acordo e aceita fazer parte do jogo. Contudo, se Alec não conseguir submetê-la, ele é quem será o seu submisso. Cartas são colocadas sobre a mesa e o jogo iniciado.

Esse é um livro extremante sensual e HOT. As protagonistas são comedidas em seus temperamentos, mas quando estão no ato sexual, ficam totalmente entregues à situação. O negócio é tão bom, que deixa o leitor entrando, literalmente, em combustão. Tudo começa a querer explodir.

Diferentemente de outros livros, Alec é cavalheiro, educado e preocupado com sua submissa. Ele não é o tipo que vai logo dizendo que quer “comer” ou oferecendo contrato absurdo para a submissão. A introdução de sua submissa é calculada e cuidadosa, levando em consideração o lado psicológico da coisa.

Outra coisa que tenho que destacar é, Alec me lembra muito os machos-alfas, totalmente dominantes, de livros de lobo. Tem uma cena em que seu subconsciente chama por Dylan como os lobos fazem com suas companheiras... Minha! Ele é muito protetor e preocupado, apesar de ser muito GOSTOSO, e saber usar muito bem as mãos para bater e praticar o ato sexual. O cara bate bem e excita ao extremo. Olha, a coisa é uma loucura!!! rsrs

A autora cria um vínculo emocional entre as protagonistas, que no final acabam entrando em conflito com seus dramas, traumas e conceitos, para se entregarem um ao outro. Como não poderia deixar de ser, cada um tem suas razões psicológicas para ter o lado controlador e avesso a relacionamentos; e a entrega é bem complicada. Dylan fica em conflito, sofre muito e chora pra caramba, mas o repele. Já Alec tenta entender os próprios sentimentos e quase surta. Achei tudo muito fofo... Mas não posso contar mais. rsrs

O único ponto negativo do livro, em minha humilde opinião, é que Dylan acaba ficando muito submissa e de forma rápida demais. Apesar de Alec perceber, no primeiro momento, que era uma submissa nata, eu esperava que ela desse muito trabalho e lutasse contra a dominação, já que tem uma personalidade tão peculiar. Acho que seria mais interessante se houvesse mais resistência da parte da protagonista. Outra coisa, que não é exatamente um ponto negativo, mas não gostei da capa. Acho que não representa a personalidade do livro.

Sinceramente, AMEI “Luxúria” e quase entrei em combustão com as cenas hots, bem escritas. Quando terminou, o livro me deixou com um gosto de quero mais. Fiquei muito decepcionada por ter acabado tão rápido. Queria que a autora houvesse explorado um pouco mais sobre submissão, e essa relação dominador/submissa.

Para esse livro dou 5 estrelas(*****) e um lindo coração!
Espero que gostem!

Publicada em http://www.mixliterario.com/2012/10/resenha-luxuria-eve-berlin.html
Larissa 21/11/2012minha estante
Ao contrário do que muitos estão comentando, eu gostei muito do livro e estou realmente ansiosa para a continuação.
Concordo absolutamente com você.


Marina 21/11/2012minha estante
Concordo com absolutamente TUDO que vc escreveu !!! :D




Sweet-Lemmon 12/10/2012

Luxúria é mais um lançamento com temática erótica vindo na esteira do sucesso de Cinquenta Tons de Cinza. Não há como negar, é isso mesmo. Se o livro de E.L. James muito, mas, MUITO dificilmente livros como esse seriam lançados aqui no Brasil. Bem, podemos dizer que 50 tons serviu para alguma coisa, né? Hehehe

Tudo bem, não vou mentir que me incomoda o fato de quê quase todos esses lançamentos “HOT” tem um subtexto BDSM. Eu gostaria de ver mais variedades. Existem tantos tipos de modalidades sexuais, não? Mas, de qualquer forma, qualquer livro adulto é sempre bem-vindo. Ainda mais sendo de qualidade.
Já estava na hora das editoras perceberem que nem só de YA e fantasia vivem os leitores.


O meu problema é que eu, pessoalmente, não consigo achar o BDSM sexy; principalmente, não acho a dor simplesmente pela dor, “estimulante”. Não que eu abomine a prática (caso de zoofilia e watersports, eu confesso). Eu apenas não me excito com alguém apanhando, mesmo que seja num contexto erótico. Quando há o sexo ainda pode haver um grau de excitação, mas a dor pela dor... E isso, acho, tira um pouco do meu barato em livros como este.

Mas mesmo com o BDSM fora do meu Hall de taras Favoritas, Luxúria é um livro extremamente hot e, sim, excitante. Eu nem pensava eu comprar esse livro, mas ele estava tão lindo e formoso na Livraria Cultura- e com um bom preço- que não resisti. E não me arrependo.

