A Garota Que Você Deixou Para Trás

A Garota Que Você Deixou Para Trás
4.79839 2237



Resenhas - A Garota Que Você Deixou Para Trás


97 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


LuanaBorges 27/02/2015

Minha opinião ??
Poderia ter terminado de ler esse livro ontem (ou nessa madrugada, se preferir), mas a leitura estava muito gostosa e queria postergar ao máximo o suspense do ultimo capitulo. Me apaixonei por Jojo Moyes - a autora deste livro - quando lí "Como eu era antes de você", minha ultima leitura de 2014 (e diga-se de passagem, fechei o ano com chave de ouro). Sobre "A garota que você deixou pra trás" eu só consigo pensar em coisas boas pra dizer pra vocês, muito embora eu tenha me emocionado bem menos do que no outro livro. Entretanto isso não significa que tenha gostado menos. Não mesmo!
Essa história é muito bem contada e começa em 1916, em meio à primeira guerra. No meio do livro começa a ser contada outra história, que é interligada com a anterior, mas que se passa um século depois. Em seguida tudo vira um quebra cabeça no qual você se prende e passa a tentar montar e descobrir o que acontece em ambos os momentos citados.
A narrativa é incrível, sendo possível identificar o quanto a autora pesquisou e foi detalhista em alguns aspectos. Acho que vocês já devem ter percebido que sou fascinada por histórias de guerra, então achei esse livro muito interessante, enriquecedor e que realmente prende a atenção.
Tentei não nutrir muitas expectativas de uma história feliz, e apesar de conter uma gama de sentimentos intensos e controversos no decorrer da história, como privação, medo, incertezas, ódio - e inúmeras tragédias comuns em tempos de guerra - fiquei especialmente surpresa e feliz por conseguir visualizar uma mensagem positiva de esperança!
Em meio a toda essa trama dramática, o livro tem muito romance, amizade e família; lindas histórias de amor!
Claro que não posso deixar de recomendar esse livro maravilhoso. Estou muito ansiosa pra ler outros livros dessa autora, que está liderando o ranking dos meus escritores favoritos.
Dani Xavier 04/03/2015minha estante
Caraca que resenha incrivel e exatamente assim q acho ela pesquisou muito msm... muito bem escrita e detalhista incrivelmente emocionante!! e olha q nunca tinha lido um sobre q falasse sobre a primeira guerra mundial ameei tmbm




Ana Valentina 24/02/2015

Intenso. Essa palavra resume perfeitamente este livro; A garota que você deixou para trás não tem uma das melhores capas, sua capa não combina com o enredo, sem falar que é praticamente uma cópia da versão do livro Como eu era antes de você, da mesma autora, mas a história é tão profunda e bem contada que merece sua atenção.

Essa era a história de nossas vidas: insurreições menores, vitórias miúdas, uma breve chance de ridicularizar nossos opressores, barquinhos de esperança em um mar de incertezas, privação e medo.

Além de escrever super bem (uma linguagem bem fluída que te manterá preso desde as primeiras páginas) Jojo conseguiu desenvolver uma trama super complexa, entrelaçando duas vidas de épocas distintas (Sophie e Liv) e fazendo isso perfeitamente, como? O livro é dividido em duas partes, na primeira temos a narração em 1º pessoa da Sophie Lèfreve e na segunda temos a narração em 3º pessoa pelo ponto de vista de Liv (principalmente) e de outros personagens da trama.

O livro começa com Sophie Lèfreve no ano de 1916 (em plena Primeira Guerra Mundial) em St Péronne, uma cidadezinha interiorana da França que foi ocupada pelos alemães; ela mora no hotel Le Coq Rouge com seus irmãos (Hélène e o caçula Aurélien) e os sobrinhos, vivendo uma vida miserável e cheia de medo dos alemães; logo no início Jojo nos mostra como Sophie é corajosa e destemida, ao enfrentar o comandante alemão para proteger um leitãozinho e futuro banquete da população. Nessa ocasião o comandante vê o retrato de Sophie e se encanta, retrato este pintado pelo seu marido Édouard Lefèvre e exposto carinhosamente como uma forma de lembrar da boa vida, uma vida em que ela ainda tinha o marido ao lado, já que estão há 2 anos separados; ele teve que virar soldado e ajudar a França na guerra.

Fiquei ali olhando para a garota e, por alguns segundos, me lembrei de como era ser ela, sem sentir fome nem medo, interessada apenas nos momentos que eu poderia ficar a sós com Édouard. Ela me fazia lembrar de que o mundo era capaz de beleza e que já havia existido coisas — arte, alegria, amor — que enchiam o meu mundo, em vez de medo, sopa de urtiga e toque de recolher.

