A Escrava Isaura

Bernardo Guimarães



Resenhas - A escrava Isaura


61 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Gabi 14/11/2014

Sinceramente, do começo até a metade do livro não gostei da história, além do fato de tudo até aquele momento ser muito clichê, não gostei da inocência dos personagens, chegou realmente a me incomodar a ponto de querer parar à leitura. Porém, surpreendentemente a mesma foi tomando rumos desconhecidos e teve um final brilhante.
Incrivelmente, recomendo esse livro.
comentários(0)comente



duda 25/09/2014

Isaura
Fala de uma escrava que mora com seus senhores o seu pai mora na Europa e sua mãe faleceu quando ela tinha 12 anos,ai ela passou a ser acendiada pelo seu patrão e seu cunhado, quando a senhora descobriu ficou muito magoada e disse para lhe dar a liberdade, o senhor então falou que iria pensar e disse que não podia fazer isso porque era seu pai que comandava e fazenda e os criados neste exato momento chegou uma carta dizendo que seu pai tinha falecido. Chegou o pai de Isaura dizendo que tinha conseguido o dinheiro da liberdade.
comentários(0)comente



Thamiris 20/09/2014

Em tempos tão complexos, a escrava Isaura, uma moça alegre, muito bonita e bondosa foi criada e amada por uma senhora tão cândida quanto ela, que jurou protegê-la e fazer dela sua companhia durante toda a sua vida. Essa senhora é sogra de Malvina e mãe de Leôncio, o seu único filho ainda vivo. Ela cumpriu a promessa até que o destino decidiu que a hora de partir dessa amável senhora havia chegado. Malvina, sua nora, que conhecia o apreço que a sogra tinha para com Isaura, declarou que passaria a cuidar da pobre escrava desamparada, mas o rumo das coisas mudou completamente.

Isaura passou muito tempo sendo pelo seu senhor, Leôncio, que mantinha uma paixão secreta e alienada por ela. Alguns acontecimentos levaram Isaura a tomar uma difícil atitude entre os escravos: Fugir. Seu pai, Miguel, tomou as providências e eles foram parar em um lugar onde viveram poucos meses em paz.
Durante esse tempo em que esteve afastada de seu senhor, Isaura conheceu Álvaro, um homem gentil e abolicionista, por quem se apaixonou perdidamente. Sendo correspondida por seus sentimentos, Álvaro faz de tudo para conseguir a liberdade de Isaura e poder ser feliz com ela.

Isaura é uma moça doce, educada e repleta de dons. Frequentemente é incomodada pelos homens pela sua beleza fora do comum. Ela é classificada como uma fada, e basta olhar para ela, que muitos se apaixonam sem mesmo conhecê-la de fato. Achei a descrição a respeito de Isaura muito exagerada. Ela é admirada por tudo e por todos a todo o momento. É de fato, a exposição da mulher perfeita.

O livro nos faz, muitas vezes, perguntar: Por que é que as melhores pessoas passam por situações tão injustas? Quando eu não achava Isaura cínica, com suas palavras exageradamente humildes, tinha dó dela, por todo o infortúnio que tinha de passar. Para concluir a minha opinião a respeito dela: Apesar de todos os elogios, passou longe aos meus olhos, de ser a mocinha amada e adorada pelo público.

A história acontece durante os primeiros anos do reinado de D. Pedro II, entre os anos 1840 e 1889. A linguagem é simples, mas muito cansativa. Contém detalhes demais... Algumas partes eu tinha que reler, pois me distraia muito.

O autor demonstrou a realidade injusta de muitos escravos, ele quis dar ênfase à escravidão e as suas características. Tem o patrão malvado, a patroa boazinha, o jovem branco apaixonado, os escravos conformados e os escravos revoltosos e também aqueles que pouco se importam com tudo. A obra possui uma descrição bastante explorável com relação à escravidão.

