Clara dos anjos

Lima Barreto



Resenhas - Clara dos anjos


29 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Daphiny 25/05/2014

Lima Barreto me ensinou a não ser romântica. Olha, eu passei o livro inteiro achando que Cessi (o modinheiro safado e desvirtuador de moças) tomaria finalmente vergonha na cara e se apaixonaria por Clara, mesmo eu a achando uma tola (o que ela realmente é: inocente e iludida), mas eu percebi que sou tão tola e iludida quanto a Clara que, mesmo sabendo de todos os pobres de seu amado, ainda assim se deu a luxo de apaixonar-se por ele e permitir-lhe tirar sua "pureza".
A riquíssima descrição do espaço (um Rio de Janeiro suburbano) me irritou profundamente durante o livro inteiro, visto que não sou fã de gazilhões de descrições físicas. Fomos apresentados às casas e às histórias de todos os personagens que são mencionados nesse livro, tendo, pelo menos, 4 páginas de descrição sobre cada um (o que também me irritou as veras).
Não foi o pior livro que eu já li em toda a minha vida, mas depois de tantas histórias "clássicas" mais elaboradas que li para a escola, esse livro com certeza me decepcionou. Sei que as moças, naquela época, eram chochas e inocentes e não deviam se portar como nos portamos ultimamente, mas a Clara foi o apogeu de todas as mocinhas bobas que eu já conheci na literatura e eu acho cárcere privado em que Clara foi criada ajudaram nessa inocência incalculável e absurda dela.
Enfim.... decepções a parte, fico feliz que tenha sido um livro curto.
comentários(0)comente



J.C 10/05/2014

Incrível
Apesar da escrita antiga e os costumes daquela época diferentes, o autor usa de uma linguagem de fácil compreensão.

Livro muito bom e gostoso de se ler. Recomendo.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Camila 14/11/2013

Como última obra feita pelo escritor carioca Afonso Henriques de Lima Barreto (1881-1922), publicado depois de sua morte, Clara dos Anjos, traz uma denúncia áspera do preconceito racial e social, vivenciado por uma pobre mulata do subúrbio carioca.

O livro conta a estória de uma mulata que se apaixona por Cassi Jones, que enganava as mulheres com seu falso amor para conquistá-las. Suas “vítimas” eram sempre mulheres negras, pobres ou casadas, pois assim ele não seria obrigado a casar-se com elas já que sua mãe era extremamente preconceituosa e o protegia quando elas iam atrás dele.

Cassi Jones pertencia a uma posição melhor que Clara, e era considerado o desgosto da família, pois ele vivia enganando pobres mulheres e acabando na cadeia por isso, seu pai o reprimia, porém sua mãe sempre o ajudava a sair de suas confusões.

Já a Clara tinha dezessete anos, era ingênua e foi criada “com muito desvelo, recato e carinho; e, a não ser com a mãe ou pai, só saía com Dona Margarida, uma viúva muito séria, que morava nas vizinhanças e ensinava a Clara bordados e costuras.”

Mas no final do romance o autor relata que ela, consciente e lúcida, reflete sobre sua situação:

“O que era preciso, tanto a ela como às suas iguais, era educar o caráter, revestir-se de vontade, como possuía essa varonil Dona Margarida, para se defender de Cassi e semelhantes, e bater-se contra todos os que se opusessem, por este ou aquele modo, contra a elevação dela, social e moralmente. Nada a fazia inferior às outras, senão o conceito geral e a covardia com que elas o admitiam…”

“O verdadeiro estado amoroso supõe um estado de semiloucura correspondente, de obsessão, determinando uma desordem emocional que vai da mais intensa alegria até à mais cruciante dor, que dá entusiasmo e abatimento, que encoraja e entibia; que faz esperar e desesperar, isto tudo, quase a um tempo, sem que a causa mude de qualquer forma.”