Acontece muita coisa com ela e com os moradores da cidadezinha e quando Sophie descobre que seu marido pode estar preso ela fará qualquer coisa para tentar libertá-lo, para evitar que ele tenha a morte como destino, mesmo que isso custe sua vida.

Na parte dois estamos no ano de 2006 e acompanhamos Liv, uma viúva que mora sozinha numa casa de vidros e seu único consolo para seguir em frente é o quadro de uma garota, intitulada A garota que você deixou para trás. Temos também Paul, um divorciado que trabalha numa empresa que recupera obras de arte perdidas ou roubadas e entrega aos familiares das vítimas de guerra.

Por acaso o destino de ambos se cruzam e Paul talvez seja aquele que fará Liv seguir sua vida, mas o destino é cruel e “A garota” é justamente o quadro que Paul foi contratado para recuperar e devolver à família Lèfreve. É ai que começa uma guerra, uma guerra para decidir o destino desse quadro, uma guerra que Liv está disposta a lutar até o último momento, não importando suas perdas.

Faço isso pela França, mas, de um modo mais egoísta, faço isso por nós, para eu poder voltar percorrendo uma França Livre até minha mulher.

Durante a primeira parte a narração é voltada no tempo para apresentar o leitor à vida que Sophie levava antes e como o amor dela por Èdouard nasceu e cresceu; a primeira parte acaba num momento muito importante para Sophie, mas na segunda somos presenteados com algumas cenas dela e do que aconteceu depois, e percebe-se como Jojo foi cuidadosa ao elaborar essa trama, não deixando nenhuma ponta solta; durante as pesquisas feitas para montar o caso de restituição do quadro temos várias cartas e depoimentos de algumas pessoas que montarão ainda mais o quebra-cabeça da Sophie, deixando a história detalhada, mas não entediante, enfim o final foi maravilhoso.

Admito que me senti perdida logo no início da parte 2, achei bem entediante, mas logo estava eu presa novamente à história, tanto que mal conseguia largar o kindle (é, li no kindle).

Um livro forte, cheio de fé, amor em meio ao horror e no final só as pessoas que amamos importa. Uma história emocionante e envolvente que fará você ficar acordado por muitas horas… Recomendo.

Às vezes a vida é uma série de obstáculos, uma questão de colocar um pé na frente do outro. Às vezes, de repente ela se dá conta, é simplesmente uma questão de fé cega.

beijos e até breve!!
comentários(0)comente



Edna 22/02/2015

Fé inabalável
Emocionante e envolvente são as palavras corretas para empregar ao que estou sentindo ao terminar de ler esse livro maravilhoso. Sophie vivendo na frança em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial, dona de um hotel, é obrigada a cozinhar para o comandante e soldados alemães. Mesmo contrariando a maioria das pessoas de sua cidade, St.Péronne, cidade francesa ocupada pelos alemães; onde os moradores se revoltam contra ela como se tivesse opção ; até agradece pensando nas míseras sobras que poderá conseguir para sua família; dois irmãos e três crianças ; que já não tem mais com o que sobreviver depois dos inúmeros confiscos de pertences, roupas, joias e todos os objetos valiosos, além dos utensílios domésticos que eram tomados para servir os soldados alemães. Exposto na parede do Bar do Le Coq Hotel, um quadro pintado pelo esposo Pintor Frances Edouard Lefévre, chama a atenção do comandante e aí se inicia uma trama que vai envolver mais de um século quando o mesmo quadro é o objeto de uma grande ação envolvendo a nossa personagem Liv., tudo isso com muito realismo, muita emoção e envolvendo duas hist´rias lindas de amor, fé, e determinação que a Jojo Moyes sabe transmitir.
Dani Xavier 04/03/2015minha estante
e isso ai fe inabalavel!!




Três Leitoras 22/02/2015

Resenha: A garota que você deixou para trás
A garota que você deixou para trás é o lançamento da autora Jojo Moyes, que se consagrou com o livro Como eu era antes de você. Diante do sucesso do primeiro, acho que todo mundo quer saber agora se A garota que você deixou para trás é tão bom quanto. Vamos conhecer mais dessa história e descobrir?

Tenho que confessar a vocês que quando comecei a ler A garota que você deixou para trás eu estava com muito medo de ser uma história tão dramática quanto a do livro Como eu era antes de você, então fui lendo com aquele pezinho atrás, com medo de sofrer tanto novamente, rsrsrs.

