A Garota Que Você Deixou Para Trás

A Garota Que Você Deixou Para Trás
4.40062 3547



Resenhas - A Garota Que Você Deixou Para Trás


100 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Wendy 28/12/2015

Ahh o Amor pode superar tudo...
Hey pessoal, só pra deixar bem claro, eu tenho enorme dificuldade de fazer resenha de livros que amo muito além do que eu poderia imaginar, e nossa o que foi esse livro? No mínimo estará em meus pensamentos por muito tempo, eu sempre fui resistente a ler qualquer coisa da Jojo. Desde que vi muitas pessoas falarem do quanto Como eu era antes de você foi lindo, porém, destruidor de corações, mas digamos que algumas amigas me pediram pra ler com elas e bem eu tentei ao máximo fugir dele, confesso que sim gostei, gostei muitíssimo, mas A garota que você deixou para trás me ganhou totalmente e sim esse eu amei, e como doeu ler algumas partes dele, mas o final foi incrível, eu simplesmente não posso derramar metade dos sentimentos que tive ao lê-lo. Já pode agradecer a uma amiga linda que insistiu e insistiu para que eu o lesse? Obrigada Quel, assim como ele é para ti Favorito, para mim não foi diferente.

A estória desse livro tem duas partes, a primeira parte é sobre Sophie Lefèvre , reclusa em sua própria casa e sorte, rodeada por um cenário triste, onde retrata o horror da Primeira Guerra Mundial, a fome, doenças, cercada por alemães que fizeram da França sua morada, mandando e desmando, tomando posse de tudo e nesse cenário, conhecemos as dificuldades daquela época, a cidade onde ela vive é chefiada por um Kommandant, que dita às leis por lá.

Já nas primeiras linhas nos deparamos com as dificuldades que Sophie, sua irmã e irmão, juntamente com os sobrinhos passam, longe de seus maridos, pois foram convocados para servirem seu país e deixarem para trás suas vidas.

A elas restou apenas lutar para conseguirem com um mínimo de dignidade seguir em frente e esperar o regresso de seus maridos, porém Hélène já não tinha esperanças de que isso pudesse acontecer, pois já se passaram mais de dois anos desde que elas puseram os olhos em seus amores, já Sophie nunca desistiu de sua fé, nunca deixou de ter esperanças, nunca lhe passou pela cabeça não ver mais seu amado Edouard, e através de suas memórias e um certo quadro que trás seu rosto e pintado por seu marido, é uma lembrança constante dele, uma lembrança de como a garota pintada naquele quadro era linda e amada, lembranças de tempos felizes e é nelas que Sophie se apega e nunca desiste de acreditar, mesmo que tudo grite para ela que talvez já não exista mais esperança.

“Saiba, minha querida, que marco cada dia , não do mesmo modo que meus companheiros, grato por ter sido mais um dia a ter sobrevivido, mas agradecendo a Deus pelo fato de cada um significar que seguramente devo estar vinte e quatro horas mais perto de voltar para você.”

Vivemos o cenário de guerra e a presença desses alemães constantemente no que costumava ser um hotel da família de Sophie, o tão peculiar quadro sempre fora motivo de admiração do Kommandant, que jamais deixou de apreciar aquela obra e assim as irmãs vão vivendo seus dias de luta e escuridão sabendo que estão convivendo com os inimigos e tendo que cozinhar para eles todos os dias, tentando a todo custo seguir em frente, com o passar do tempo a presença deles termina sendo motivo de fofocas maldosas, e em geral relacionadas a Sophie.

E através do desespero de Sophie e atitudes impensadas, ela paga um alto preço. E a pergunta que nos é questionado nesse livro é: A que ponto você estaria disposto a arriscar algo por amor? Quais limites você ultrapassaria para poder rever alguém que lhe foi tirado e era o seu mundo? E se tudo que você tentou fazer não passou de um grande erro? A fé de Sophie foi abalada, mas ela nunca deixou de acreditar, ela lutou até o fim, mas qual terá sido o fim para as atitudes que ela tomou para rever seu grande amor?