Para concluir, preciso dizer que, não concordo com aqueles muitos que fizeram resenhas e comentários intitulando esse livro como Decepcionante ou Odiável. De fato não é um dos meus preferidos, passou muito longe mesmo, mas também não é tão detestável assim. O final foi ótimo, do jeito que tem de ser e eu gostei bastante de como os fatos formaram a conclusão.

site: http://thamirisdondossola.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Ana Ira! 12/08/2014

Conta a história da escrava branca (mestiça) Isaura, uma moça lindíssima que conquista a todos com sua inteligência, doçura e beleza. Isaura é filha da escrava negra Juliana e do feitor bondoso, o português Miguel - branco, por isso ela nasce branca. Como sua mãe morre no parto, Isaura, não obtém a alforria, porém, sua sinhá, a ama e cuida dela como se fosse sua mãe, e por medo de perdê-la, não a liberta, mas deixa seu desejo à mercê de seu filho Leôncio e de seu marido, que morre logo no início do livro.

Leôncio é o vilão, um vagabundo, do livro! Ele é casado - recentemente - com Malvina, uma boa moça, rica (esse é o motivo pelo qual ele se casou com ela), que gosta muito de Isaura, no entanto, Malvina não tem ideia que seu marido, não a ama, pois é loucamente (literalmente) apaixonado por Isaura!

Quando Henrique, o irmão de Malvina, conhece Isaura, também se apaixona por ela, só que o bocó do Leôncio conta à ele que quer 'dar uns pegas' em Isaura, então, Henrique bota a boca no trombone, e assim, começa a perseguição contra Isaura.

Malvina querendo expulsá-la de casa, uma outra escrava invejosa tentando acabar com ela, seu dono, Leôncio querendo ter um caso a força... Enfim, Isaura fica em um beco sem saída!

Mas seu pai, Miguel consegue fugir com ela, e vivem poucos meses longe, muito longe em meio a alta sociedade. Que de alta (chick, inteligente, etc.), só tem no nome!

Lá, em Fortaleza, Isaura conhece Álvaro, que vem a se tornar seu grande amor! Os dois logo que se vêem, se apaixonam, de um jeito tímido, apenas através de olhares e palavras, entretanto, em pouco tempo Isaura é descoberta e de uma maneira surpreendente volta às mãos de seu antigo, porém, verdadeiro dono! Leôncio que promete acabar com ela e suas esperanças de amor verdadeiro.
"-Levanta-te, mulher generosa e sublime! - disse Álvaro, estendendo-lhe as mãos para levantar-se. -Levanta-te, Isaura; não é a meus pés, mas sim em meus braços, aqui bem perto do coração, que te deves lançar, pois a despeito de todos os preconceitos do mundo, eu me julgo o mais feliz dos mortais em poder oferecer-te a mão de esposo!..." - P. 96
O final é lindíssimo, bem real e justo! Amooooo esse livro! É de tirar o fôlego!!!! Eu li em dois dias, porque precisei dormir, mas a leitura flui que nem chocolate na páscoa, se não vigiar comemos tudo de uma bocada só!!!!
"-Escrava! - exclamou Álvaro, cada vez mais exaltado. - Isso não passa de um nome em vão, que nada exprime, ou exprime uma mentira. Pureza de anjo, formosura de fada, eia a realidade! Pode um homem ou a sociedade inteira contrariar as vistas do Criador e transformar em uma vil escrava o anjo que sobre a Terra caiu das mãos de Deus?..." - P. 68
Mal consegui dormir pensando no final, e quando concluí, ele tornou-se um de meus livros favoritos, e com razão!

Quem ainda não leu, está PER-DEN-DO!!! Corre lá e vai ler! Tem ele para baixar em diversos sites autorizados e é quase impossível não haver pelo menos um exemplar deste nas bibliotecas! E é bem barato, pagay R$3,50 no meu exemplar. Só não lê, quem não quer!!!! AAAh, ele foi escrito lá em 1800 e pouco, era no começo do reinado de Dom Pedro II.
"-A escravidão em si mesma já é uma indignidade, uma úlcera hedionda na face da nação, que a tolera e protege. Por minha parte, nenhum motivo enxergo para levar a esse ponto o respeito por um preconceito absurdo, resultante de um abuso, que nos desonra aos olhos do mundo civilizado. Sirva ele ao menos de um protesto enérgico e solene contra uma bárbara e vergonhosa instituição." - P. 68

site: http://anairados.blogspot.com.br/2014/08/dica-de-livro-resenha-escrava-isaura.html
comentários(0)comente