O livro tem sim sua carga dramática, mas de uma forma diferente. Não vou falar mais para não estragar a surpresa.

Achei a forma de construir o texto muito interessante, porque, na verdade, é um livro 2 em 1. No começo conhecemos a história de Sophie, que se passa na França ocupada pelos alemães, durante a Primeira Guerra Mundial. Essa primeira parte do livro é maravilhosa, daquelas histórias bem escritas, cativantes, que a gente não quer largar. Sophie é uma mulher determinada, que faz o que for preciso para defender sua família nos tempos da guerra. Além disso, seu amor pelo marido também a leva a atos extremos na esperança de reencontrá-lo. Toda a descrição do ambiente, o perfil dos personagens, a pesquisa extremamente bem feita sobre a época, tudo torna o texto muito rico e cativante.

Sophie por ela mesma:


"Acho que ele gostava de conversar comigo porque eu não ficava constrangida com ele. Era uma característica minha, acho, não me mostrar intimidada, ainda que, no íntimo, eu me sentisse assim." (p. 57)

Continue lendo no link

site: http://tresleitoras.blogspot.com.br/2015/02/resenha-garota-que-voce-deixou-para-tras.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Bia 18/02/2015

[RESENHA] A Garota que Você Deixou para Trás - Jojo Moyes
A Garota Que Você Deixou Para Trás é um romance delicioso! A história começa em 1916, em meio à Primeira Guerra Mundial em uma cidadezinha da França chamada St Péronne que está sofrendo muito com a invasão alemã: quase não há comida e as casas foram saqueadas pelos invasores, que levaram tudo o que lhes servisse para alguma coisa, até mesmo cobertores.

Sophie Lefèvre é uma moça determinada, autêntica e que outrora fora muito bela, mas que aos poucos perdeu muito do seu encanto, com todo o sofrimento trazido pela Guerra e a ausência de seu marido Édouard Lefèvre que está no front de batalha. Sophie vive agora com seus dois irmãos, Hélène e Aurélien, e os dois sobrinhos, Mimi e Jean. Juntos, eles cuidam do antigo e renomado hotel da família, o Le Coq Rouge, e que é agora uma espécie de bar e ponto de encontro dos moradores da pequena St Péronne, mas que mal pode vender uma xícara de café. Ao mesmo tempo, aguardam infelizes e esperançosas o fim da Guerra, a volta de seus maridos e o momento em que poderão saborear novamente um bom prato de comida.

O novo Kommandant alemão que está no comando da ocupação demonstra desde o início muito respeito e admiração por Madame Lefèvre, tratando-a cordialmente, mas não esconde também os indícios de sua afeição por ela. Além disso, requer o Le Coq Rouge como o restaurante oficial dos soldados alemães, o que obriga Sophie e Hélene a cozinharem para eles todas as noites. Esse fato, muito embora tenha algumas vantagens às duas irmãs, como o acesso a boa comida, também lhes causou muitos falatórios entre os habitantes e frequentadores do hotel que as viam como traidoras.

Sophie e Herr Kommandant se tornam quase amigos, se é que posso chamar assim. Ele fica fascinado pelo retrato da moça, pintado por Edóuard, que é um pintor muito peculiar, e sempre comenta detalhes técnicos da obra, revelando-se um entendedor das artes. Mas em meio a tantas atribulações e sofrimentos, desesperada para reencontrar o marido e vendo-se encurralada pelo Kommandant, Sophie toma uma decisão que irá mudar seu destino e o de sua família para sempre, tendo seus efeitos repercutidos muitas e muitas décadas mais tarde.

Estamos agora em Londres, no ano de 2006. Liv Halston é uma mulher tímida e reservada e que há quatro anos vive em profundo luto pela morte de seu marido David, um renomado arquiteto. Ela vive sozinha na Casa de Vidro, uma casa ultramoderna idealizada por David, imersa na própria solidão e sem perspectivas; o único prazer que se permite é caminhar todas as manhãs. A única coisa que lhe restou foi o belíssimo quadro A Garota que Você Deixou Para Trás, um presente que ganhou do marido durante a lua de mel. Liv adora passar seus dias em companhia d´A Garota - como ela gosta de se referir à pintura - e admirando seus longos cabelos ruivos e sua expressão ousada e sensual.