“Nunca conheci a verdadeira felicidade até encontrar você”.

Logo depois a estória salta cem anos para a segunda parte e então conhecemos a doce, insegura, porém obstinada Liv Halston, muitos podem não ter se encantado com ela, podem ter colocado ela como a coadjuvante da Sophie, mas para mim, uma foi tão importante quanto a outra, ambos foram o centro da estória e eu amei as duas com a mesma intensidade.

Liv é uma viúva, perdeu seu amado esposo há quatro anos e nunca superou a forma como ele foi arrancado de sua vida, vive numa bela casa construída a partir de um sonho dele, que era um brilhante arquiteto em ascensão, apegada aquela casa e muitas contas a pagar, só restou a ela hipotecá-la. Mas então, Liv não contava que justo num dia sombrio de sua vida ela conheceria Paul McCafferty, e alguns acontecimentos a levassem a dormir na casa dele, que sentimentos adormecidos retornassem a acender dentro dela, mostrando a ela que sim, ela podia sentir e que estava viva, apesar de tudo.

Os dias vão passando, e mesmo que Liv não queira admitir ela sente algo por Paul e terminam se encontrando mais e mais, até que ela o leva para a sua casa e lá, Paul se vê diante da maior ironia da vida, o quadro A garota que você deixou para trás justo na casa de Liv, ele simplesmente fica chocado e atônito com o quão ruim as coisas se tornarão em breve para eles e quão prematuro a história deles terminaria, pois aquele quadro teria que ser tirado dela e retornaria para a família Lefèvre, pois esse era o seu trabalho.

O que posso dizer é que existe um choque para Liv saber que terá que entregar algo de inestimável valor para ela, algo sentimental, ela não abrirá mão fácil do quadro A garota que você deixou para trás, seu presente de lua de mel, ela moverá céus e terra e fará até o impossível para que o quadro fique com ela, e por outro lado, Paul tentará resgatá-lo para a família Lefèvre, mas isso será realmente difícil para ele, pois Liv está sofrendo na pele a rejeição das pessoas influenciadas pela mídia, através de um julgamento para decidir quem ficará com o quadro.

“O que isso ensina à gente, Sr. McCafferty, é que na vida há coisas muito mais importantes do que vencer.”

Vidas interligadas, passado e presente, e mais uma vez aquele quadro entra em cena, e bem eu só posso pedir para vocês lerem e descobrirem como tudo isso se encaixa, como cada parte solta da estória se intercala e tem seu desfecho.

Simplesmente sensacional, um dos livros mais incríveis que li, com personagens tão bem construídos e reais, como a Jojo nos joga num redemoinho louco de sentimentos e emoções, por horas tira nosso ar, horas nos levam as lágrimas, nos faz acreditar que nem sempre o que nos parece ser um fim, talvez ainda exista esperança e o fim seja uma janela aberta pronta para o improvável entrar… Duas histórias de amor comovente, ah como eu amei esse livro, como ele me fez suspirar e como eu jamais poderei esquecê-lo.
Ka 28/12/2015minha estante
Aaaaaah como eu também amei esse livro Wendy s2
Inesquecível!
Um dos favoritos para sempre!!!


Wendy 28/12/2015minha estante
Muito favorito Ka s2


Nati 29/12/2015minha estante
Genteeeee!!! Esse livro é fantástico, e como a Ká disse... um dos favoritos pra sempre!!! s2
Jojo sendo Jojo e arrebentando!!!


