Faça seu login para ter acesso a todo conteúdo, participe também do sorteio de cortesias diárias. É rápido e gratuito! :) Entrar
Login
Livros | Autores | Editoras | Grupos | Trocas | Cortesias

Destrua Este Diário

Keri Smith
Resenhas
Recentes
37 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8


Mayara 28/08/2014

O que achei
Apesar de ser um livro que estimula muito sua criatividade, eu fiquei com uma pena gigante de destruir este livro (admito que comprei 2: um para "destruir"e um para guardar bonitinho). Além disso, por motivos de "faminha na internet" a criatividade acabou ficando comum, porque todo mundo quer copiar o desenho bonito ou criativo uma pessoa fez e postou.
comentários(0)comente



Ana 15/08/2014

O Diario
Um livro feito para destruir...De inicio parece algo inútil, mas ele ajuda vários perfeccionistas de plantão, desperta sua criatividade, lhe mostra um lado seu que talvez não conhecia.
Não cheguei a terminar o meu, na verdade não estou nem na metade, afinal um diário não se preenche em um dia, porem já me impressionei muito com ele, ainda estou tomando coragem para amarrar um barbante nele e sair pela rua... Isso é incrível, porque esse livro nos desperta o lado "louco", nem tudo tem que seguir as regras.
"Interprete as instruções como quiser", já pensou que faria isso alguma vez?
Não me arrependi de ter comprado o meu, e tenho certeza que também não se arrependerão.
comentários(0)comente



Camila 11/08/2014

Destrua Este Diário é completamente diferente de tudo que você viu ou leu, isso eu posso te garantir. Pra começar, não se trata de uma obra com enredo, trama, personagens, capítulos, etc. O livro é dividido em instruções, basicamente uma por folha, e o roteirista é você.

O objetivo do livro é simples, e o nome já diz: destruir o diário. Cada uma das inúmeras missões que você encontra em cada folha é alguma coisa pra você realizar que seja altamente destrutivo. Na melhor das hipóteses você terá que rasurar as páginas do seu exemplar, e na pior delas... bom, difícil escolher o que é pior dentre tantas opções.

As instruções para o leitor começam desde as primeiras páginas: você deve carregar o livro pra onde quer que vá, e seguir todas as instruções, contrariando qualquer bom senso. Você também deverá, antes de tudo, escrever seu nome no exemplar. E não é de qualquer maneira, mas sim de todas as formas que o livro mandar, como, por exemplo, de trás pra frente.

Pra quem, como eu, sente um amor eterno por livros, esse será um desafio gigantesco. Eu sou do tipo de leitora que cuida dos livros que possui como se fossem filhos: nada de derrubar, ou de deixá-los em qualquer lugar, ou sujar, amassar, rasgar, dobrar, perder, etc. Abomino qualquer ação que possa gerar algum tipo de lesão nos meus livros. Esse papo de que livro bonito é aquele livro velho e caindo aos pedaços não cola comigo; livro bonito é livro bem cuidado, impecável, quase novo.

Por isso, quando adquiri o Destrua Este Diário e o abri pela primeira vez, logo em uma página que dizia “Desfaça-se desta página. (Jogue-a fora) Aceite a perda.” pensei: M*#!@.

Cada um das instruções tem sido uma luta contra meu bom senso, meu instinto protetor, e meu perfeccionismo. Ainda não realizei todas as missões dadas pelo diário, pois estabeleci alguns regras pra mim mesma, e uma delas é “Realizar uma instrução por dia”. Porém, já conheço o suficiente pra dizer que por mais doloroso que seja maltratar o livro, garanto que também é extasiante.

Destrua Este Diário rompe com as barreiras do leitor, principalmente do leitor apaixonado e colecionador. Através do diário é possível tirar várias lições: aprenda a contrariar o bom senso (você nunca sabe a surpresa maravilhosa – e divertidíssima – que pode surgir); vá além das suas vontades – e dos seus medos (às vezes aquilo que você tanto repudia pode ser melhor que imaginava); use sempre a criatividade, mesmo que seja para ‘destruir’; mesmo a destruição pode trazer algo de bom – e belo.

Depois de perceber o verdadeiro valor dos ensinamentos implícitos do diário, resolvi usá-lo pra praticar duas coisas que eu nunca tenho: paciência e desapego. Pra isso criei algumas regras: 1) eu só posso realizar uma instrução por dia. E não posso passar para a próxima antes de concluir a anterior. 2) As ações não são acumulativas, nem os dias. (Se eu demorar 3 dias para resolver uma missão, no quarto dia só poderei realizar uma mesmo assim) 3) Tenho que realizar todas as instruções, por mais destrutiva que ela possa ser.

Pra quem não tem ainda o seu Destrua Este Diário eu só tenho uma pergunta: O que você está fazendo que ainda não foi comprar o seu? Keri Smith criou algo incrível, inusitado, único e totalmente original. A experiência é extasiante, posso garantir. E caso você já tenha o seu e queira seguir as minhas regrinhas, fique à vontade, garanto que realmente funciona (embora a tentação de pular uma missão ou realizar mais uma por dia seja bem grande).

site: http://nolimitedaleitura.blogspot.com.br/2014/08/destrua-este-diario.html
comentários(0)comente



Giovanni 07/07/2014

Destruindo o diário
De todos os livros que eu peguei, sempre fui muito cuidadoso, sequer abria o livro direito para não amassar a lombada, mas sinceramente, meu lado "destruidor" não gostava de todos os cuidados que eu tinha, quando peguei esse livro foi instantânea a felicidade desse meu lado, mas o outro cuidadoso ficou com um aperto enorme no coração, mas realmente, e muito bom, ele passa a sensação de um livro anti stress, me deixa muito tranquilo, e ocupa muito tempo para ser feito , o que é perfeito para os desocupados igual eu, alem disso é muito legal refletir antes de fazer cada "desafio", com isso você acaba vendo um resultado muito profundo, que vem da alma, creio que essa seja a intenção verdadeira do livro. Simplesmente amei
comentários(0)comente



Carmen 13/06/2014

Destruindo
Ainda estou em processo de destruição do diário.
comentários(0)comente



37 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8



Publicidade


logo skoob beta
"O contato direto com outros leitores incentiva a ler e adquirir livros que nem imaginávamos existir."

Revista Época