Completamente ao acaso, ela conhece Paul McCafferty, um ex-policial encantador e cheio de charme que muito mexeu com os sentimentos dela. Logo, eles começam a se conhecer melhor e a se ver com frequência. Mas, por ironia do destino, Paul trabalha em uma agência que se dedica a recuperar obras de arte que foram saqueadas durante a Primeira Guerra Mundial, e entre elas está A Garota, valendo uma fortuna e sendo reivindicada pela família Lefèvre.

Liv se sente perdendo o chão mais uma vez. Agora ela terá de tomar a mais importante decisão de sua vida: escolher entre Paul e A Garota, sua mais linda e preciosa lembrança de David.

Separados por quase um século, os destinos de Sophie e Liv se chocam de maneira surpreendente e avassaladora.

Jojo Moyes construiu um universo maravilhoso com personagens muito bem articulados. A primeira parte é narrada toda em primeira pessoa e com uma riqueza de detalhes impressionante. Já a segunda parte é narrada em terceira pessoa, mas igualmente deslumbrante. A escrita da autora nos faz querer devorar o livro, tentando montar o quebra-cabeça criado por ela e entender o que houve não somente com o quadro, mas com as pessoas que estão envolvidas nessa história. E é aos poucos, com muita maestria, que Jojo nos conduz à resolução desse quebra-cabeça, amarrando todas as pontas da trama de modo a nos tirar o fôlego!

site: http://euliteraria.blogspot.com.br/2014/06/a-garota-que-voce-deixou-para-tras-jojo.html
comentários(0)comente



Dolorosam/Lindo 18/02/2015

Resenha: A Garota que Você Deixou para Trás
Resenha: A Garota que Você Deixou para Trás – Jojo Moyes

Eu sei que às vezes nós não devemos ser tão exigentes com algumas histórias que tem sido publicadas nos últimos anos, mas como é incrível ler um livro de qualidade, que te faz refletir, que te emociona, te faz liberar a inspiração e te toca o coração.

A Garota que Você Deixou para Trás se trata de um quadro. Isso mesmo é o nome atribuído a um quadro que foi pintado em 1912 pelo francês Edouard Lefevre. O livro é dividido em duas partes: a primeira se passa na França por volta de 1916 durante a Primeira Guerra Mundial e conta a história de Sophie Lefevre. E a segunda parte se passa em Londres na Inglaterra em 2006 e conta a história de Liv Halston.

Sophie Lefevre é casada com o pintor Edouard Lefevre que após ele ser mandado para a guerra decide voltar a viver com seus irmãos e sobrinhos em sua terra natal St. Perrone (cidade tomada pelo exército alemão). Sophie ajuda sua irmã Helene a cuidar do hotel da família e relata com detalhes como é viver em uma cidade tomada pelos alemães, fala sobre o caos, sobre o medo, sobre a falta de informação e saudade de seus familiares que estão em combate, fala das doenças e da fome no tempo de guerra.

Já Liv Halston é uma mulher de 30 anos que vive em Londres, viúva a quatro anos de um arquiteto famoso, que não consegue se recuperar da perda do marido e atual proprietária do quadro A Garota que Você Deixou para Trás.

Acho que devo parar por aqui senão vou dar spoiller mais você deve estar se perguntando o que essas duas mulheres tem em comum? Como após quase 100 anos esse quadro foi parar nas mãos de Liv? Porque após tanto tempo a história de Sophie teve que ser vasculhada e aberta ao mundo? Que segredos essa história guarda? Estas questões você descobrirá lendo esse fantástico livro.

Jojo Moyes como eu já disse em outra resenha é uma grata surpresa. A primeira fase do livro que se passa durante a Primeira Guerra Mundial é “Esplendidamente Linda”. Ela soube conduzir com maestria essa trama entre duas épocas e nos aprisiona até o último parágrafo. É muito fácil se apaixonar por Sophie por ser uma mulher forte, destemida, que pensa na família e nos amigos e que apesar de tudo estar um caos consegue ter esperança e fé naquilo que acredita. Apresenta-nos ao Kommandant Friedrich Hencken alemão que trava batalhas internas consigo mesmo sobre o que é certo ou errado em uma guerra, que mesmo sendo um alemão e estando em lados opostos soube enxergar que pessoas são só pessoas, soube se piedoso e nutriu um amor por mais de 30 anos por uma mulher que deveria ser considerada sua inimiga.

Com certeza virou um dos meus livros preferidos e super recomendo para quem gosta de histórias que se passam em tempos de guerra e o que eu posso acrescentar que você será envolvido do começo ao fim por essas mulheres que mesmo separadas por um século tem algo em comum: não desistem de lutar por aquilo que amam!