Dylan Ivory é uma escritora de livros eróticos que precisa saber mais sobre o universo sadomasoquista para uma próxima obra; por meio de algumas pesquisas ela acaba chegando à Alec Walker, também escritor, só que thrillers psicológicos. Alec é um conhecido dominador na cena sadomasô e, obviamente, seria o “material de pesquisa” ideal para ela. Alec está mais do que disposto à ajudá-la mas com uma condição, ou talvez uma proposta: que ela se submeta à ela e mergulhe no submundo do sadomasoquismo e da escravidão sexual. Dylan, sem pensar muito (na verdade, ela não pensou nada!).

Sim, Luxúria é mais um daqueles tantos livros do estilo “BDSM para Iniciantes”, porém, mesmo que a estória soe um pouco didática no começo, eu percebi que a autora tem bons conhecimentos no assunto e, principalmente, não se mostra moralista ou preconceituosa em relação ao assunto. Os personagens do livro não dissimulados, tarados ou possuem algum desvio de conduta simplesmente porque curtem algo diferente do “papai-e-mamãe”.

Devo avisar, entretanto, que o BDSM, aqui é bem vanila, então, acho que Luxúria é um bom começo para quem nunca leu algo do gênero.

Como já’ era de se esperar, o que começa em “é apenas sexo” , apenas se transformando em paixão e depois amor; é justamente esta questão do surgimento do amor que diferencia livros como Luxúria de um pornô “comum”. Eu achei que Alec começou a se interessar por Dylan muito rapidamente (não estou falando da questão sexual) , quase que como uma paixão à primeira vista e isso não fez muito sentido com a proposta do livro. Mas, sério, quem está ligando pra sentindo quando se tem Alec Walker?

Ah, não falei sobre ele, né?

Pense, David Gandy.


Nu.


Alec é basicamente isso. E apesar de ser um dominador, de maneira alguma ele é um ogro troglodita. Pelo contrário! Pode até parecer um paradoxo o que vou dizer mas Alec é dominador fofix!

E sabem o que mais? A mocinha também é gente boa! Não desmaiem, por favor, mas, Dylan é mais velha e não é nenhuma virgem lesa! Sim! Ela já tinha dado bastante antes de se entregar à Alec! Só por isso, o livro o livro já ganhou pontos positivos comigo.

Outro ponto a se destacar é que o livro é narrado em terceira pessoa (quase uma raridade, hoje em dia) e, com isso, conhecemos melhor os pensamentos e sentimentos tanto de Dylan quanto de Alec.

Luxúria é um livro bem escrito, de leitura rápida e carregado de cenas de sexo. Todavia, mais interessante ainda do que a alta carga sexual é ver como aos poucos a paixão vão aflorando entre eles e todas as barreiras, as guardas vão sendo derrubadas. Sim, este é um livro erótico, mas, em última instância é simplesmente uma estória de amor.

Recomendo.


***

A Série

Luxúria (Edge)
Cada livro é sobre um casal diferente.

1. Luxúria (Pleasure's Edge)
2. Desire's Edge – inédito no Brasil
3. Temptation's Edge – inédito no Brasil

Leia a resenha completa, com os links ativos, capa original e fotinhos (!) no meu blog:

http://umaconversasobrelivros.blogspot.com.br/2012/10/luxuria-de-eve-berlin.html


Jacy Coelho 10/02/2013minha estante
eu pensei em Joe Manganiello só que não tem olho azul...mas quando ela fala que ele é grande, muito grande, só pensava nele.


Tati 23/10/2012minha estante
Só por ler o que você disse, estou ansiosa para ler o livro. Resenha perfeita e atraente. =) !!!


Leeoh 12/10/2012minha estante
Adoro suas resenhas! *-*
Preciso comprar urgentemente "Luxuria". rs
Pelo menos eu acredito que a protagonista desse livro não seja uma "virgem lesa"! kkk
Adorei!




Aline 10/12/2012

Não gostei
Eu achei o enredo fraco. Não penso em ler os outros da série... Cansei desse tema BDSM, não acho a dor excitante... Fora que é sempre o mesmo blábláblá... Sexo, sexo, sexo, traumas de infância... Coisa cansativa!
comentários(0)comente



Camille 27/09/2012

http://revistainnovative.com/luxuria
Dylan é controladora e parece surreal quando Alec, dominador e sua segura fonte de informações para o próximo romance erótico, propõe que ela seja sua submissa. Todavia, o argumento é bom: somente assim ela poderá saber o que é o sadomasoquismo, como é e o que exatamente ele faz sentir. Somente assim ela poderá escrever de forma a tornar sua história verossímil e continuar a cadeia de romances eróticos de sucesso (que ele próprio, inclusive, elogiou).