Matheus Valei 30/06/2014

Pobre escrava!
Tenho o livro,mas ainda não li! A Globo e a Record já fizeram uma novela baseada na obra! Emocionante e densa essa história,Isaura passa por poucas e boas nas mãos desse vilão horroroso chamado Leôncio,quem não leu vale a pena!
comentários(0)comente



Carlinhos 16/06/2014

Mais um clássico que odiei...
A escrita do autor pode ser, em muitas das vezes, poética, mas pra mim não deu não.
Me ARRASTEI pra lê-lo até o fim. QUASE desisti.
Sinceramente, odiei o livro. Mas consegui ir até o final.
comentários(0)comente



Paula Vieira 26/05/2014

Original
Simplesmente perfeito, detalhes de época, detalhes do desenrolar da história, um romance que termina da maneira correta.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Joy* 09/04/2014

Para quem gosta do estilo...
Eu sinceramente amo a época do Romantismo na literatura brasileira. Soa piegas e muitas vezes fantasioso ao extremo. Mas, ás vezes é bom nós simplesmente sentarmos para ler um livro sem ter grandes expectativas ou julgar se aquilo é mesmo real ou não. E apesar do livro falar sobre a escravidão pela ótica dos senhores e não dos escravos, acredito que na época de lançamento o livro deve ter dado um 'empurrãozinho' a mais na causa abolicionista. E é por isso que o romance Escrava Isaura me cativa.
comentários(0)comente



Maci Novais 12/03/2014

A Escrava Branca.
A pesar da grandessíssima mentira inicial,pois não existiu escrava de pele tão clara e com uma educação semelhante a moças abastadas.O livro nos remete de certo modo a algumas características do período escravocrata do país e também apresenta criticas a leis vigentes na época(e que permanecem falhas na atualidade)tudo isso é claro com uma pitada de romance.
comentários(0)comente



Lais Denise 12/02/2014

Não fosse o melodrama...
Publicado em 1875, o romance escrito por Bernardo Guimarães gira em torno da tão conhecida escrava Isaura, que, não fosse a cor da pele e a aparência de nobre, passaria despercebida em meio à tantas outras escravas.
Isaura nasce da relação entre uma escrava negra e o feitor, de origem italiana, da fazenda do temível Leôncio. Sua mãe morre vítima de maus tratos e o pai é mandado embora, porém como um presente dado pelo destino (ou não!), a menina acaba sendo criada pela mãe de Leôncio, mulher benevolente, que vê na pobre criatura a filha que não teve.
No entanto, como é de se esperar, tendo em vista o gênero narrativo em questão, o sofrimento que aflige a moça se dá do início ao fim da história, e mesmo não vivendo na senzala como os outros escravos, os conflitos internos que a permeiam, acabam fortalecendo o fato de que aquela não é sua realidade.
Depois de muito sofrer nas mãos de Leôncio, Isaura foge com seu pai para o Recife, e lá conhece um homem nobre, bondoso e corajoso (vulgo príncipe encantado), e mesmo quando esse descobre a condição social da moça, continua a lutar por ela.
O problema é que os tais conflitos (de novo!)faz com que ela, mesmo vendo o amor verdadeiro de Álvaro, esteja o tempo todo divida entre a razão (o fato de ela, ainda que branca, ser uma escrava e não pertencer à alta classe social)e a emoção(o amor por um homem de alto escalão social, com condição totalmente contrária à sua).
E as dúvidas são tantas, que em meio à narrativa o leitor se vê ao ponto de querer dar uma "chega pra lá" nesse drama todo ( e haja drama!).
A alegria é que o autor, aliás talvez tenha sido essa a verdadeira intenção do mesmo ao escrever o livro, coloca doses de realidade em meio aos devaneios de Isaura e às falas adocicadas do casal de mocinhos.
Sobre isso, é interessante notar que Álvaro, muito mais do que o herói da história, representa uma classe que lutava em prol da libertação dos escravos, os abolicionistas, diferente de Leôncio, personagem que simboliza os senhores de escravos.
Por essa razão, "A escrava Isaura" exerce um importante papel no cenário literário brasileiro (tanto que já rendeu até novela!), justamente pelas críticas que faz à escravidão, e não fossem os excessos característicos do romantismo (é muito mimimi para um livro só), esse seria certamente um de meus livros favoritos.
comentários(0)comente



