Faça seu login para ter acesso a todo conteúdo, participe também do sorteio de cortesias diárias. É rápido e gratuito! :) Entrar
Login
Livros | Autores | Editoras | Grupos | Trocas | Cortesias

Apologia da História

ou O Ofício de Historiador

Marc Bloch
Resenhas
Recentes
7 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2


DAI 10/07/2011

Uma leitura prazerosa...
Apaixonada por História desde criança, passei um bom tempo sem essas leituras... quando redescobri o BLOCH, percebi que não podemos deixar de fazer as coisas que mais gostamos...

Uma leitura intrigante, prazerosa, enriquecedora, que "acordou" a minha essência de historiadora, meu ímpeto pelo "historiar", antes perdido...

Mac Bloch nasceu para a História e morreu por ela... Seus escritos tornaram-se leituras obrigatórias para historiadores, estudantes, acadêmicos. Este livro, em especial, buscou desconstruir a antiga idéia de como deveria ser a produção do conhecimento histórico, meramente informativo, se atendendo apenas aos fatos... Bloch discute um novo método para os historiadores, através da interdisciplinaridade entre as ciências, da crítica e da problematização. O homem torna-se sujeito e objeto da história e passado e presente se complementam, visto que são dialéticos e, portanto, sua relação com o homem é dinâmica.
A História, segundo Bloch, é uma ciência que precisa ser reconhecida enquanto tal... é a velha discussão: "História é uma ciência ou uma arte?" que vêm a tona. A compreensão e a crítica é discutida pelo autor como precedentes da análise histórica e, o historiador, como homem de seu tempo e, por isso mesmo, influenciado por ele. Diante desses fatos, fica claro que um acontecimento histórico está sempre relacionado a outro e a produção historiográfica também recebe a influência do momento histórico do qual é produzida. Cabe ao historiador levantar as questões certas, abrindo as possibilidades de análises e de fontes.

comentários(0)comente



Bruna 26/06/2011

"Apologia da História" me deu um pouco de trabalho. É um livro bem teórico; demorei mais de um mês para terminar de lê-lo (quando não chega a ter 160 páginas) pela complexidade da linguagem e do conteúdo.

O livro é enxuto: muita informação em poucas palavras (o que considero uma virtude, nesse caso). Claro que essa "alta densidade" dificulta a compreensão - não foram raros os momentos em que tive que reler passagens a fim de conseguir entendê-las.

Quanto ao conteúdo, é excelente. Marc Bloch escreve basicamente sobre conceitos e pilares do ofício do historiador. Como leiga, achei o todo muito interessante, principalmente o capítulo que trata sobre a crítica histórica. Além disso, o obra é bastante esclarecedora com relação a vários pontos da profissão de historiador.

Não dou 5 estrelas, provavelmente, porque minha falta de bagagem não possibilitou o aproveitamento completo do livro. Recomendo-o, aliás, mas unicamente a quem se interessa pela área.
comentários(0)comente



Everton Jr 02/06/2011

Bom livro!!!
O primeiro capítulo do livro: A história, os homens e o tempo, já resume no título a intenção de Marc Bloch, representar o homem quanto sujeito da sua história. Buscando não mais uma História feixada apenas aos fatos, às datas e aos relatos. Ele a partir de então procurava uma história que conseguisse compreender as relações sociais que se deram através dos fatos, suas problematizações e seu contextos históricos. Indicando dessa maneira que o seu objeto não era o passado, mas o homem, mais precisamente os homens no tempo. Porém nunca se esquecendo de aliar o passado com presente, uma vez que as indagações do presente são o que fazem o historiador voltar-se para o passado buscando isso através da observação histórica os testemunhos e sua transmissão ( o que ele demonstra no capítulo II ).
Bloch afirma que o historiador, na sua leitura, não deve se atrelar apenas aos documentos escritos, mas deve trabalhar também os testemunhos não escritos, de outras ciências, em particular os da arqueologia, deixando de ser obcecado pelo relato, construindo assim um conhecimento pautado em vestígios – uma vez que o historiador não têm contato direto com seu objeto de estudo – já que ele considera impossível saber tudo sobre tudo. Bloch nos mostra no livro que o passado estará sempre em processo e progredindo, mudando muitas vezes seu modo de analizá-lo e entendê-lo, e que poderá ser escrito de maneira diferenciada de acordo com a visão de cada historiador e até mesmo interpretado diferentemente dependendo do leitor.
Continuando a leitura Bloch inicia “tentativa de uma lógica do método critico”, para que a História pudesse compor o rol das ciências, mostrando efetivamente que para o autor a História é uma ciência e que precisava ser reconhecida como tal, igualmente às outras – como ciências naturais, por exemplo, mesmo que seus antecessores tenham tentado fazer isso, mas ainda colocando a História em um nível mais baixo –, Marc tenta justificar a História repassando um método pessoal. Com este método o historiador mostrará ao homem um novo caminho “rumo à verdade e, por conseguinte, à justiça”
No capitulo IV: A Análise Histórica o autor usa como exemplo o juiz e o historiador, discutindo se a história deveria julgar ou compreender. Toma como defesa que o historiador deve compreender e não julgar, não é trabalho do historiador julgar outras civilizações, por exemplo, e sim de compreendê-las, revelando que um grupo social não é melhor nem pior que outro, e mostrando que é pela análise histórica que se inicia realmente o trabalho do historiador, sempre atento para os julgamentos, evitando cair em julgo próprio corrompendo assim o seu trabalho.
Bloch também defende que o historiador é quem faz a sua seleção do período histórico, o que ele chama de recorte histórico e, consequentemente ele também “escolhe e peneira” o seu ponto de estudo, indicando que não é obrigatório o saber de todo o conhecimento do passado ou do seu estudo, já que a noção de fonte é ampliada e abrangente, principalmente ao aumentar o período pesquisado.
No último capítulo, inacabado, que não recebera um título, foram analisadas as causas dos fatos históricos, e que tais causas não são postuladas e sim buscadas, não tendo como pré-determinadas – aqui fazendo uma crítica ao positivismo –, que um acontecimento é atrelado ao outro e que as produções do próprio historiador terá consequências e influências.
Fecha resumindo o “tempo humano” alegando que ele “permanecerá sempre rebelde quanto à implacável uniformidade como ao seccionamento rígido do tempo do relógio.”
E que os historiadores, por escolha e por falta de medidas adequadas à variedade temporal, conhecem apenas a margem deste tempo.
comentários(0)comente



*-* 09/10/2010

Livro Básico para todos os historiadores de ofício
Narrativa agradável e simples; Marc Bloch buscou neste livro sintetizar o historiador e a sua função enquanto enquanto produtor do conhecimento histórico. Para quem não está habituado a obras historiográficas, alguns tópicos irão ajudar os leitores a ter algumas noções básicas sobre o que é história:

* Toda história é social, nunca individual;

* Toda a história é mutante, transformadora;

* Toda a história deve ser problematizada;

Extremamente recomendado!!!
comentários(0)comente



mbpedago 28/02/2010

O livro do Marc Bloch é fundamental para quem trabalha com História, História da Educação ou algum tema correlato a questão histórica, independente da filiação teórica. Principalmente porque, tanto a introdução do Le Goff, como a obra de Bloch demonstram e esclarecem algumas questões em voga no debate historiográfico. Estabelece a concepção de história e a sua escrita, o compromisso do historiador e a questão metodológica.
comentários(0)comente



7 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2



Publicidade


logo skoob beta
"Uma ferramenta como essa pode certamente ser usada por professores para incentivar a leitura."

Jornal do Brasil