O que começa como uma prova para si mesma (e para Alec, é claro) de que nasceu para ser domadora e não submissa vai por água abaixo logo nos primeiros instantes que o jogo começa. Não que ela necessariamente se arrependa disso, nem Alec, na verdade a ideia sequer passa pela cabeça dos dois que aproveitam o momento cada um à sua maneira e, ao mesmo tempo, tão unidos a ponto de questionarem a intensidade do que está sendo vivido. O jogo começa a ser mais frequente, deixando brecha para que surja um sentimento que assusta ambos – ainda que de forma diferentes: amor.

Adultos independentes, conseguem pressentir que algo está errado, que não é normal – após o que eles têm feito – sentirem a absurda vontade de ficarem abraçados ouvindo as batidas do coração um do outro. Todavia, seguros de si, deixam-se levar pelo sentimento até que seja tarde demais para voltar atrás. Ponto para o livro que inova ao não apostar no drama tão costumeiro de um casal resolver por sexo, apaixonar-se e afastar por causa disso dando escapulidas em nome do amor.

Eles não admitem o que sentem, nem para si mesmos: enterram bem fundo e fingem que podem lidar com aquilo mais tarde, que são fortes para viver o momento e ponto. Os leitores agradecem. Eve (ou a tradução?) dá uma escapulidas quando tenta falar de assuntos mais sérios, não na hora de escrever sobre eles – suas falas são sempre boas, impecáveis – mas os fatos nem sempre batem. Às vezes alguma coisa já foi dita, outras parece que tem alguma incoerência. São detalhes que quando estamos extremamente envolvidos em uma história acabamos notando, prejudicam a leitura, todavia não o suficiente a ponto de estragar o momento descrito ou a narrativa do livro.

Berlin tem uma incrível capacidade de transportar o leitor para dentro de seu universo, levando-nos a imaginar cada cena e cada passo. Cada beijo, sentimento e cada toque. É impossível não se apaixonar pela história, pelos personagens que também tem uma história que tornam eles quem são. E, claro, é total e absolutamente inviável não se apaixonar por Alec.

Apesar dos inúmeros aspectos positivos, Luxúria tem sim seu ponto negativo. Eu não esperava, pela própria sinopse, que Dylan fosse aceitar tudo tão fácil. Eve introduziu uma personagem com uma característica forte que, tudo indica, não aceitaria com tamanha facilidade uma proposta como a de Alec, e bastaram algumas poucas frases e alguns apertos e mão para que ela se rendesse – e ficasse perdidamente "apaixonada". É compreensível que um não esquecesse o outro, pessoas marcam umas às outras, mas não da forma que foi. Ficou exagerado e extremamente forçado. Felizmente, a autora se recupera maravilhosamente no decorrer do livro.
Georgina Maria 25/07/2013minha estante
É um dos piores livros que já li. Em 80% do livro só vamos encontrar as descrições do sexo entre Alec e Dylan.
Onde uma mulher forte, bem resolvida, independente como a Dylan iria se submeter tão facilmente a um dominador? Nunca. Detestei o livro e com certeza vou tentar trocar ou dar ou até mesmo jogar no lixo (coisa que raramente faço com meus bebes). Não tem história, só tem sexo!
Não comprem, não leiam. Mas se não resistirem a saber se é isso mesmo, baixem na NET. Sai muito mais barato!!!!


miriam 24/03/2013minha estante
Li e não gostei,fora que no liminar do desejo,historia e mesma.Só que personagens diferentes!


Jacy Coelho 10/02/2013minha estante
Eu até concordo com a SheilaRosencler que a história é fraca, mas nem chega a prejudicar o livro, porque a leitura é tão rápida que parece um conto. E tudo se passa em 5 semanas, então tipo, não tem história secundária, dia a dia dos personagens, nada disso, são só os dois, e achei isso um charminho. Gostei.

Gostei da motivação também, achei melhor do que a idiotice de cair de bunda no chão de Toda Sua.


SheilaRosencler 09/11/2012minha estante
Li e não gostei, a história é muito fraca, muito mal construída. As cenas hot são boas, mas o enredo e as motivações são terríveis.


Yonarah 10/10/2012minha estante
Desde que vi o nome do livro e a capa quis comprar e agora que li sua resenha com certeza comprarei, ótima resenha parabéns!




84 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |



Publicidade


logo skoob beta
"Uma ferramenta como essa pode certamente ser usada por professores para incentivar a leitura"

Jornal do Brasil