Faça seu login para ter acesso a todo conteúdo, participe também do sorteio de cortesias diárias. É rápido e gratuito! :) Entrar
Login
Livros | Autores | Editoras | Grupos | Trocas | Cortesias

Os Miseráveis

Victor Hugo
Resenhas
Mais Gostaram
222 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |


Fábio Godoi 29/07/2011

“Enquanto sobre a terra houver ignorância e miséria, livros como este não serão inúteis”

Os Miseráveis é um romance de valor intangível do grande escritor Victor Hugo, expoente escritor, no que se refere ao realismo, nesta obra ele tira o véu da frente de nossos olhos e escruta a pobreza, a miséria, a exploração da criança, o abandono dos idosos. O horizonte que traz esse livro é de uma tristeza confrangedora e baça como uma mortalha, não mede esforços para dizer toda a verdade sobre a miséria, tudo que já sabemos, mas temos medo de admitir.

Entes que vivem na ignorância, nas trevas, sem a luz, ou seja, analfabetos, sem estudos, sem oportunidade, na última, ou melhor, debaixo da última camada social; é exposto nesta obra. Com uma descrição descomunal ele amálgama história, filosofia e geografia, incrustando uma história ímpar e singular de uma transformação completa de um forçado das galés.

Jean Valjean, protagonista, é condenado a cinco anos de trabalhos forçados, por roubar um pão, para alimentar sua família que morria de fome, o desespero levou ao ato criminoso. Todavia a injustiça de uma pena incomum, por um crime famélico criou um sentimento soez dentro de seu coração, o que levou a várias tentativas de fuga, aumentando em quatorze anos sua pena, no total, 19 anos nas galés por um pão roubado!

Vale salientar que as galés não é uma prisão comum é uns dos piores lugares onde um facínora poderia imaginar pagar seus crimes, para se te uma idéia, a Prisão de Guantánamo hoje seria férias na Disneylândia para esses condenados. Após cumprir sua lúgubre pena, Jean Valjean sai com um sentimento vil, querendo se vingar da torpe sociedade preconceituosa, pois agora seu passaporte é amarelo, ou seja, está marcado pelo opróbrio de ser um ex-forçado, Hugo mostra que a “liberdade não é estar solto, pode-se sair da prisão, mas não da condenação”.

Nesse ínterim, o Bispo de Digne, Charles-François-Bienvenu Myriel, lhe estendeu a mão, inimigo de qualquer preconceito, abre as portas de seu simples lar para Jean, no qual, foi recebido como uma pessoa “normal” ; arrumou a melhor cama e deu lhe de comer, tirando até mesmo da gaveta os talheres de prata, que somente usava para jantares com pessoas importantes.

A vida de Jean Valjean após conhecer o Bispo, Monsenhor Bienvenu, nunca mais será a mesma, a partir desse ponto sua transformação ocorrerá, o primeiro passo é criar uma consciência. Poderemos acreditar que um ex-forçado das galés, prisioneiro violento de alta periculosidade, possa de espontânea vontade mudar para o bem? O Bispo conseguirá resgatar a alma que está enveredada no caminho do mal? Essas respostas são apenas alguns fatos que vocês saberão ao deglutir está obra.

Raskolnikov em Crime e Castigo foi perseguido pela policia, sondado, pesquisado, enfim escrutado; todavia a perseguição que Jean Valjean sofreu nas mãos do incansável Javert, é inverossímil, também no livro é citado o famigerado Pierre François Lacenaire, que foi a inspiração para a obra de Dostoiévski.

Vários personagens complexos, gírias, bandido com voz de ventríloquo, reuniões subversivas, injustiça, preconceito, morte, miséria, risos mefistofélicos, turba germinal, gritos hediondos, criaturas famélicas explodem em cada página. Não espere encontrar jocosidades, obra tétrica!


[fabio9430@gmail.com]
juliablack 29/08/2013minha estante
que resenha!!nunca li nenhuma resenha tão eloquente quanto a tua. Tem o dom da escrita sem duvida.
vi o filme recentemente e não consigo deixar de pensar na obra. É minha próxima leitura pois preciso mais do que ver retratado nas tela é ler o que o autor escreveu. Ainda que a realidade retratada seja nua e crua.Sem subterfúgios.
tuas palavras são mais um incentivo para ler essa obra..abraços!


ray 26/03/2013minha estante
Gostei muito tenho um trabalho e a resenha me ajudo muito valeu


Brunna 16/02/2013minha estante
Olá tenho que fazer um trabalho,onde tenho que fazer uma resenha do Filme os Miseráveis,essa resenha serve? Assim não vou copiar tudo,vou tentar pelo menos mudar um pouco,vou ver uma parte do filme,pra arrumar,mais o trabalho é pra depois de amanhã então eu nem vou ter tempo pra ficar fazendo resenha,pois vou sair,vc recomendaria essa resenha? Ou o que fala no filme,é diferente do que fala no livro?