Wendy 29/12/2015minha estante
Ainnnn amei demais, Jojo me ganhou eternamente por ele s2


Ka 29/12/2015minha estante
Quero todos dela s2


Nati 29/12/2015minha estante
Eu tenho todos! :P
Metida memuuu! hahaha


Ka 29/12/2015minha estante
ô bicha metida eu quero é todos que estão por vir kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk




Família Literária 23/12/2015

Resenha: A Garota Que Você Deixou Para Trás - Jojo Moyes
O livro é dividido em duas partes, a primeira parte se passa na França, no ano de 1916, o que quer dizer que se passa durante a Primeira Guerra Mundial, eu particularmente me interesso muito por assuntos que envolvam a 1ª ou 2ª Guerra Mundial, mas voltando ao assunto, essa parte é narrada em primeira pessoa e conhecemos o mundo de Sophie Lefèvre, tanto a narração quanto a própria Shophie me encantaram.

Sophie narra as dificuldades da Guerra, ela vive no antigo hotel da família, o Le Coq Rouge, com a sua irmã e sobrinhos. Sophie perdeu o marido, Édouard, para Guerra, ele foi levado para lutar no front. E tudo o que resta para que ela se lembre dele é um quadro, intitulado de A garota que você deixou para trás, uma pintura que Édouard fez dela.

O novo Kommandant dos alemães escolhe o Le Coq Rouge para ser o novo lugar onde eles irão jantar. Apesar do medo, Sophie vê isso como uma boa oportunidade, ela, a irmã e os sobrinhos poderão comer melhor, mesmo sendo apenas o que sobra da comida dos alemães. O Kommandant acaba se interessando por Sophie e pelo quadro. Ela acaba vendo isso como uma oportunidade de saber se Édouard ainda está vivo e de reencontrá-lo.


Na 2ª parte vamos para Londres, no ano de 2006 e conhecemos Liv, uma jovem viúva e a única lembrança que tem do marido é a casa muito moderna em que vive e um lindo quadro. Depois de ser assaltada em um bar gay Liv acaba se envolvendo com Paul, irmão do dono do lugar. Esse relacionamento vai mudar definitivamente a sua vida e pôr em risco uma das suas principais lembranças de David, o quadro.

O mistério do quadro nos envolve, e além de querer saber o que vai acontecer com ele queremos saber também a história que há por trás dele.



Essa 2ª parte é narrada em terceira pessoa e, diferente da 1ª parte, demoramos um pouco mais para nos envolvermos com a história.

Apesar de tudo, é um livro emocionante e que nos faz torcer para que haja um final feliz.

site: http://familialiteraria1.blogspot.com.br/2015/08/resenha-garota-que-voce-deixou-para.html
comentários(0)comente



Aruana 18/12/2015

Lindo livro...
O livro é cativante, achei a narrativa simples, direta, de fácil entendimento, o tipo de livro que te prende mesmo.
Achei extremamente lindo, digno de estar na minha estante para eu reler!
Li on-line, mas logo compro o físico com certeza.
comentários(0)comente



