Crônica de Uma Morte Anunciada

Crônica de Uma Morte Anunciada
4.17452 3014



Resenhas - Crônica de uma morte anunciada


78 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Leila.Farias 04/02/2016

Bom
Incrivelmente bom.... tudo que Gabo escreve, por sinal.
comentários(0)comente



Augusto 13/01/2016

Várias Versões de Uma Mesma História
É impressionante a impecabilidade desse texto. Não há nenhuma passagem, nenhuma fala, nenhum elemento que seja descartável, tudo tem um sentido. O interessante dessa narrativa, que é quase uma crônica jornalística extendida, é que García Márquez faz com que tenhamos várias versões do ocorrido. E essas versões, em sua maioria, se contradizem. Por exemplo, para muitos o dia era de sol, para outros era de chuva. Isso deixa a narrativa rica.
Entrou para os meus favoritos.
comentários(0)comente



Pedro Nabuco 14/12/2015

Gabo: um narrador sem igual.
Quem conta histórias como esse colombiano? Se conhecerem alguém, favor me apresentar.
Nesse livro curto, Gabriel Garcia Marquez mais uma vez mostra por que é considerado um dos mestres da literatura latino-americana. Gabo escreve como quem conversa, sua fluidez e sua classe fazem com que o texto de certa forma desapareça, sem perder uma gota de qualidade e sem empobrecimento vocabular, ele retira quaisquer entraves do texto e nos deixa apenas com a história límpida.
Essa obra, até pelo seu tamanho curto, é um tanto quanto despretensiosa, não tem a magnitude de "Cem Anos de Solidão" por exemplo, e o próprio tom da escrita é realmente de um crônica, uma reconstituição e apresentação de fatos, mesmo com esse tom mais banal e direto Gabo consegue fisgar o leitor, que logo se vê envolvido e apreensivo com um relato do qual ele já conhece o desfecho pelo título.
Um ponto interessante desta narrativa é a metalinguagem utilizada por Gabo. Ele cria um diálogo entre ficção e realidade e trata com certa ironia o próprio fazer literário, indicando como por vezes a realidade ultrapassa em incredulidade o próprio imaginário.
Por fim, recomendado muito a leitura, eu diria que é um ótimo ponto de partida para quem não conhece o autor e, para quem já conhece, é como encontrar aquele velho amigo que sempre tem uns causos interessantes pra contar.
comentários(0)comente



Taiomara 15/11/2015

CRÕNICA DE UMA MORTE ANUNCIADA
Para aqueles que ainda não se iniciaram na leitura dos livros de Gabriel Garcia Márquez esse livro é um ótimo começo. O título é um grande spoiler e para os desavisados um sinal de que a leitura não será tão envolvente, mas caro leitor, não se engane ! Quando começamos a leitura só abandonamos o livro quando lemos a última página. A forma como o autor descreve as últimas horas do personagem principal chamado Santiago (um mullherengo e bon vivant ) é extremante contagiante. Ficamos desesperados a cada passo iminente para a morte. Após ler esse livro com certeza buscará outros livros de García.
Boa leitura ! :)
comentários(0)comente



nadiny.prates 12/11/2015

O Mágico Gabo
Gabriel García Márquez é um dos autores mais incríveis que já tive o prazer de ler. A cada leitura de uma obra desse mestre é um encanto e uma surpresa diferente.Ele possui uma maneira muito bonita de escrever e um dom com as palavras que fascina. Crônica de Uma Morte Anunciada é nada menos do que excelente, encantador e incrível.É um livro que te transporta para outro mundo, no caso para a colorida Colômbia, cheia cores e sabores. A história trata-se do assassinato do Santiago Nassar (não é spoiler, está na primeira linha do romance) o narrador vai reconstituindo os fatos anteriores a morte do personagem.Quem o matou? O que Santiago Nassar fez para ser morto? O que fez horas antes do seu assassinato? A partir das descobertas do narrador, vamos descobrindo o que sucedeu. E cada página surgem novas revelações. Leitura mais que recomendada.
comentários(0)comente