Fábio Godoi 16/01/2013minha estante
Muito obrigado Wylerson, fico feliz por suas palavras e seja bem vindo, aqui nós aprendemos muito a cada dia, trocar informações de nosso interesse é sempre um aprendizado contínuo.


Wylerson 15/01/2013minha estante
Entrei hoje nesta rede social, indicada por uma amiga, sendo este o primeiro título que procurei (por ser minha preferida obra de arte literária) e, para minha surpresa, no meu derradeiro primeiro contato já me deparo com esta que confesso ser, singela e sinceramente, a melhor resenha que eu já li sobre esta obra em todo meu tempo de vida. Parabéns, 'Fabinho', salvas orquestrais para vc, já me fizeste gostar do site. =)


Fábio Godoi 18/12/2012minha estante
Obrigado, Gustavo, mas pode ter certeza que as obras são melhores hihihi


Gustavo 15/12/2012minha estante
Rapaz suas resenhas são muito boas! Espero que as obras (indicadas por ti) sejam assim tão cativantes e eloquentes como a maneira de que você as redige. Show de bola!Continue assim! =)


Fábio Godoi 18/01/2012minha estante
Obrigado :)


Gláucia 19/04/2011minha estante
Nossa, você resumiu o obra de forma magistral, adorei os adjetivos.




Figuera 20/04/2010

Melhor livro de todos os tempos
Não há palavras para descrever esse que é, para mim, o melhor livro de romance de todos os tempos.

Quando fui escolher a nota desse livro enfrentei um grave dilema, dar-lhe somente a nota máxima seria compara-lo a vários outros livros (que também gosto muito) que também tinham recebido a mesma nota, ao notar esse fato só uma solução me veio a mente, e sem medo a tomei, diminui a nota de TODOS os outros livro, para que esse livro reinasse soberano em mim estante.

Talvez algum outro dia de minha vida eu seja agraciado com outra obra de comparável magnificência.

Mas não se engane, como todo grande livro, esse não é um livro de fácil leitura, há inúmeras pausas para grandes reflexões politicas e religiosas, que muitas vezes podem quebrar o ritmo de leitura do romance, porém esse não é de forma alguma um ponto negativo do livro, se o leitor souber parar e refletir junto com Victor Hugo irá aprender muita coisa, e certamente será ao fim da leitura um ser humano melhor.
Cah 23/05/2011minha estante
Eu ja li a versão adaptada e amei!!
Lóogico que falo da história, porque a linguagem é fácil e confesso que adoro um livro com linguagem mais dificil!
Beijoss
http://emocoesempaginas.blogspot.com/


André 20/05/2011minha estante
Pode crer que vale a pena cada página!




Jayme 14/03/2013

É um livro que trata de vários temas referentes a questões morais. Trata também questões sentimentais e principalmente fala sobre as injustiças sociais.

Os Miseráveis tem altos e baixos, mas conta a história através de anos de personagens da França do século XIX. O livro gira em torno de Jean Valjean, um homem preso por 19 anos por roubar um pão para salvar a vida de seu sobrinho, que é colocado em liberdade condicional, mas continua sendo perseguido pelo Capitão Javert através dos anos e mostrando eventos como os motins de 1832 e se envolvendo com uma série de outros personagens ao longo desse período. Uma jornada de sofrimento, amor, idealismo e redenção.

Dei uma resumida no enredo, o que é quase um sacrilégio com a obra de Hugo, mas necessário.

Um dos livros mais densos que já tive a oportunidade de ler.
Arsenio Meira 24/01/2014minha estante
Eu fico com uma fissura pra reler... O problema é os que já estão na estante. Bom resumo, Jayme. É, sem dúvida, "Uma jornada de sofrimento, amor, idealismo e redenção.", como vc bem frisou.


J@n 16/04/2013minha estante
Este livro é maravilhoso!