Tay Carvalho 02/12/2015

O ano é 1915, logo após o inicio da guerra, Sophie Lefèvre decidiu voltar para a sua cidade natal, na França, para ajudar os irmãos e os sobrinho. Seu marido e o da irmã foram convocados à servir o país, e agora junto da irmã ela mantém o antigo hotel da familia, Le Coq Rouge, que só consegue servir uma xícara de algo parecido com café. Sophie vivia em Paris, antes da guerra, com o seu marido Édouard Lefèvre. Édouard era um artista, que deixou para ela apenas um quadro que havia pintado quando se conheceram.
Apesar de estarem subnutridas, ambas as irmãs juntam forças para manterem-se bem dia após dia, mas as coisas começam a mudar quando o novo Kommandant escolhe o seu hotel como um posto de alimentação para os alemães. Isso faz com que sua família comece a ser alvo de desconfiança da pequena população, o que deixa Sophie mais nervosa com a situação.
Ela mantém seu quadro pendurado na entrada da casa, e isso acaba atraindo a atenção do Kommandant, que passa a admirar a garota ali pintada: Sophie. Noticias de seu marido chegam até ela, e então Sophie se vê envolvida em meio ao perigo, mas decidida a fazer o que estiver ao seu alcance para voltar aos braços de Édouard.
Agora é 2006, Liv Halston vive na famosa casa de vidro deixada por seu marido. A Garota Que Você Deixou Para Trás está pendurado em uma das paredes de sua casa, sendo a única lembrança viva de David. No aniversário de morte de seu marido, ela se sente sufocada apenas por olhar para o quadro, então decide sair e acaba indo para em um bar gay, onde é assaltada. E é nesse ponto que conhecemos Paul McCafferty, que faz com que a vida de Liv fique um tanto confusa. Mas Paul é um recuperador de obras de arte, e seu atual trabalho é achar o quadro que está com Liv.
Uma narrativa boa igual ao primeiro livro que eu li de Jojo Moyes, Como Eu Era Antes de Você. É possivel sentir a dor de Sophie e a preocupação de quem a cerca, por ela agir quase sempre sem pensar. E a segunda parte é tão boa quanto a primeira, mesmo que demore um pouco para que nos prenda na leitura.

site: http://wistay.blogspot.com/2015/12/resenha-37-garota-que-voce-deixou-para.html
comentários(0)comente



Mi 02/12/2015

Que trama!
Sem dúvidas, uma das melhores tramas que já li! Muitos momentos onde a esperança me vem à cabeça como pulmão, inflando e murchando a todo momento. Apesar dos momentos que infelizmente retrata, com muita veracidade, fatos da história da humanidade e nos faz perder a fé, como muitos personagens, o momentos de felicidade são tão inacreditáveis que parecem oníricos!
comentários(0)comente



Aleh 29/11/2015

Simplesmente lindo
Sem dúvidas a Jojo é uma escritora e tanto né? Duas história que envolve diferentes datas que estão unidas pelo mesmo quadro! Lindo..
comentários(0)comente



Johny 15/11/2015

Cara
Outro livro incrível de JoJo Moyes. Um livro que fala sobre amor, sobre duas mulheres que foram capazes de superar coisas inimagináveis e mesmo assim conseguiram vencer e ter o que desejaram. Muito bom.
comentários(0)comente



