O Coração das Trevas

O Coração das Trevas
3.90272 699



Resenhas - O Coração das Trevas


44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Letícia 03/08/2015

Resenha crítica de O Coração das Treva
Minha primeira resenha critíca entregue na UFPR, curso de Letras. Postada como colaboradora no blog Diário dos Treze *-*

site: http://diariodostreze.blogspot.com.br/2015/07/livro-resenha-critica-de-o-coracao-das_30.html?m=1
comentários(0)comente



Fernando 21/05/2015

PÓRTICO DE ENTRADA PARA O MUNDO CONRADIANO
CORAÇÃO DAS TREVAS NOS REVELA UM MUNDO EXÓTICO PARA O OLHAR EUROPEU,MAS NÃO APENAS PARA ELES MAIS PARA TODAS AS PESSOAS QUE SE AVENTURAM ATRAVÉS DAS PAGINAS DESSE LIVRO.SEU CENÁRIO NÃO ENCOBRE OS PAPEIS QUE OS SERES HUMANOS-RETRATADOS ATRAVÉS DE SEUS PERSONAGENS-DESEMPENHAM AO LONGO DA NARRATIVA,SEJAM AS POPULAÇÕES AFRICANAS OU COLONIZADORES DA EUROPA.ESTE LIVRO É UM BELO E EXCELENTE INICIO DE LEITURA PARA QUEM NÃO CONHECE O MUNDO CONRADIANO.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Endi 11/11/2014

Essencial.
Se Deus fosse Kurtz, Marlowe seria sua imagem e semelhança! O coração da selva africana, sombrio e insólito, jamais foi tão bem retratado quanto na prosa de Conrad, tampouco a natureza obscura do homem, foi tão bem descrita.
Juh Verde 10/06/2015minha estante
E, talvez, os dois seriam imagem e semelhança de Conrad.




Flávia 11/10/2014

Quando comecei a ler Coração das Trevas pensei que não fosse dar conta da leitura, por achar a escrita muito descritiva e um tanto "monótona". Insisti porque se trata de uma obra clássica da literatura mundial. Felizmente não desisti, embora tenha ficado tentada em vários momentos, e até mesmo com vontade de pular páginas.

A partir da metade do livro as coisas começam a melhorar e quando vai se aproximando do desfecho pude finalmente dizer: que bom que eu não desisti. Teria perdido um grande ensinamento sobre vários temas que tentarei falar aqui, se não todos, pelo menos aqueles que movem o enredo dessa novela.

O nosso cenário é a África, mais precisamente o Congo, os personagens não são muitos, mas os principais são Marlowe e o Sr. Kurtz.

É impressionante observar o que o homem é capaz de fazer para ter o poder, seja lá como traduzimos esse poder, que pode ser o dinheiro, a fama, o fascínio pela descoberta, o conhecimento, a força que se pode ter sobre uma determinada classe, enfim, o fim justificando os meios empregados para se obter aquilo que se deseja.

Duro de pensar que nessas horas não importa se estamos falando de outros seres vivos, principalmente se são humanos, porque temos a pretensão de pensar que aqueles que não estão inseridos em nosso jogo, que não são como nós, que não falam a nossa língua ou que não tem nosso sistema de governo são seres inferiores.

Ignoramos que todos aqueles que vivem em grupos tem seus próprios sistemas, sua própria maneira de se comunicar, os produtos de que se alimentam, suas famílias, pessoas que amam, sua própria maneira de se vestir e de se portar em seu próprio meio.

Essa história fala de anticolonialismo, de todos os males que advém da prática da colonização européia na África, feita sem observação de limites e com muita violência, a desumanização, pois invoca-se até mesmo a religião para se chegar aonde se quer: o domínio, nem que para isso tenha que se exterminar.

Os negros eram aprisionados de uma forma bruta para servirem na construção da ferrovia e principalmente na extração de marfim, uma verdadeira obsessão para os agentes coloniais na novela e no conto "Um posto avançado do progresso", outro crime gravíssimo contra a natureza.
"Em Coração das Trevas, Conrad introduz a narração reflexiva de Marlow para levar a racionalização da violência colonial até suas últimas consequências. Até o delírio exterminatório. Subjacente à peregrinação africana de Kurtz, desenha-se o darwinismo social, que previa o desaparecimento de sociedades não ocidentais diante da expansão européia. Preceito que Kurtz radicaliza e resume numa exclamação sinistra: "Exterminem todos os brutos"! (observação de Alencastro - página 163 - posfácio)
Francis Ford Coppola baseou-se na história desse livro para produzir seu famoso filme Apocalypse Now!, onde em pela guerra do Vietnã, o alto comando do exército americano designa o coronel Willard para matar o coronel Kurtz, que tinha enlouquecido, refugiando-se no interior da selva cambojana assassinando inocentes.

Durante a viagem, Willard se depara com situações absurdas e inacreditáveis e quando chega ao lugar onde Kurtz está percebe que os nativos o adoram e o obedecem e então Willard precisa decidir-se sobre qual melhor atitude tomar. Loucuras que a guerra produz.

Não precisava, mas vou dizer mesmo assim, o filme é sensacional, tendo no elenco Marlon Brando, Martin Sheen, Robert Duvall, Laurence Fishiburne, Harrison Ford e Dennis Hopper.
comentários(0)comente



Larissa 04/09/2014

"Lembro-me de confundir as pancadas do meu coração e ficar satisfeito com a regularidade que ele mostrava."
Por que os livros do Conrad são sempre meus favoritos?

Normalmente encontro várias dificuldades com a escrita sagaz dele,embora seja esta mesma escrita que me atraia tanto!

