Crônica de Uma Morte Anunciada

Gabriel García Márquez



Resenhas - Crônica de uma morte anunciada


63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Gabi 21/08/2014

intrigante, fantástico.
Quer ver essa resenha acesse o blog:
http://freelikeabook.blogspot.com.br/2014/08/cronica-de-uma-morte-anunciada.html

site: http://freelikeabook.blogspot.com.br/2014/08/cronica-de-uma-morte-anunciada.html
comentários(0)comente



Natael 04/08/2014

Empolgante
Uma narrativa que atrai o leitor, com idas e vindas no tempo da em que se desenvolve a trama, ainda mais que o desfecho de tudo já é revelado logo no inicio da leitura e cabe ao autor segurar a nossa atenção com os detalhes que levaram a esse desfecho.
Um toque de suspense visto que o protagonista Santiago Nasar passa todo o tempo sem saber de nada e isso nos leva a uma grande ansiedade como se quiséssemos salvá-lo de um destino que já estava traçado.

Ótima obra, leitura obrigatória para os amantes da literatura.
comentários(0)comente



Angelo Israel 09/07/2014

.
[2014] [20.8] Gabriel García Márquez [1981] Crônica de una muerte anunciada [Crônicas de uma morte anunciada].

Hoje percebo uma evolução
2012 foram 3 livros lidos
2013 foram 9 livros lidos
2014 foram 8 livros e lidos e estou no primeiro semestre.
Agora tenho metas de leitura e uns 700 livros na fila.
comentários(0)comente



Wagner 11/06/2014

UMA OBRA ATEMPORAL...
Agora entendo por que Gabriel Garcia Marquez foi (e ainda é) tão agraciado pela crítica...
A obra "Crônicas de uma morte anunciada" é, sem dúvida, uma belíssima composição, na qual salta aos olhos o realismo pelo qual ficou marcado seu autor.
Realismo esse que, diga-se, ressalta os mínimos detalhes de uma obra relativamente pequena (possui ao todo meras 157 páginas).
Ponto mais interessante, entretanto, eu diria, é o fato de o grande acontecimento do livro vir logo nas primeiras linhas: "No dia em que iam matá-lo, Santiago Nasar levantou-se às 5 e 30 da manhã para esperar o barco em que chegava o bispo. Tinha sonhado que atravessava uma mata de figueiras-bravas, onde caía uma chuva miúda e branda, e por instantes foi feliz no sono, mas ao acordar sentiu-se todo borrado de caca de pássaros."
É incrível como, apesar disso, o livro nos prende e motiva a terminá-lo (o fiz em 48h, nas quais me concedi a honra de duas sessões noturnas, entremeio ao projeto de mestrado que atualmente construo).
A conclusão a que chego, todavia, é que, apesar de publicada em 1981, a obra é uma incrível crítica a contemporaneidade (ou essa "sociedade individualizada" em quem vivemos, como diria Zygmunt Bauman), na qual, apesar de sabermos e, assim, podermos, vez que outra, evitar muitos dos males cotidianos, preferimos, em contrário, por comodismo ou indiferença, ficarmos inertes ou na posição de meros espectadores. E isso me fica bastante claro na passagem que cito, por pensar bem resume a obra: "... coitado de Santiago Nazar, morreu cruelmente sem saber o motivo, em meio a uma sociedade preconceituosa que não o ajudou, com exceção de alguns amigos."
comentários(0)comente



Emailson 17/05/2014

Um morte anunciada - Crônica
Crônica de uma morte anunciada – Gabriel García Marquez

A obra: crônica de uma morte anunciada, do já consagrado escritor colombiano Gabriel Garcia Marquez, é um romance de narrativa fantástica que mistura a descrição de estilo jornalístico com elementos de uma literatura sofisticada e sem compromissos com a linearidade temporal dos fatos. O fato trágico é anunciado no começo do livro e encerra o seu fim. A leitura da obra é instigante e nos leva a um microcosmo revelador e instigante. Os elementos naturais e os costumes do local, o modo como vivem, as crenças e hábitos ocupam um lugar de segundo plano na narrativa, mas completam a diegese provocada pelo augúrio funesto que é a morte do personagem principal (Santiago Nasar).