Segue meu trecho favorito:

“Fiquei ali olhando para a garota (quadro) e, por alguns segundos, me lembrei de como era ser ela, sem sentir fome nem medo, interessada apenas nos momentos que eu poderia ficar a sós com Edouard. Ela me fazia lembrar de que o mundo era capaz de beleza e que já havia existido coisas – arte, alegria, amor - que enchiam o meu mundo, em vez de medo, sopa de urtiga e toque de recolher. (By Sophie Lefevre)

Trecho do livro: A Garota que Você Deixou para Trás/The Girl You Left Behind – Autora: Jojo Moyes.

By Talita Devecchi – Dolorosamente Lindo

Espero que tenham gostado, te espero lá na minha página...e venham viver momentos “Dolorosamente Lindos” junto comigo.



site: https://www.facebook.com/dolorosamentelindo
comentários(0)comente



cheireiumlivro 08/02/2015

''Quando você voltar, Édouard, juro que serei de novo a garota que você pintou.''
Na França, em 1916, a pequena cidade de St. Péronne enfrentava a 1ª Guerra Mundial e sofria nas mãos dos Alemães. Após seu marido, Édouard Lefèvre, ter sido convocado para a guerra, Sophie Lefèvre decidiu deixar a segurança de Paris para trás e voltar para St. Péronne, onde havia nascido e crescido, para ficar perto de seus irmãos e sobrinhos. Era complicado ser obrigada a aguentar os soldados entrando no hotel em que sempre moraram - e que já tinha sido o melhor da cidade - e permitir que eles roubassem tudo de valioso que eles tinham, mas Sophie apenas abaixava a cabeça e ansiava cada vez mais pelo dia em que a guerra acabaria e seu Édouard e o marido de Hélène, sua irmã, finalmente voltariam para casa.

Uma das únicas coisas que a consolava e dava forças para Sophie continuar acreditando, era um quando que seu marido havia feito dela mesma quando os dois se conheceram. Lembrando daquela época, anos antes, ela lembrava de toda a felicidade e via uma garota que ela já não reconhecia mais, mas que desejava voltar a encontrar. Quando o Herr Kommandant visita o hotel Le Coq Rouge em busca de um local para seus homens jantarem, ele vê o quadro de Sophie e fica encantado.. pelo quadro e pela garota. Desde então, o Kommandant tenta se aproximar cada vez mais de Sophie, o que a faz com que os vizinhos comecem a comentar, pois esses consideram uma traição o fato de uma francesa ter qualquer tipo de relação com os alemães.

Liliane Béthune é uma dessas pessoas que os habitantes de St . Péronne consideram traidores, e Sophie é a única que sabe o que Liliane é de verdade. No dia em que Liliane é descoberta pelos alemães, eles a violentam e andam com ela pela cidade inteira, na frente de todas pessoas e de sua pequena filha, Édith, que é acolhida por Sophie durante o trágico episódio. Com o tempo as coisas pioram para Sophie e sua família, então ela decide pedir ajuda ao Kommandant, oferecendo a ele a pintura dela que ele tanto ama em troca da liberdade de seu marido, que está em um campo de concentração liderado por alemães. A troca não acontece como Sophie imaginou, e dias depois alguns soldados alemães aparecem para buscá-la, e então ela é jogada em um trem lotado de outros prisioneiros, todos a caminho de diversos campos de concentração.

Em Londres, no ano de 2006, Liv Halston continua tentando desesperadamente superar a morte de seu marido e pagar suas dívidas enormes. Ela ainda mora na Casa de Vidro que seu marido, David, construiu para os dois morarem, e, quando a saudade fica insuportável demais, ela é capaz de ficar horas olhando para o quadro da garota inteligente e apaixonada que David deu a ela de presente de casamento. No aniversário de morte de seu marido, Liv decide ir à uma boate, lá sua bolsa é roubada, e Paul McCafferty, um ex policial que atualmente trabalha com casos de recuperação de obras roubadas durante as guerras mundiais, se oferece para ajudá-la. Os dois passam a noite conversando no apartamento de Paul, e então surge algo entre os dois. Liv e Paul se encontram quase todos os dias, e Liv pensa que finalmente voltará a ter uma vida feliz, mas as coisas acabam virando de cabeça para baixo...