Mallu 14/11/2015

"Eu escolhi me apegar a esperança."
"Na vida precisamos nos agarrar a alguma coisa. Bom, eu escolhi me agarrar a esperança."
Minha experiência com "A garota que você deixou para trás" pode ser classificada de varias formas, entretanto, todas de forma positiva. A história é dividida em duas partes. Na primeira, conhecemos Sophie e sua família, que vivem em uma aldeia em St Péronne. O ano é 1916, justamente quando uma ocupação alemã toma conta das ruas - e da vida - de todos os franceses. A primeira guerra mundial. Esse foi o primeiro ponto que me chamou atenção. Entrando no universo de Sophie, pude conhecer mais sobre os vestígios dolorosos que a guerra causou. Sem contar, que Sophie é uma narradora incrível, aonde me contagiou logo de cara com seu jeito determinado e corajoso de ser. Mesmo com todas as limitações e escassez que ela e a família viviam, sua esperança jamais a abandonou. Nem quando seu marido foi levado pelos alemães como prisioneiro e só deixou um quadro que ele próprio havia pintado dela, Sophie deixou de ter esperanças de que um dia, a guerra acabaria e ela veria seu marido novamente e todos aqueles anos de sofrimentos ficariam apenas na memória. Com uma narrativa envolvente e emocionante, foi difícil não me imaginar no lugar dela, por muitos momentos durante a leitura precisei parar, respirar e conter a raiva que senti da forma desumana que todos eles eram tratados pelos alemães. E pensar que tudo aquilo, realmente aconteceu a mais de cem anos, mexeu ainda mais comigo. Conforme os acontecimentos iam desenrolando-se, percebi o quão potente a narrativa era. Me vi engolindo cada pagina, de uma forma que jamais aconteceu a nenhum outro livro. Foi viciante. A segunda parte da história se passa no ano de 2006 e dessa vez, somos apresentados a uma nova protagonista: Liv. A narração dessa vez é feita em terceira pessoa e isso me irritou. Não lido bem com narrações desse tipo, mas ainda assim, entendi que era a forma mais certa de elaborar essa parte da história, ate para que a visão dos acontecimentos acontecessem de um jeito mais amplo. Liv é uma personagem forte, mas que diferente de Sophie, não me conquistou logo de cara. Acredito que seja pelo fato da narração em terceira pessoa ter me feito sentir-se mais distante da personalidade dela. Entretanto, ainda assim, em alguns momentos no meio da história cheguei a me comover com a vida dificil que ela estava tendo. Isso porque, Liv perdeu o marido de forma prematura. Ele era um arquiteto renovado e quando faleceu, ela continuou morando na casa deles -construída por ele- ela se vê completamente sozinha, a não ser pelo retrato de uma bela jovem pendurado na parede de seu quarto, um presente de casamento de seu marido na lua de mel. E é assim que o passado conecta-se com o presente. O quadro de Sophie pintado a mais de cem anos atrás, é o estopim de toda a história. O enredo mescla alguns acontecimentos do passado do qual não é contado ligeiramente pela Sophie, e através desses fragmentos conseguimos entender aos poucos os rumos que ela e a família levaram depois que a guerra acabou. Devo admitir, que ao ler esse livro não criei nenhuma expectativa para um final feliz. Estava completamente certa de que todos os personagens teriam fins dolorosos e indiscutíveis. Porem, fui surpreendida a cada virada de pagina. Apesar de conter uma carga histórica muito grande, "A garota que você deixou para trás" também tem momentos de humor misturado com uma leveza que chega a quase ser possível tocar. Jojo Moyes, tem esse jeito singular de criar e elaborar seus enredos. Ela conseguiu transformar algo simples em uma caixa repleta de significados e emoções. O final do livro foi bastante esclarecedor. Terminei animada, ainda que alguns pontos não tenham me agradado. Mas em uma visão geral foi um livro que me proporcionou um enorme aprendizado e mais uma vez Jojo nos mostra o poder da compaixão e de como a esperança precisa ser mantida apesar de qualquer obstáculo. Em um resumo geral, classifico esse livro como uma leitura leve e envolvente. Recomendável para todos aqueles que gostam de sentir pontadas e sensações múltiplas enquanto leem.
comentários(0)comente



Gislane Molleri 09/11/2015

Uma história boa e a outra nem tanto
O livro conta a história de duas mulheres, Sophie e Liv, que apesar de viverem em séculos diferentes, tem algo em comum, o quadro intitulado “A garota que você deixou para trás”.

Sophie vivia na França, em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial se viu separada do seu marido convocado para lutar no front.Em sua cidade natal, agora ocupada por soldados alemães, Sophie se une à irmã e sobrinhos para tentar sobreviver às dificuldades trazidas pela guerra.

Ela tenta manter as esperanças e se apega ao seu retrato pintado pelo marido que lhe traz lembranças da época que vivia antes da guerra.Ao descobrir que o marido se tronou prisioneiro de guerra, Sophie vai barganhar o quadro em troca da liberdade dele...

http://www.hipermetropiafashion.com.br/livros/eu-li-a-garota-que-voce-deixou-para-tras/

site: http://www.hipermetropiafashion.com.br/livros/eu-li-a-garota-que-voce-deixou-para-tras/
comentários(0)comente



Angela Dani 07/11/2015

"[...]na vida há coisas muito mais importantes do que vencer."
O quadro "a garota que você deixou para trás" é o "estopim" que liga as histórias das duas mulheres, aparentemente sem qualquer conexão e ambientadas em épocas distintas ? mas que se interligam por um ponto em comum, no caso o referido quadro.