Gabi 29/01/2014

Sinceramente, do começo até a metade do livro não gostei da história, além do fato de tudo até aquele momento ser muito clichê, não gostei da inocência dos personagens, chegou realmente a me incomodar a ponto de querer parar à leitura. Porém, surpreendentemente a história foi tomando rumos desconhecidos e teve um final brilhante.
Incrivelmente, recomendo esse livro.
comentários(0)comente



Melquesedek 05/01/2014

Amou-o com esse amor exaltado das almas elevadas, que amam pela primeira e única vez.
Lets Begin!

É o primeiro romance desse nível que leio. Bernardo Guimarães, a mais de 130 anos ainda consegue encantar ao menos um leitor (Eu) com sua obra, com uma escrita muito boa e leitura fluente e muito bem explicada, ele interage com o leitor como se nos contasse uma história ao vivo.

Em "A Escrava Isaura", nos encontramos com uma escrava que de tão bela foi criada desde o nascimento como sendo filha de "branco".

Durante a vida de sua senhora, que para ela foi como uma mãe, ela foi mimada como qualquer outra dama da alta sociedade, mas nunca esqueceu do seu lugar, nunca se tornou orgulhosa e ignorante. Ela sabia que era filha de uma escrava.

Mas um dia sua mãe de criação falece antes que possa dar para Isaura a sua liberdade, esse sempre fora o seu mais profundo desejo. Seu marido, deixando toda a fortuna nas mãos do filho Leôncio deixa a mercê do mesmo, a escrava Isaura. A mulher de Leôncio Cujo nome esqueci novamente, continua cuidando de Isaura como se fosse uma igual, respeitando assim a vontade de sua senhora.
Certo dia, Isaura conhece Álvaro, o primeiro homem por quem se apaixona em sua vida.
Álvaro sem suspeitar da posição de Isaura na sociedade também cai na graça de sua beleza, pura e angelical.

Mais que isso não quero contar, deixo para vocês o convite para a leitura de tão espetacular obra de nossa literatura.


site: http://leitornacional.blogspot.com.br/
Aline 17/01/2014minha estante
Amei este romance.




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Fran 03/10/2013

Quase atual
Confesso que sou muito fã de clássicos *_* E esse é um livro que queria ler há anos... Agora que a professora de literatura pediu para escolhermos um para criar uma fotonovela ( vou postar aqui, claro), caí de boca em escrava Isaura. "Devorei" em menos de duas horas...

Não sei dizer exatamente o porquê, mas se o livro não falasse de escravidão, eu jamais acreditaria se tratar de um clássico. A linguagem é simples e rica, e facilmente viciante. E a história parece tão atual que teve momentos que esqueci completamente que era ambientado em outro século.
Dramático na medida certa, faz a gente sentir tristeza, raiva e esperança junto com a personagem principal, em cada instante. Aliás, cada personagem é tão bem descrito que os senti pertinho, de forma nítida e pessoal.
A história é um romance fofo, com seus devidos rivais e vilões, além das impedidas comuns. Faz a gente torcer pelo casal principal com unhas e dentes, e uau, Alvaro é o tipo de personagem apaixonante que faz meninas e mulheres se derreterem. Ele é carinhoso e audacioso, defensor dos oprimidos e apaixonante, educado e compreensivo. Eu, como era de se esperar, fiquei gamada nele. Deixei que me dessem o meu esperado final feliz e não me decepcinei.
Como fã dos clássicos, recomendo a todos. Quem gosta ou não de clássicos (como disse, ele é bem atual), quem ama romances, quem curte um bom drama e quem como eu, torce pelo final feliz!

Era o que tinha para falar do livro, não vou ficar "enchendo lnguiça"aqui que nã vale a pena.

site: eisaminhahistoria.blogspot.com
comentários(0)comente



61 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5



logo skoob
"Rede Social Brasileira conquista os internautas"

30 Giga