site: http://world-book-4you.tumblr.com/
comentários(0)comente



Malu Andrade 15/09/2013

Um dos livros que marcaram o Pré-Modernismo brasileiro, traz marcado nas suas páginas a realidade do próprio autor: Lima Barreto. Negro, nascido no subúrbio carioca, enfrentou muitas dificuldades em sua breve vida.
Em Clara dos Anjos, o "romance" entre os personagens principais não é muito ressaltado. Mesmo assim nem de longe o livro chega a ser insípido ou sem conteúdo: demonstra de forma cruel e sincera como era a realidade das camadas mais pobres da sociedade carioca do início do século XX.
É uma ótima dica para quem procura conhecer um lado não muito realçado na literatura brasileira do século passado: a vida nos subúrbios.
Bruno 15/09/2013minha estante
Muito bom. Parabéns!




spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Panda 11/04/2013

Acho que por ser um clássico a situação final do livro não me surpreendeu muito, porque acho que hoje é o que mais acontece. Porém só o final, mas o desenrolar da história mostra como era antigamente e hoje mudou bastante.
comentários(0)comente



Renata 18/03/2013

Um dos melhores livros que já li
O livro conta a história de Clara dos Anjos, uma adolescente ingênua, criada dentro de "uma redoma de vidro", que é enganada pelo cafajeste Cassi Jones. Clara é humilhada e discriminada por sua posição social humilde e por sua cor.
Quando comecei a ler este livro, não imaginei que ele pudesse agregar tantos valores. A capacidade de Lima Barreto de retratar a sociedade de sua época (fins do século XIX) é impressionante. Com a leitura, percebe-se a formação da sociedade brasileira e os valores que permanecem até hoje entre os brasileiros. Acredito que compreender o mundo em que vivemos é essencial para uma vida mais produtiva e, consequentemente, mais feliz. O fim do livro é um choque de realidade, o que me levou a me questionar: "O que posso fazer para mudar isso?"
Enfim, Clara dos Anjos foi para mim uma agradável surpresa, ultrapassando minhas expectativas. É a obra prima de Lima Barreto e superou em muito Triste Fim de Policarpo Quaresma. Clara dos Anjos entra para a minha lista de favoritos.
comentários(0)comente



Natalia 15/03/2012

Crítica Social
A base do livro é uma crítica social. A obra mostra como a sociedade de seu tempo via os negros, mulatos e pobres:como inferiores. Enxergar os defeitos da sociedade é o primeiro passo pra mudá-la. Acredito que esse livro, escrito por um mulato, q sofreu na pele o preconceito racial, tenha caminhado nesse sentido.
Julyeth 17/05/2013minha estante
Gostei do comentário, o livro também mostra muito o papel da mulher naquela época. E ainda existem algumas coisas em comum com a atualidade, em que a mãe e as outras pessoas avisam, dão conselhos e as vezes não damos ouvidos, temos que passar pelas situações pra reconhecer que o que falavam era verdade.




mfayon 04/03/2012

Retrato da Realidade de hoje e sempre
Talvez as cores tenham mudado, porém é algo que muito acontece com as jovens pobre e com pouca ou nenhuma estrutura familiar para perseguir esses lívidos que engravidam moças e simplesmente fogem ou não dão a mínima assitência. Lima Barreta com sua escrita próxima ao realismo conseguiu traduzir em palavras o retrato de uma época em que o status social e a influência do dinheiro valem muito, coisa que pouco se mudou hoje.
comentários(0)comente



sueli 01/03/2012

CLARA DOS ANJOS - LIMA BARRETO
Este romance de Lima Barreto passa-se no subúrbio carioca e ele o descreve com riqueza de detalhes tanto nos ambientes como a vida das pessoas que ali vivem. Apresenta o advento dos “bíblias”, os protestantes e sua forma muito eloquente e tenaz de conquistar novos fiéis para seu culto. É um romance profundo e denuncia toda espécie de injustiças praticadas contra os menos desprovidos financeiramente, os humildes. É carregado de referencias sobre o preconceito racial.