A trama é bastante densa, forte, emocionante. Não dá pra ficar indiferente, especialmente quando lemos as situações precárias e, sobretudo, desumanas que a personagem vive durante a guerra. A sensação que temos é de revolta e, ao mesmo tempo, de compaixão. A autora soube abordar com excelência toda essa tensão, e transmiti-la de forma realista na trama.
Confesso que gostei mais da primeira parte do livro, contado em primeira pessoa, pois achei mais "próximo" de quem está lendo, mais "palpável, mais real mesmo. Gostaria de ter lido o livro todo só com a história de Sophie, mas entendi a importância da segunda parte, e até simpatizei com a Liv conforme as histórias foram se mesclando. No início, achei essa segunda parte um tanto quanto confusa, e demorei pra engrenar na leitura. Mas, como eu disse, conforme as nuances do que aconteceu com Sophie vão vindo à tona e a gente vai conhecendo o que há por trás daquela pintura, a trama fica realmente instigante e difícil de largar.

Além da temática romântica e nada clichê (que bom!), a autora nos faz refletir sobre algumas questões morais que são abordadas na trama: .
?o quanto o ser humano pode ser cruel e desumano; .
?o quanto as aparências são, infelizmente desde sempre, motivo de julgamentos errôneos e precipitados; .
?e o quanto damos valor demasiado para coisas materiais e, muitas vezes, esquecemos que o mais importante são as pessoas que a gente ama.

Enfim, com certeza eu indico esse livro pois a história é realmente muito bonita, bem escrita, sensível e com enredo grandioso que trata, sobretudo, de lealdade e determinação. Vale a pena. ;)
comentários(0)comente



Karina.Motta 03/11/2015

Uma grata surpresa.
Já faz um tempo que queria ler algo da autora e sempre falavam sobre o livro “Como eu era antes de você”, como não o encontrei na livraria que costumo comprar, levei o livro cujo título me pareceu piegas e até mesmo clichê.
Adorei ser surpreendida por uma história linda, de um período não muito retratado, que foi a ação dos alemães na França na Primeira grande guerra.
O livro se passa em 1917 e nos dias atuais, tendo como personagens centrais duas mulheres apaixonadas, mas o amor aqui não é retratado da maneira superficial como estamos acostumados a ler em romances escritos geralmente para o público feminino.
Obrigada Jojo por criar Sophie e Liv. Certamente elas ficarão comigo durante algum tempo.

site: https://gostardelerblog.wordpress.com/
comentários(0)comente



giselle.almeida 26/10/2015

Surpreendentemente, encantador.. simplesmente maravilhoso.. duas histórias que se cruzaram... mesmo chegado ao final do livro fiquei horas pensando em Sophie e Liv. É foi impossível evitar as lágrimas, pensando na dor, na miséria, no sofrimento daquela a pessoas que eram tratadas como criaturas monstruosas porque nem um animal poderia ser tratado como aquelas pessoas, foram jogas na guerra. Jogadas sim, porque elas não pediram para participar de uma monstruosidade... No meio de tanta dor e sofrimento, a garota que voce deixou para trás me ensinou muito.Que mais importa é o amor. as vezes temos que perder... Sophie e Liv nos ensina que acreditar, ter fé, ter esperança acima de tudo esperança que tudo vai se realizar. Sophie acreditou no amor e por esse amor ela sofreu, mas jamais desistiu. lutou com todas as suas forças para encontrar seu amado marido. Liv se desprendeu do passado e Se permitiu viver novamente um amor, acreditou que Sophie era verdadeira e não desistiu de saber a verdadeira história dela e limpar o seu nome depois de seculos. Uma historia encantadora!" super recomendo!!!
comentários(0)comente



Gabrielle 19/10/2015

Bom mas não maravilhoso
A Grande Guerra trouxe horrores à vida todos, como a fome, a perda e a dor. No entanto, para Sophie Lefèvre o maior deles foi a separação de seu marido Édouard e, embora, a incerteza a assolasse, a francesa decidiu desenterrar todas suas forças e lutar para manter a esperança viva. Dotada de confiança e coragem, Sophie vai acabar chamando atenção de um homem do alto escalão: o Kommandant.