Na primeira vez em que Paul vai dormir na casa de Liv, ele vê uma pintura no quarto dela, e reconhece na mesma hora a tela que é seu atual caso, o quadro que os descendentes de Édouard Lefèvre desejam recuperar. Então a guerra na justiça começa, e Liv e Paul se tornam inimigos. Para Liv, o quadro é importante por ser uma lembrança de David, e ela sabe que os Lefèvre a querem apenas para vendê-la em algum leilão pelos milhões que A Garota vale. Ela gasta suas últimas economias, faz empréstimos que nem imagina como irá pagar e até coloca a Casa de Vidro à venda para que consiga permanecer com o quadro. Através de pesquisas, Liv descobre um pouco mais sobre Sophie Lefèvre, a garota linda que está pintada no quadro, então viaja até a França para conversar com os filhos de seus irmãos e sobrinhos. Liv consegue reunir várias cartas sobre o tempo em que Sophie estava em St. Péronne e Édouard na guerra, mas aquilo não é o suficiente para que ela conquiste o quadro, mas, quando a família Lefèvre está quase saindo vencedora, surge uma testemunha que pode mudar toda a história: Édith Béthune.

Édith sabe tudo o que aconteceu com Sophie após o término da guerra, e sabe também que o quadro não foi roubado. Mas, o que será que realmente aconteceu com a garota que você deixou para trás?

Gente, eu queria contar mais sobre o livro, mas se eu fizer isso, o spoiler vai rolar solto e, por mais que eu seja a favor de spoiler, eu não quero estragar toda a surpresa e emoção desse livro! rs

A história é maravilhosa e te prende até o último minuto, você pensa que aconteceu uma coisa e algumas páginas depois descobre que aconteceu outra, completamente diferente! O que eu mais gostei no livro é a parte referente à 1ª Guerra Mundial, pois eu sempre me emociono com essas histórias de pessoas que sofreram com as guerras, e gosto imaginar que algumas alcançaram a felicidade depois de tanto sofrimento.

Os personagens são incrivelmente apaixonantes, e o final é espetacular! E eu faço da crítica do Los Angeles Times as minhas palavras: Nesta tocante história de ousadia, determinação e perspectiva, Jojo Moyes mantém o leitor em suspense até o último lenço.''

E é isso, galera, super indico esse livro e espero que vocês tenham gostado da resenha.

''Penso em você noite e dia. Você é a minha estrela guia nesse mundo de loucura.''


site: http://cheireiumlivro.blogspot.com.br/2015/02/resenha-garota-que-voce-deixou-para-tras.html
comentários(0)comente



Tami 06/02/2015

A Garota
Lindo livro! Gostei mais do que o "como eu era antes de você" (excelente também). Conta uma história em duas épocas diferentes mas que tem toda uma conexão. Quando acabei de lê-lo fiquei dias refletindo sobre a personagem principal!! Um livro sobre o verdadeiro amor, a fé, a perseverança... Retrata momentos da primeira guerra mundial, o que me amarrou ainda mais porque gosto de livros e filmes que retratam as grandes guerras. Super recomendo! Tocante!
comentários(0)comente



Thais 04/02/2015

A garota que você deixou para trás me transportou para a 1ª guerra mundial. Me fez sentir todos os dramas, medos e angústias que milhares de pessoas sentiram. Me identifiquei muito com Sophie e em nenhum momento condenei suas atitudes, tudo que foi feito foi completamente compreensível. Foi o primeiro livro com temática de guerra que eu li. Se tornou uma das minhas histórias preferidas. Jojo sabe como nos prender e como nos deixar apaixonados pelos seus personagens.
comentários(0)comente



Márcia Martins 03/02/2015

Mais um livro viciante de Jojo Moyes. Mais uma história "bizarra" mas dolorosamente real da vida! Outra vez me vi desesperada para chegar ao fim do livro e descobrir o desfecho dessa incrível narrativa que mistura dois tempos distantes. O grande mérito da escritora é apresentar situações onde normalmente não as encontraríamos na nossa vida cotidiana mas, sim, elas existem!
Cheio de emoção, de passagens históricas, de procedimentos e entraves jurídicos e legais, ainda assim, consegue ser uma linda história de amor....!
Infelizmente só pude dar cinco estrelas.
comentários(0)comente



Roberta 22/01/2015

{Resenha} A Garota Que Você Deixou Para Trás
Desde o momento em que soube sobre este livro, ele já havia entrado na minha lista de desejados. Jojo Moyes virou uma das minhas autoras favoritas, escrevendo romances como ninguém. Ela deixa cicatrizes em seus leitores ao final de cada livro, pois as histórias nos tocam de forma que nos deixa marcados pelo resto da vida. Com A garota que você deixou para trás não foi diferente, a história contém seu lado dramático, mantendo-se fiel ao estilo da autora, assim como também as indas e vindas no tempo. Mais um livro da autora pelo qual me apaixonei.