Clara é uma mulata jovem, pobre, humilde, ingênua, que vive no subúrbio carioca com seus pais, Joaquim e Engrácia. Joaquim era carteiro, tocava flauta, gostava de violão, compunha valsas, tangos e acompanhamentos de modinhas. Não gostava de sair de casa e sua diversão era passar as tardes de domingo jogando solo com seus dois amigos: o compadre Marramaque e o português Eduardo Lafões.
Clara tinha 17 anos, era tratada com muito desvelo, recato e carinho pelos pais e como eles não gostavam de sair de casa, quando ela raramente saia era sempre acompanhada pela vizinha, Dona Margarida, uma viúva muito séria.
Apesar das cautelas e cuidados da família, Clara é iludida e seduzida por um rapaz de classe media carioca. Os dois se conhecem quando ele, cantor de chorinho, vai tocar no dia de seu aniversário em sua casa. Cassi não era belo e nem virtuoso do violão, mas canta dengoso, meloso e a seduz.
O padrinho Marramaque, que já lhe conhecia a fama, tenta afastá-lo de Clara quando percebe seu interesse. Na festa de aniversário da afilhada, recita e provoca Cassi, deixando claro que ele não é bem-vindo ali. Cassi também antipatiza com Marramaque e sabia que ele percebe seus maus propósitos em relação a Clara. Cassi enche-se de fúria e vinga-se de modo violento: se junta a um capanga e ambos assassinam Marramaque. Clara, logo desconfia do rapaz, mas o perdoa, pois ele diz que matou por amor a ela.
Clara na ingenuidade de sua idade e na falta de contato com o mundo, concluía que Cassi era um rapaz digno e podia bem amá-la sinceramente.
Malandro, mau caráter e perigoso, Cassi já havia se envolvido em problemas com a justiça antes, mas sempre fora acobertado pela sua família, especialmente sua mãe, que não queria que fosse preso.
Clara engravida e Cassi Jones desaparece. Ela pensa em morrer, abortar mas convencida pela vizinha, dona Margarida, vão procurar a família de Cassi e pedir “reparação do dano”. A mãe do rapaz humilha Clara, mostrando-se profundamente ofendida porque uma negra quer se casar com seu filho.
E, na cena final, ao relatar o que se passara na casa da família de Cassi Jones para a sua mãe, conclui, em desespero, como se falasse em nome dela e de todas as mulheres em iguais condições: “— Nós não somos nada nesta vida.”

Michelle Gimene 09/03/2012minha estante
Taí mais um clássico da literatura nacional que eu nem fazia ideia sobre a história. Muito boa escolha!




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Samuel 20/02/2012

Clareando..
Este livro, que pode ser comparado a um farol, iluminou o cômodo que estava desativado em meu coração. Retirou e dissipou toda névoa que encobria meus olhos sentimentais.Com final emocionante e altamente tocante, essa obra fará com que as cortinas de ferro de preconceito que há em seu ser sejam desintegradas!
comentários(0)comente



Beatriz 12/02/2012

Histórias de séculos passados me encantam! (Jane Austen e Charlotte Bronte são ótimos exemplos da minha paixão) Mas Clara Dos Anjos foi uma grande decepção! Não existe um final feliz para as personagens e é o tipo de história em que você não consegue criar laços com ninguém! O livro não se concentra apenas na vida de Clara, mas sim de todos os outros que a rodeiam ou possuem algum tipo de ligação com ela. É um pouco confuso em algumas partes, e eu nunca teria escolhido ler este livro se minha professora de Literatura não tivesse mandado. A narrativa não envolve muito e os detalhes minuciosos demais tornam tudo muito monótono. O encanto que sempre encontro nos livros ingleses eu não encontrei neste. Lima Barreto é, sem sombra de dúvida, um grande escritor. Mas, - pelo menos em Clara Dos Anjos - não conseguiu me cativar.
comentários(0)comente



29 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2



logo skoob
"Uma ferramenta como essa pode certamente ser usada por professores para incentivar a leitura."

Jornal do Brasil