A morte anunciada de Santigo Nasar ocupa as linhas do romance e envolve o leitor em um conjunto de ações e testemunhos dos personagens que previam e sabiam do desejo dos irmãos vicário, que com as facas que matavam os porcos retalhariam Santiago para “recuperar” a honra da irmã supostamente perdida. Um crime de honra que não ficou a todo esclarecido. O destino trágico de Santiago Nasar é resultado de fatos e ações incompreendidas e pouco moralizantes. Qual o preço que se paga por nos deixarmos entregar e fazer parte de uma sociedade cheia de preconceitos e visões de uma moral falsa e pautada por princípios que facilmente se perdem na liquidez das regras e na irracionalidade dos homens?
O local da estória é um pequeno vilarejo mesclado por diferentes culturas e povos. Árabes, indígenas, africanos e espanhóis. A natureza é um dos elementos mais presentes na narrativa
comentários(0)comente



Henrique 08/05/2014

E como foi anunciada...
"Fatalidade, destino, o absurdo da existência humana." e mais uma vez o senhor Gabo me encanta com sua genialidade. não quero e nem vou me estender no assunto, até porque a experiência de entrar em contato com essa história sem a noção de que rumo ela tomará é simplesmente inigualável. livrinho fascinante que precisa ser lido! assim como na santa trindade distópica, esse aqui também possui críticas sociais muito pertinentes a qualquer época, sobretudo a atual da qual fazemos parte =) a escrita do autor é muito prazerosa e quando você percebe, já terminou o livro. mas a reflexão/sentimento permanecem por muito tempo (...) esse foi o meu terceiro contato com o GGMárquez (sendo o primeiro, o incrível Memória de minhas putas tristes -que é o meu favorito- e o segundo, Cem anos de solidão, que está em andamento há um bom tempo já. rs) leiamos, sim?! ;)
comentários(0)comente



Livretando 16/01/2014

Resenha: Crônicas de uma morte anunciada
O “spoiler” já é divulgado desde a primeira frase: “No dia em que o mataram, Santiago Nasar levantou-se às 5h30 da manhã [...]”. Mas o que tem esse livro pra que uma pessoa que é veemente contra descobrir o final de uma história antes do tempo, como eu, se apegue à leitura? Simples: Gabriel García Márquez.

Um destino inevitável, como sentenciado anteriormente, mas por motivos desconhecidos para o leitor. É a esse detalhe que García Márquez se apega, ele guia o expectador brilhantemente pela reconstituição dos fatos até chegar ao momento esperado. É como se, gradativamente, uma lâmpada fosse acendendo e a luz fosse aos poucos alcançando os mínimos detalhes de um cômodo e revelasse todas as peças que compõem o ambiente.

Admito que estava receoso com o meu primeiro contado com a escrita desse consagrado autor, bem como admito também estar sendo desafiador tentar descrever tal experiência. Só consigo pensar: foi diferente. Mas diferente de uma forma boa. A peculiaridade de García Márquez no trabalhar com as palavras prende o leitor, o fazendo querer mais, por mais simples que seja a trama.

Embora acredite não estar no “TOP 5” das obras escritas pelo autor, foi uma ótima experiência, responsável por atiçar ainda mais a minha vontade de ler mais algo escrito por ele. E acredito já ter uma escolha definida: “Cem anos de solidão”.

site: http://livretando.blogspot.com.br/2013/09/cronicas-de-uma-morte-anunciada-gabriel.html
comentários(0)comente



Christian 04/01/2014

Hilário!
"Essa é a grande aventura de Crônica de uma morte anunciada, a viagem através da memória coletiva e de como ela pode ser esquiva, ou até mesmo enganosa. É interessante ver como cada indivíduo ali se funde com a sociedade, ao ponto de atribuir a ela a responsabilidade pela ação, e a eximir-se dessa responsabilidade, até que no final ninguém faz qualquer coisa e a tragédia enfim acontece."

Leia mais em:

site: http://classicosuniversais.com/2013/06/17/cronica-de-uma-morte-anunciada/
comentários(0)comente



Psychobooks 30/11/2013

O primeiro contato que tive com o autor foi através do livro Cem Anos de Solidão, eu tinha 16 anos e não consegui passar da página 100. Acredito que todos temos 'momentos' de leitura e na época eu não estava preparada para aquele livro, nessa idade a maior parte da minha leitura (não obrigatória/teórica) era de livros policiais, terror e suspense. Hoje, depois de alguns anos, sinto que está na hora de dar mais uma chance para o autor e resolvi recomeçar com um livro mais curto e simples. Um dia eu volto ao Cem Anos de Solidão e tenho certeza que o lerei com outros olhos.

Enredo

Logo nas primeiras linhas somos informados que Santiago Nasar irá morrer naquele dia. Na noite anterior, o povoado do Caribe colombiano foi palco de um casamento grandioso dos jovens Bayardo San Román e Angela Vicario. O noivo não poupou dinheiro para a festa e todos os habitantes participaram do evento.