"Essa era a história de nossas vidas: inssurreições menores, vitórias miúdas, uma breve chance de ridicularizar nossos opressores, barquinhos de esperança em um mar de incertezas, privação e medo."

A história inicia em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial, onde Sophie narra as consequências da Guerra na sua vida. Como o seu marido teve quer ir para guerra, assim como o marido de sua irmã, Sophie optou por ir morar com sua irmã e seua filhos, para que assim pudessem ajudar uma a outra. A casa onde moram era um hotel, porém com a guerra as única poupas pessoas que iam lá eram os assustados moradodes da pequena cidade. Porém Sophie acaba chamando a atenção do Kommandant alemão e ele resolve que Sophie e sua irmã teriam que cozinhar a janta dos alemães todas as noites.

"Não consigo me lembrar de como era viver sem medo."

Ao mesmo tempo que isso deixou Sophie aterrorizada, pois teriam seus inimigos em sua prórpia casa, também trouxe um pouco de alívio, pois assim conseguiua furtar um mínimo de comida para sua família. Porém sempre que Sophie perdia as esperanças, ela olhava para o quadro que seu marido Édouard fez dos dois, admirando a mulher que há muito tempo deixou de existir devido as dificuldades enfrentadas nessa nova realidade. Mas outra pessoa passa a admirar o quadro, o Kommandant alemão, e, ao mesmo tempo, ele tenta se aproximar de Sophie, mostrando a ela que ele não passa de outro ser humano normal. Dessa forma surge nela um pequeno brilho de esperança, que ela possa de alguma maneira reencontrar o seu marido, mesmo odiando os alemães, tudo o que ela quer é reencontrar Édouard e saber que ainda está vivo. Os outros habitantes da cidade viram como traição o fato de Sophie ter aberto seu hotel para seus inimigos, mesmo sabendo que ela não tinha escolha, e começaram a menosprezá-la.

"Saiba, minha querida, que marco cada dia , não do mesmo modo que meus companheiros, grato por ter sido mais um dia a ter sobrevivido, mas agradecendo a Deus pelo fato de cada um significar que seguramente devo estar vinte e quatro horas mais perto de voltar para você."

Quase um século depois conhecemos Liv, uma mulher que perdeu seu marido há alguns anos e que ainda não descobriu como seguir em frente. Porém, em uma janta com seus amigos que tinha tudo para dar errado, devido ao seu acompanhante desnecessário que seus amigos insistiram em apresentar, ela acaba terminando com o reencontro de Liv com Mo, sua colega de faculdade. Tomada por um momento de carência, agradecimento e também de desespero por ter que ficar sozinha na casa que David construiu para eles, Liv convida sua ex-colega para dormir na sua casa, pois ela passava as noites no restaurante em que trabalhava.

"Para ela, a multidão só pode ser uma afronta ao seu estado solitário. Eu já fui uma de vocês, pensa, e não consegue imaginar como seria voltar a ser assim."

E assim Liv acaba ganhando uma pessoa com quem dividir a casa de vidro, porém ela está cada vez mais desesperada porque não tem dinheiro para pagar as contas e sua casa, a única herança de David, corre o risco de ser perdida. As vezes seu único consolo é o quadro pendurado na parede de seu quarto, um presente dado por David na sua lua de mel, porém o que ela não esperava é que esse quadro mudaria a sua vida.

"Às vezes a vida é uma série de obstáculos, uma questão de colocar um pé na frente do outro. Às vezes, de repente ela se dá conta, é simplesmente uma questão de fé cega."

Em uma noite que tinha tudo para dar errado Liv acaba conhecendo o Paul, que trabalha recuperando obras de artes perdidas durante a Guerra Mundial. Um outro dia, quando ele está no quarto de Liv, Paul acaba vendo na parede o quadro de A Garota que Você Deixou para Trás, obra que seu atual cliente está tentando encontrar, e assim a vida dos dois acaba virando de cabeça para baixo. Liv tendo que disputar pela única lembrança do seu marido no tribunal, ao mesmo tempo que tenta descobrir mais sobre Sophie e a história do quadro e tenta aguentar as críticas da mídia sobre sua decisão de não devolver o quadro.