Interessado por arte, o alemão acaba se apaixonando por um quadro pintado por Édouard: "a garota que você deixou para trás". Nele, estava a própria Sophie, uma Sophie de anos anteriores a guerra, uma Sophie radiante e sensual. Em torno dele, acabam surgindo jogos de interesses entre o inimigo e a garota.

Quase um século depois, este mesmo quadro encontra-se na parede de Liv Halston, uma viúva que, assim como Sophie, luta para encontrar dentro de si o eu do passado. Após perder o marido, David, Liv nunca mais fora a mesma. Porém, a situação começa a mudar quando, de uma maneira improvável, conhece Paul, um homem que vai fazer com que sua vida vire de ponta cabeça. Desconfiada de que talvez, finalmente, consiga seguir em frente, Liv se vê em uma encruzilhada quando descobre que seu novo amor está interessado em entregar seu quadro, a maior lembrança de seu falecido marido, aos herdeiros Lefèvre.
Mesmo cheia de dívidas, Liv opta por brigar pela posse do quadro custe o que custar.

Começa então, uma verdadeira guerra pelo “a garota que você deixou para trás”: de um lado a falida e desmoralizada Liv e do outro a família Lefèvre e a imprensa.

O amor de Liv e Paul, por sua vez, tem um desenrolar repleto de desencontros, incertezas, confusões e tréguas.

A garota que você deixou para trás é um ótimo livro e não mais que isso. Embora eu seja fã de Jojo Moyes tenho que admitir não ser este o melhor livro que ela já escreveu. Aos meus olhos a autora criou duas protagonistas completamente destoantes e as aproveitou muito mal; Sophie é encantadora, forte e corajosa; Liv é sonsa, fraca e - perdoem-me - burra. Sophie conquista o leitor; Liv repugna. E foi justo esta ultima a escolhida para protagonizar a maior parte da história. Sinto muito, Jojo, mas você focou na personagem errada... (Juro que diversas vezes tive vontade de entrar no livro e dar umas bofetadas da cara de Liv!).

Termino dizendo que Jojo Moyes, para mim, é uma das melhores escritoras de romance, mas errou a mão neste livro. Não o recomendo, mas também não diria para deixarem de lê-lo se tiverem oportunidade. É um livro para ser lido quando não restar outra opção; afinal há coisas melhores e mais interessantes que A garota que você deixou para trás.
comentários(0)comente



Prof. Angélica 26/09/2015

Não tomado... mas sim doado
A história de duas mulheres separadas por 90 anos, alguns mil quilômetros e duas guerras mundiais. No entanto, elas se encontraram através de "A GAROTA QUE VOCÊ DEIXOU PARA TRÁS". Sophie Lefévre e Olívia Halston - fortes, determinadas, honradas e marcadas definitivamente pelos homens que amaram, respectivamente, Edouard e David. É uma trajetória de amor, de respeito a este amor e, sobretudo, de como é reconfortante enfrentar qualquer sofrimento por este amor. Lindo, lindo, lindo! Apaixonante, e nos faz refletir sobre o ser humano: nem tão mal, nem tão bom. E somente ele, o amor, é capaz de nos resgatar de sentimentos mesquinhos e fugazes pelos quais somos tão atraídos.
comentários(0)comente