Lerissa K. 23/09/2015

Uma morte beeem anunciada.
Galera, hoje trago para vocês a resenha de um livro fascinante! É uma história muito bem construída e interessante e, além disso, é o livro que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura, então com certeza é um daqueles livros que vale a pena ler.
O livro é composto em um esquema de "investigação", em que o narrador busca os que presenciaram os acontecimentos daquela época, buscando testemunhos, provas, palavras e respostas para aquele acontecimento terrível: a morte de Santiago.
Um livro fascinante que vai, aos poucos, encaixando as peças de um acontecimento terrível, já anunciado no próprio nome do livro: a morte de Santiago Nasar. O livro, narrado do ponto de vista de um personagem observador, vai recolhendo vários testemunhos e informações, buscando encontrar respostas que esclareçam o nefasto acontecimento.

VEM CONFERIR O RESTANTE DA RESENHA E OS MELHORES TRECHOS NO LINK ABAIXO:

site: http://lerissakunzler.blogspot.com.br/2015/04/resenha-do-livro-cronica-de-uma-morte.html
comentários(0)comente



Mariana 19/09/2015

Singular
Não tenho outra palavra pra descrever o jeitão da escrita de Gabriel Garcia Marquez. Diferente dos livros que já li até então, Crônica de Uma Morte Anunciada me pareceu uma narrativa concisa e com enfoque cultural interessante no Caribe. Uma tarde é o bastante pra se perder na história do crime que matou Santiago Nasar. O narrador-personagem (que creio ser o próprio Garcia Márquez) anuncia a morte de que vai se tratar o livro na primeira página. À priori, ele cita, sem muitas explicações, o casamento que houve na noite anterior e a passagem do bispo pelo vilarejo. Pouco a pouco, nos introduz todos os personagens envolvidos e sua influência no destino que teve o defunto. É sensacional como as cenas se articulam entre si! Dá a sensação de ter sido um mistério (nem tão misterioso assim) muito bem planejado. Vale a pena!
comentários(0)comente



Bruno Paredes 10/09/2015

Culpado por ação ou omissão?
García Márquez abre o livro pelo fim, capturando a atenção do leitor já na primeira frase: "No dia em que o matariam, Santiago Nasar levantou-se às 5h30m da manhã para esperar o navio em que chegava o bispo". "Crônica de Uma Morte Anunciada" é uma grande metáfora tecida a partir de uma história ligada ao autor, em sua mocidade. Assim, com a morte do seu protagonista, ele nos instiga a pensar no fim de tantas situações evitáveis na nossa realidade, e como podemos ser culpados por ação ou omissão. Escrito no início da década de 1980, trata também sobre o machismo da sociedade, capaz de existir até mesmo dentro de muitas mulheres.
comentários(0)comente



Bogdan 04/09/2015

Super bem escrito
Eu preciso ler esse livro de novo: não estou acostumado com esse tipo de narrativa que vai e vem, com esse tipo de riqueza e algumas ironias hilárias (como o Santiago tirar a poeira das tripas no final). Diferente de 100 Anos de Solidão. os parágrafos imensos e a escrita de Márquez me agradaram muito.

Esse livro conta a história da morte anunciada de Santiago Nasar: começa com ele saindo de casa e termina com ele morrendo, logo depois. Porém, entre esses dois acontecimentos, explica-se tudo o que tinha levado a isso, o que esse assassinato provocou na cidadezinha, na família, inclusive vários anos mais tarde. É um bate-e-volta que quase me deixou tonto. Vou tentar ler de novo 100 Anos de Solidão.
comentários(0)comente



isa.dantas 12/08/2015

Envolvente
Enquanto nos conta sobre a morte anunciada, Gabriel García Márquez nos envolve completamente na história. Suas páginas são poucas, o que permite uma leitura rápida. E eu só me pergunto por que demorei tanto para ler qualquer obra deste autor!
comentários(0)comente