Na manhã seguinte, corre o boato que estão procurando Santiago para matá-lo, algumas pessoas não acreditam em tal fofoca, enquanto outros irão tentar avisar o rapaz de 21 anos, sem grande sucesso. O leitor só toma conhecimento dos motivos do assassinato e do envolvimento dos personagens no decorrer da história.

Narrativa

Não é segredo que Santiago irá morrer naquele dia, o autor prende o leitor às suas páginas com sua narrativa jornalística, seca, sem divagações. Contado sobre o ponto de vista de um personagem que após anos conversa com todos os envolvidos para tentar recriar as últimas horas de vida de Santiago. O cenário é bem descrito e faz com que o leitor sinta-se em um vilarejo à beira mar.

A história avança e retrocede no tempo, isso me deixou um pouco confusa nas primeiras páginas, mas logo me habituei à narrativa e mergulhei na leitura.

O autor consegue ser sucinto em suas palavras e ainda assim, eu consegui 'enxergar' nitidamente a beleza e ostentação da festa de casamento, bem como a morte e autópsia de Santiago. Eu acho sensacional quando o autor consegue me transportar inteiramente para o enredo do livro.

Personagens

Santiago tem 21 anos é filho de imigrantes árabes, rico, carismático, sempre carrega sua arma, mas é muito cauteloso em relação a isso, desde que houve um acidente há anos em casa com a arma do seu pai.
Bayardo San Román é o forasteiro, chegou ao vilarejo com muita pompa, por ser vaidoso muitos dizem ser afeminado, acredita que seu dinheiro pode comprar tudo o que deseja.

Ângela Vicario é uma jovem que foi criada para ser a esposa perfeita, sua família é conservadora e protetora. Ela não se apaixona por Bayardo, mas o fato de ele ser rico e carismático, conquista o apoio da família e a jovem se vê sem outra opção a não ser casar-se com ele. Ao longo dos anos ela cria uma resistência à mãe opressora que a queria ver morta em vida depois do desastre da noite de núpcias, mas Ângela não se deixa abater.

Os gêmeos Vicario não estão confortáveis com o que irão fazer, mas não lhes restou outra alternativa para que eles pudessem viver dignamente. Eles realmente acreditam que estão certos e convencem a todos do mesmo.

O personagem que mais me cativou foi o próprio narrador, que mesmo depois de tantos anos foi atrás da verdade. Admiro Ângela por seu crescimento e resistência ao longo dos anos, mas sua atitude quando jovem foi lamentável e eu diria que até um pouco egoísta ao subestimar a determinação de seus irmãos.

Concluindo

Finalmente posso dizer que sim, eu gostei de um livro do Gabo - já fiquei íntima do autor. Crônica de uma Morte Anunciada tem uma narrativa deliciosa, com momentos de tensão, questionamento e personagens marcantes. Leitura rápida e acredito ser um bom começo para quem quer conhecer o autor. Mal posso esperar para ler outra obra dele.

"No dia em que o matariam, Santiago Nasar levantou-se às 5h30min da manhã para esperar o navio em que chegava o Bispo."

site: http://www.psychobooks.com.br/
comentários(0)comente



Dose Literária 20/11/2013

Crônica de um sucesso anunciado!
Como o título já foi o spoiler, não hesito em avisar que há uma morte no livro! Mas isto é tão acessório! Tudo fica na habilidade do autor em te contar uma história – te climatizar.
Na receita para um bom romance, o ritmo tem que ser bom – e Marquez foi mestre neste livro. Dava para ter lido num fôlego só.
Livros também me interessam quando o personagem central é franco - verossímil, um destaque em alguma característica, mas aquela sensação de que não atingiu todo o seu potencial - como todos nós. Deve entregar-se a vida, seja ao desejo, ou a uma situação desafiadora – ambas aventuras que são como corredeiras: você embarca no fluxo das águas, mas não consegue controlar nada durante a viagem.

Continue lendo em...

site: http://www.doseliteraria.com.br/2013/11/cronica-de-um-sucesso-anunciado.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Pé de Cedro 13/11/2013

Crônica de um Sucesso Anunciado
Como o título já foi o spoiler, não hesito em avisar que há uma morte no livro! Mas isto é tão acessório! Tudo fica na habilidade do autor em te contar uma história – te climatizar.