Yngrid Mickaell 20/09/2015

Dois casais e o amor pelo mesmo quadro
A garota que você deixou para trás

Sinopse

A Garota Que Você Deixou Para Trás - Durante a Primeira Guerra Mundial, o jovem pintor francês Édouard Lefèvre é obrigado a se separar de sua esposa, Sophie, para lutar no front. Vivendo com os irmãos e os sobrinhos em sua pequena cidade natal, agora ocupada pelos soldados alemães, Sophie apega-se às lembranças do marido admirando um retrato seu pintado por Édouard. Quando o quadro chama a atenção do novo comandante alemão, Sophie arrisca tudo a família, a reputação e a vida na esperança de rever Édouard, agora prisioneiro de guerra. Quase um século depois, na Londres dos anos
2000, a jovem viúva Liv Halston mora sozinha numa moderna casa com paredes de vidro. Ocupando lugar de destaque, um retrato de uma bela jovem, presente do seu marido pouco antes de sua morte prematura, a mantém ligada ao passado. Quando Liv finalmente parece disposta a voltar à vida, um encontro inesperado vai revelar o verdadeiro valor daquela pintura e sua tumultuada trajetória. Ao mergulhar na história da garota do quadro, Liv vê, mais uma vez, sua própria vida virar de cabeça para baixo. Tecido com habilidade, A garota que você deixou para trás alterna momentos tristes e alegres, sem descuidar dos meandros das grandes histórias de amor e da delicadeza dos finais felizes.

Resenha

A garota que você deixou para trás é um romance escrito pela Jojo Moyes, que interliga duas histórias de amor por meio da paixão pela arte, uma durante a primeira Guerra Mundial e outra em 2006. O livro ora narra uma época ora narra outra. Na história que acontece na segunda guerra mundial descreve o amor entre dois jovens adultos, Édouard e Sophie, que foram separados pela guerra e que passaram pelos horrores que sempre acompanham tais calamidades. Édouard é pintor e uma de suas obras preferidas é um quadro em que desenhou a esposa, mas este quadro some, assim como tantas outras obras de artes surrupiadas na guerra.
Este quadro, depois de muitos anos, é comprado por Liv, personagem da nossa segunda história, que retrata a luta do casal Liv e Paul, que por obra do destino se veem em lados opostos a fim de fazerem justiça para aquilo em que acreditam, Liv acredita ser a dona do quadro pois pagou por ele devidamente e Paul, que trabalha numa empresa de restituição de bens perdidos, acredita que o quadro pertence aos descendentes de Édouard. No decorrer da trama vamos acompanhado as histórias de ambos casais, do julgamento e do quadro. Será que o final é feliz para alguém? Com quem será que o quadro? Só lendo para saber.

Minhas impressões: Esse foi o 4° livro que li da Jojo Moyes, e mais uma vez vejo sua excelência, esta mulher escreve muito bem, consegue nos prender as suas histórias desde as primeiras páginas. Mas nem tudo é perfeito, então exponho o que eu considero como pontos positivos e negativos que encontrei no livro.
Pontos negativos- 1. Existem algumas falas/ frases clichês, assim que li sabia que já tinha visto elas em algum lugar escrito da mesma forma. Mas foram poucas, acho que só umas três, então isso não me irritou tanto;
2. Fatos previsíveis, isso não me agrada, mas a história é tão bem escrita que passei por cima disso.
Pontos positivos- 1. Ótima escrita (eu sei eu sei, já falei isso antes, mas é que essa mulher é demais);
2. A história mesmo sendo um romance não foca só na história de amor. Aborda um assunto diferente e real, que foi o roubo e apropriação de obras de artes e outros bens de pessoas que viviam em cidades que eram obrigadas a receberem os soldados. Esse ponto é maravilhoso, pois afinal de conta a vida não se resume as nossas paixões, outras coisas acontecem ao nosso redor. Além de nos trazer um pouco sobre história mesmo que seja uma ficção a base é verdadeira.
Bom, é isso. Leiam porque vale a pena, os pontos positivos para mim superam os negativos.
comentários(0)comente



100 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7