Marcia.Mendes 15/06/2015

Crônica de uma morte anunciada
No dia de seu assassinato, Santiago Nasar acordou cedo, colocou sua roupa de linho branco, e saiu apressado para ver o bispo, que chegaria ao povoado de navio e de lá daria as bênçãos à população. A trágica sentença de Santiago Nasar está logo na primeira página de Crônica de uma Morte Anunciada.
A história é narrada por um primo de Santiago (mas o livro não cita o nome dele), que resolve fazer uma investigação por conta própria mais de 20 anos após o ocorrido, para tirar algumas dúvidas. Então, começa a entrevistar os pessoas, alguns parentes, vizinhos, amigos e qualquer pessoa da região que pudesse colaborar com informações. O resultado é uma história, na qual vamos encaixando os fragmentos aos poucos, só que devido estar sendo contada por varias pessoas muitas vezes as informações se contradizem como por exemplo uns diziam que era uma manhã de sol, já outros falavam que era um dia de chuva.
Resumindo, a história trata da vida de personagens muito tristes e solitários. Bom, embora a história seja uma completa tragédia, a forma como é contada é pura e isso foi uma das coisas que me interessou bastante no fim do livro.
comentários(0)comente



Émilly 14/06/2015

O livro conta a história de Santiago que foi assassinado injustamente por ser acusado de ter desonrado uma moça, que estava prestes a se casar e quando o noivo descobriu que ela não era mais virgem foi logo devolve-lá a sua família, pois não era de costume daquela comunidade coisas desse tipo, eles presavam muito que a mulher so podiam perder a virgindade após o casamento e para aquela sociedade isso era um escândalo.
Depois de uma longa conversa a moça conta que havia sido Santiago que tinha desonrado ela, seus irmãos enfurecido vão atrás do pobre Santiago para mata-ló. Mas o Santiago é apenas uma vitima da crueldade dos irmãos e da mentira da moça, pois ela mentiu para que nada acontecesse ao seu verdadeiro amor, e o coitado do Santiago foi morto sem ter culpa alguma.
comentários(0)comente



Dayane 14/04/2015

Crônica de uma morte anunciada
Em Crônica de uma morte anunciada como o próprio nome já sugere trata da história da morte de um homem e tudo o que ocorreu antes durante e depois dela.
O narrador da história é alguém que acompanhou o ocorrido de perto e anos mais tarde volta a cidade para reconstruir toda a história em forma de crônica, ele colhe relatos de grande parte dos envolvidos dando a cada um a oportunidade de dar sua versão do fato, mostrando ao leitor diversas visões diferentes da mesma história e principalmente sua visão.
A morte anunciada é a de Santiago Nasar, jovem rico filho de árabes, e de boa aparência física um jovem comum com anseios comuns aos rapazes de sua época.
A morte de Santiago Nasar tem motivo original no casamento de Ângela Vicário Com Bayardo San Romá. Bayardo é um homem rico que gosta de ostentar suas posses chegando a ser arrogante, chegara à cidade a pouco tempo e ninguém sabia sua origem nem que propósito o trouxe, porém logo ele se encantou por Ângela Vicário e decidiu torna-la sua esposa. Ângela era uma mulher simples de origem humilde e aceita casar por conta da insistência de sua família que se encanta com o noivo que possui grande poder de aquisição.
O casamento por conta de sua grandeza e uma quantia de gastos incalculáveis torna-se um grande acontecimento na cidade e ninguém podia imaginar a tragédia que se sucederia. Na noite de núpcias do casal Bayardo descobre que Ângela não era mais virgem apesar de ela ter sido aconselhada por suas comadres a usar artimanhas para esconder o fato Ângela nada faz, e é devolvida a casa dos pais cinco horas depois do casamento.
Já em casa Pura Vicário sua mãe, dar nela uma surra e seus irmãos exigem que ela os diga o nome do homem responsável por sua desonra, ela então diz ter sido Santiago Nasar, daí então seus irmãos gêmeos Pablo e Pedro Vicário devem cumprir o duro papel de vingar a honra da irmã matando Santiago.
A morte veio a acontecer no dia seguinte ao casamento, Santiago passara a noite na festa com seu amigo Cristo Bedoya e ainda na madrugada dirigiu-se a sua casa para dormir algumas horas antes da visita do Papa que aconteceria bem cedo pela manhã, enquanto isso os irmãos Vicário anunciavam para quem quisesse escutar que iriam matar Santiago Nasar, e faziam isso com o intuito de que alguém os impedisse, o que não ocorreu, das inúmeras pessoas que sabiam do anúncio, pouquíssimas deram crédito a história, e muitas das que podiam evitar a tragédia não o fizeram por vários motivos o principal deles é justamente a descrença.
No dia da morte de Santiago, inúmeros acasos combinaram-se tornando possível aquilo que era desacreditado por todos, nunca se soube, no entanto se Santiago era ou não o culpado, porém todos os indícios apontavam para sua inocência diante do fato e acreditava-se que Ângela tenha escolhido seu nome para proteger seu verdadeiro amante e por que achou que por conta de sua fortuna não lhe fariam mal algum.
Muitas coincidências ocorreram no dia da morte de Santiago e o próprio narrador o descreve como “o dia em que fazia um tempo fúnebre”.
comentários(0)comente