Amo a maneira sensível e crítica com que o Joseph elabora suas histórias.Sinto-me sempre enlaçada em seus enredos fascinantes.

Me identifiquei com esta outra frase de O Coração das Trevas:"Garanto-vos que arrancar-me à leitura foi como desabrigar-me de uma velha e sólida amizade."

Faço das belas palavras de Conrad as minhas.
comentários(0)comente



Tizo 11/08/2014

Dor e sofrimento.
A obra de Conrad trata dos limites da perversidade humana e da sua capacidade de produzir aberrações comportamentais submetendo seus semelhantes as mais degradantes situações, incluindo trabalho escravo, mutilações e até a morte. Usa como pano de fundo a predadora colonização européia à África, mais especificamente o Congo, que através de acertos políticos tornou-se oficialmente propriedade do rei belga em 1885. A partir disso temos a velha relação conquistador versus conquistados, destruição da cultura e costumes locais com a desculpa de trazer evolução e civilidade aos selvagens. A obra foi adaptada para o cinema através do filme Apocalipse now, com a mudança de cenário feita para o Vietnã então em guerra com os EUA.
comentários(0)comente



Maitê 12/07/2014

Leitura curta e fácil, mas um pouco entediante.
comentários(0)comente



IvaldoRocha 24/04/2014

Para se ler Lentamente.
Impressionante como acaba nos provocando uma certa estranheza, a narrativa que se arrasta de uma maneira densa, lenta e sufocante. Você se sente como se estivesse na selva, não tem como ter pressa, você não luta você se adapta, você tenta sobreviver sem nenhum sinal de desespero e com até um certo conformismo. Este trecho talvez descreve por si só o que estou tentando passar "... com nada em torno, sem espectadores, sem um clamor, sem glória, sem o grande desejo da vitória, sem o grande temor da derrota,,,,,".
Enfim o que mais me chamou a atenção não foi a história em si, mas a maneira de contá-la, uma sutileza e talento que faz a diferença entre um texto chato e algo que te obriga a continuar a lendo, lentamente...
comentários(0)comente



Christian 04/01/2014

Breve e denso
"Primeiro, não creio que o leitor sentirá a intensidade da obra se jamais esteve em algum lugar remoto ou se procura desesperadamente formas de contato com outras pessoas para não se sentir sozinho. O Coração é uma experiência melhor captada por aqueles que a compartilharam. Quando Conrad fala de trevas através de Marlow, são trevas que persistem em plena luz do dia, porque estão impregnadas no ar, estão dentro da gente.

Há um comentário no começo da obra que talvez defina esse contraste entre luz e trevas. O protagonista fala que a Inglaterra já fora uma terra tenebrosa, então iluminada pelo processo civilizador. No entanto as trevas não foram destruídas, elas continuam lá como raízes no subsolo da sociedade, e o maior esforço da sociedade é justamente tentar esconder essas raízes.

Portanto, o que acontece quando alguém sai da redoma da civilização e encontra-se sozinho no mundo tal como é? E quando vê o que há em si? Ele vê o coração das trevas."

Leia mais em:

site: http://classicosuniversais.com/2012/10/03/o-coracao-das-trevas/
comentários(0)comente



Doney 23/12/2013

Lista de Livros: O Coração das Trevas - Joseph Conrad
Segue abaixo o link indicando os trechos mais interessantes/significativos desta obra.

site: http://listadelivros-doney.blogspot.com.br/2007/10/o-corao-das-trevas-joseph-conrad.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Felipe 09/10/2013

Livro x Filme
O coração das trevas : Conta a história de um marinheiro em busca de um oficial perdido nas selvas da África durante a exploração de marfim.

Bom o livro lembra uma citação que ouvi de um professor de geografia, que jamais esqueço, e que serve para o livro: "o homem nada mais é que o produto do meio" o protagonista Marlow entra no coração sombrio da selva africana. A missão de Marlow é trazer de volta Kurtz, um mercador de marfim cujos métodos passam a desagradar a companhia mercante que o contratou. Kurtz sucumbiu "as trevas" das selva africana e viu ali uma grande oportunidade para construir um império só seu, aproveitando-se dos selvagens e primitivos africanos. O livro é bom curto, uma história densa, mas não é mais que isso.

Apocalypse Now filme dirigido por Francis Ford Coppola é considerado uma obra prima do cinema e melhor representa o livro, em vez da selva africana aqui tem como cenário a guerra do Vietnã e o teor do livro é melhor entendido, por que os americanos estão em guerra, mas para que ? O cenário da guerra influenciou melhor "o horror" descrito pelo personagem Kurtz enlouquecido e formado uma própria seita onde é tratado como Deus por seus seguidores. Contando com grande elenco claro entre eles Marlon Brando, que já não é preciso dizer mais nada somente pela presença dele
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Janaína 20/07/2013

O Coração das Trevas - Joseph Conrad

O que mais despertou a minha atenção ao ler este livro foi o enfoque dado pelo autor à exploração colonial africana, marcada pela negação da humanidade dos nativos.

Em vários momentos do texto, os africanos são identificados como vultos negros, sombras escuras, selvagens e primitivos. A presença europeia trouxe inúmeras mudanças no modo de vida das sociedades africanas. Os nativos muitas vezes foram submetidos à exploração e reduzidos a simples mão de obra, que deveria ser domesticada e contida pelo uso da força.

Um livro denso, que inspira várias reflexões sobre o comportamento e as transformações na alma do ser humano.
comentários(0)comente



44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3



logo skoob
"O sucesso do Skoob tem explicação. Além de ser uma ferramenta inédita em português, chamativa para leitores inveterados, o funcionamento do sistema é fácil."

A Notícia