"- Não fique muito nervosa na segunda-feira. Sei que tem sido difícil. Mas estamos muito orgulhosos de você, sabe?
- Por quê? - diz ela assoando o nariz. - Eu falei, pai. A maioria das pessoas acha que eu nem devia ter tentado.
O pai a puxa para junto dele. Ele cheira a vinho tinto e a uma parte da vida dela que parece um milhão de anos atrás.
- Simplesmente porque você vai tocando o barco, de verdade. Às vezes, minha querida, isso em si é heróico."

Este livro é fantástico, assim como todos que já li da Jojo. A autora nos mostra duas mulheres guerreiras lutando por aquilo que acreditam, por mais que os outros duvidem delas. A parte da história no porto de vista de Sophie é bem trágico, nos relembrando o horror da guerra. Porém, quando o livro está no "presente", ele passa a ser contado em terceira pessoa, alternando entre o ponto de vista de Liv e de Paul.Os personagens do livro são apaixonantes! Para mim Mo roubava a cena quando aparecia, com seu jeito único de ser, que transformava qualquer momento dramático em gargalhadas.

"- Você dormiu com esse cara sem dar um Google nele? - diz ela, quando recupera a fala. - Ai, meu Deus, quando você disse que finalmente tinha ficado com alguém, eu nem por um minuto pensei... Não se dorme com uma pessoa sem pesquisar os antecedentes. Caramba."

Foi bem difícil para mim escrever essa resenha, pois me faltam palavras para descrever muitos dos sentimentos que ele me proporcionou, porém, se você gosta de um bom romance, com aquela pitada de drama e comédia, não exite em lê-lo.

"- O que isso ensina à gente, Sr. McCafferty, é que na vida há coisas muito mais importantes do que vencer."

site: http://www.apenasumtrecho.com/2015/01/resenha-garota-que-voce-deixou-para-tras.html
comentários(0)comente



Leka 20/01/2015

Gostei muito!
A história é tão linda que da vontade de ler inúmeras vezes, amei cada página! O fato de ser passar em duas épocas e com tantos fatos históricos envolvendo me envolveu muito! Eu queria viver e presenciar cada momento do livro! Pessoalmente, preferi as partes que se passam na primeira guerra mundial. Vale muito a pena ler!!
comentários(0)comente



Gi 13/01/2015

Como me senti ao ler este livro¿
Livro julgado pelo título. E já na sinopse percebi que uma grande história seria contada em 379 páginas. Pra mim, não foi um livro estável. Mas uma montanha-russa de sentimentos. E quem está numa montanha-russa se diverte né¿ Eu me apaixonei, tive nojo, me alegrei, chorei, senti raiva, dei conselhos, torci como numa final de copa do mundo, cruzei os dedinhos, prendi respiração e suspirei..Então... Fim da história.

Dois tempos cronológicos; Primeira Guerra Mundial e meados do ano 2000.
Sophia, uma mulher criada para ser forte e ser o alicerce de toda uma família, o amparo de uma cidade que está em guerra. França é tomada pelo exército alemão. Em época de guerra vive-se o hoje, mas numa esperança de um amanhã mais brilhante, menos doloroso. Separada de seu marido e seu grande amor, Édouard Lefèvre. Os dias se passavam e ela sempre fora a mulher destemida e esperançosa. Mulher que sofre paciente pelo fim da guerra, pela volta de seu marido e serve pacientemente os alemães em seu restaurante em St Péronne. Uma mulher de modelo em uma obra de arte. E uma mulher de modelo na vida.

Não, Péra! É isso mesmo? Será que uma mulher que vive em tempo de guerra sempre permanecerá paciente e sem fazer algo de insano, incoerente?

Liv uma mulher frágil, que tenta superar a morte de seu marido David não se desfaz ainda de quase nada do que tinha quando vivia com seu esposo, principalmente uma obra de arte que está exposta em seu quarto. No entanto, Liv não imaginava quanta história aquela obra de arte carregava. E levada ao tribunal toda a história é desvenda, esclarecida. O que aconteceu com Sophia? Por que aquele quadro estava em mãos alemãs?
comentários(0)comente



Nat 12/01/2015

Lindo! Só não ganhou 5 estrelinhas porque demorei pra conseguir engatar na leitura e me afeiçoar aos personagens. Depois foi só alegria! Ou tristeza.. Um bom drama!
comentários(0)comente



97 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7



logo skoob
"Uma ferramenta como essa pode certamente ser usada por professores para incentivar a leitura."

Jornal do Brasil