Na receita para um bom romance, o ritmo tem que ser bom – e Marquez foi mestre neste livro. Dava para ter lido num fôlego só.Livros também me interessam quando o personagem central é franco - verossímel, um destaque em alguma característica, mas aquela sensação de que não atingiu todo o seu potencial - como todos nós. Deve entregar-se a vida, seja ao desejo, ou a uma situação desafiadora – ambas aventuras que são como corredeiras: você embarca no fluxo das águas, mas não consegue controlar nada durante a viagem.

Marquez nos mostra a irmandade entre os povos de origem latina. Ao longo do livro, compreendemos completamente e nos deliciamos com os detalhes das fofocas, versões, ambientes e intenções. Somos capazes de acompanhar a importância de cada relato. Será que leitores de outros continentes saboreiam este autor na mesma intensidade?
Vemos os anacronismos de nossa vida cotidiana, dos hábitos dos homens de beberem e irem a puteiros, parecendo independentes, mas tão manipuláveis. Das exigências das mulheres guardarem sua virgindade e cuidarem da roupa e da cozinha, mas definirem os destinos com base em sua trama de comentários e relacionamentos. Hábitos que permanecem no imaginário latino, mesmo após séculos de luta pela igualdade entre os gêneros. As vaidades, os símbolos de status, as diferenças sociais tão típicas de nosso continente estão explicitamente retratadas no povoado e personagens descritos na trama. Qual a receita que produziu as desigualdades sul-americanas? Como mitiga-las?

Frases selecionadas:

“ A única coisa que minha mãe censurava nelas era o costume de se pentear antes de dormir. “Meninas”, dizia-lhes, “Não se penteiem de noite que os navegantes se atrasam”. Exceto por isso, pensava que não havia filhas mais bem educadas. “São perfeitas”, ouvia-a dizer com frequência. “Qualquer homem será feliz com elas, porque foram criadas para sofrer.””

“Convenceram-na, enfim, que que a maioria dos homens chegava tão assustada na noite de núpcias que era incapaz de fazer qualquer coisa sem a ajuda da mulher e na hora da verdade não podia responder por seus próprios atos.”

“As luzes estavam apagadas, mas logo que entrei senti o cheiro de mulher morna e vi os olhos de leoparda insone na escuridão, e depois não voltei a saber de mim mesmo até que começaram a soar os sinos”

“Nasceu de novo. “Fiquei louca por ele”, disse-me, “louca de pedra.”, Bastava-lhe fechar os olhos para vê-lo, ouvia-o respirar no mar, o calor de seu corpo acordava-a à meia noite na cama.”

“Numa noite de bom humor, derramou o tinteiro sobre a carta terminada e em vez de rasga-la acrescentou num post-scriptum: “Como prova do meu amor, envio-lhe minhas lágrimas”
comentários(0)comente



Samara 04/08/2013

Assim que acabei de ler o livro o meu rosto era de horror.

Mas quando respirei após o fim, sorri.

O modo como Gabo escreve sobre o amor vindo de uma mulher é tão bonito, que vi uma rosa saindo no meio das vísceras do Santiago.

Tal como em "Memórias de minhas putas tristes", achei as imagens construídas bastante latinas! Não tem como não ver latinidades pois o autor sempre descreve aromas, o calor, essa angústia resignada... fora a realidade crua. Nunca há economia de termos nem pro lirismo nem pra crueldade. As imagens são belíssimas e você as reconhece de pronto comuns a você.

Apesar de não gostar da imagem das vísceras todas espalhadas no chão, consegui extrair amor daquele meio.

"Quem foi Santiago Nasar?
- Foi o meu autor".
comentários(0)comente



Fabi 04/08/2013

Parece novela
Não estou acostumada a escrita do autor. Foram muitos personagens, muitos nomes diferentes que me confundiam às vezes. Mas a leitura é rápida e atraente.
O livro é seco, quase uma pancada no estômago. Sabe quando você se depara o o título, acha o enredo interessante, começa a ler e vê que não há nada de outro mundo? O título é um mega resumo da orelha, que é um resumo da estória. Os personagens são be reais e comnfesso que fiquei com ódio da maldita Ângela Vicario.
Interessante.
comentários(0)comente



Barbara 03/08/2013

A construçao da historia é inteligente e chama atençao pela inovaçao na construçao narrativa. Com tudo, se vc é do tipo que n curte um linguajar mais seco, rude e detalhes realistas, vc n irá gostar dessa leitura, assim, como eu, por esse mptivo, n achei uma das melhores, mas acho q vale a pena a leitura pela inovaçao.
comentários(0)comente



63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5



logo skoob
"Rede Social Brasileira conquista os internautas"

30 Giga