Bruno Gaspari 22/05/2010

Li certa vez alguém dizer que nas 1500 páginas d’Os Miseráveis havia um livro excepcional de 600 páginas. E, realmente, não é algo sem fundamento. Em meio à história do livro há imensas descrições políticas, sociais e históricas que, mesmo tendo ligações indiretas com o enredo principal, funcionaram pra mim como um balde de água fria em determinados momentos. Apesar de serem capítulos relevantes para a imersão na sociedade descrita no livro, alguns dessas longas passagens descritivas podem se tornar simplesmente insuportáveis para aqueles que querem saber o que acontece após determinado acontecimento, mas que precisam lidar com dezenas de páginas de informações bastante densas e, muitas vezes, jogadas ao leitor.

As longas descrições que ele dedica aos personagens também podem ser um incômodo em determinados momentos. Para descrever Myriel, ele dedica 60 páginas, onde TODAS as características desse personagem são destrinchadas ao leitor: onde vivia, no que acreditava, quem vivia com ele, como as contas de sua casa eram administradas, qual a opinião da sociedade sobre ele, etc. Isso enriquece o perfil do personagem, mas torna-se longo demais tendo em vista que a mensagem principal dessa descrição, que aliás é constantemente relembrada pelo autor durante todo o capítulo, é que Monsieur Myriel era um homem muito bom e caridoso. No volume 1 o capítulo que representa melhor a imensidão descritiva um tanto desnecessária é aquele que ele fala sobre um convento. Todas aquelas páginas podem agradar por tratar de um retrato bastante acurado de uma vida enclausurada daquelas freiras, mas o momento e a duração foram bastante frustrantes para mim.

A parte em que ele conta sobre determinado ano, dedica umas 4 páginas com 2 ou 3 parágrafos imensos de nomes e datas para depois dizer que nada daquilo seria tratado no livro. Esse tipo de situação acontece algumas vezes durante todo o livro, como no caso de Waterloo, onde as dezenas de páginas descrevendo as questões da guerra são um acessório para o que realmente importava: o encontro de dois personagens, que acontece nos parágrafos finais do capítulo. Ele também descreve coadjuvantes obscuros com riqueza de detalhes. Então, quem não gosta de livros muito descritivos, fique longe d’Os Miseráveis.

No entanto, os personagens são simplesmente fabulosos. Jean Valjean, Cosette, Fantine, Marius, Thénardier… Todos são inesquecíveis e valem a leitura e a persistência. A história e seus personagens estão entre os melhores que eu li até hoje. O livro merece as 5 estrelas, mesmo com tudo o que me incomodou, pois ele consegue, apesar de ser cansativo, não fazer o leitor deixar de pensar nas situações que foram apresentadas e querer saber o que acontece em seguida. É claramente um épico e merece ser lido, pois mesmo escrito há mais de 100 anos, ainda é extremamente atual e ainda retrata muito bem a civilização em que vivemos.

comentários(0)comente



U.F. 24601 15/12/2010

Não roube um pão!
Este livro, ou melhor, está obra de arte, pois é a palavra que melhor se aproxima do sentido, do peso, do glamour destas letras, destas palavras, destas frases, destes parágrafos, destes ensinamentos (nada novo atualmente), mas abre nossos olhos; Um livro triste, lúgubre, mas o que é pior, tudo que está aqui, há anos, acontece hoje, e acontecerá amanhã, ou seja, é uma história que você conhece, mas com outros nomes os personagens, mas na vida real, o que nos deixa mais entristecidos.

Raskolnikov em “Crime e Castigo” foi perseguido pela policia, sondado, pesquisado, enfim escrutado; todavia a perseguição que Jean Valjean sofreu nas mãos do incansável Javert, é inverossímil, também no livro é citado o famigerado Pierre François Lacenaire, que foi a inspiração para Crime e Castigo

Outra personagem marcante é Cosette, como sofria essa pobre garota, e quantas hoje, quantas meninas, quantas crianças sofrem nas mãos dos pais, nas mãos de estranhos. Quando isso vai acabar? Como diz o Prefácio: “(...) enquanto sobre a terra houver ignorância e miséria, livros como este não serão inúteis”

[Resenha somente levando em conta o volume I]
Manini 19/06/2012minha estante
Ei vi em uma livraria uma nova edição a com 1280 páginas, dizem que a linguagem é mais facil, perderia por ler uma obra sim ou necessáriamente tenho que ler as edições mais antigas?




222 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |



Publicidade


logo skoob beta
"Uma ferramenta como essa pode certamente ser usada por professores para incentivar a leitura."

Jornal do Brasil