Gabriel Failde 26/03/2015

Nunca existiu uma morte mais premeditada do que a de Santiago Nasar. E, com toda certeza, também não poderia existir melhor escritor para contá-la do que Gabriel Garcia Márquez. Apesar da leitura rápida, o livro “Crônica de uma morte anunciada” deixa uma onda de pensamentos infinitos no ar. Narrado em primeira pessoa, o autor conta passo a passo de um assassinato no qual uma cidade inteira já sabia que iria acontecer. Santiago Nasar, vítima fatal, morreu por ser acusado de ter desvirginado Ângela Vicário, noiva de Bayardo San Román. Na lua de mel do casal, Román descobre que Ângela fora desonrada e devolve a mulher para a família Vicário. Após a revelação de sua volta, Pedro e Pablo Vicário anunciam para quem quiser ouvir que matariam Santiago Nasar, com o intuito de resgatar a honora da irmã. Para entender melhor todos os acontecimentos do caso, o autor conversa com diversos personagens e monta um quebra-cabeça, cujas peças vão se encaixando pouco a pouco. A partir dos relatos colhidos, e de sua memória, ele narra toda a história que culminou no assassinato premeditado. “No dia em que o matariam, Santiago Nasar levantou-se às 05h30 da manhã”.
comentários(0)comente



Lili 17/03/2015

Crônica de uma morte anunciada
Mais uma vez, a excelente escrita de Gabriel García Márquez.

Livro muito interessante. Apesar de conhecermos o destino de Santiago Nasar desde antes do começo do livro, ainda no título, a narrativa consegue nos envolver e instigar a continuar a leitura até o fim, e a cada página com ânsia maior.

O que achei mais marcante foi a letargia dos conhecidos, amigos e parentes da vítima, que a todo tempo se preocupavam com ele mas achavam outra coisa “mais urgente” para fazer, ou mesmo não tinham coragem (?) de avisá-lo do perigo que estava correndo.

Como nos outros livros que já li do autor, a qualidade da obra é a própria narrativa. Não é uma história com mistérios (o grande mistério de Angela Vicario simplesmente não vem ao caso), com algo a ser solucionado; é uma descrição crua e até um pouco cínica de uma comunidade, com seus habitantes, seus costumes e suas prioridades.
comentários(0)comente



78 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6