Faça seu login para ter acesso a todo conteúdo, participe também do sorteio de cortesias diárias. É rápido e gratuito! :) Entrar
Login
Livros | Autores | Editoras | Grupos | Trocas | Cortesias

Mundialização e Cultura

Renato Ortiz
Resenhas
Recentes
1 encontrados | exibindo 1 a 1


Lorena Morais 09/12/2010

Como pensar território na sociedade-mundo moderna?
O livro propõe a ideia de existência de processos em escala global que ultrapassam grupos, classes sociais e nações - o que muitos sugerem de sociedade global. O autor pensa numa sociedade mundializada em que os indivíduos estão interligados. A sociedade-mundo penetra no cotidiano e elementos culturais terminam por se revelar ao longo do texto, participando do processo de reorganização da sociedade.

Para compreender o processo de Mundialização e Cultura de Ortiz é necessário que o leitor se desprenda das heranças culturais que vivencia e pense o movimento global em sua integridade.
O autor trata da temática cultural no contexto da emergência de uma sociedade global, trabalhando de forma coerente e privilegia aspectos referentes à sociedade de consumo, por merecer uma posição de destaque e definir – segundo Ortiz – noções legítimas de comportamento e valores, já que são expressões da contemporaneidade.

A leitura demonstra um domínio literário na sociologia, antropologia, ciência política, história e filosofia. Assim, permite compreender a humanidade como um conjunto, uma soma de identidades particulares, produzindo assim o surgimento do Estado-nação, de territorialidades homogêneas, providas de identidades políticas, econômicas e culturais: as nacionalidades. Produto recente da sociedade, as nações foram construídas através de símbolos nacionais (como bandeiras e hinos) e da própria língua. A partir dessa vertente, Ortiz entra também no conceito de aldeia global, busca diferenciar o processo de globalização de internacionalização, mundialização, trabalha a tradição no mundo hoje, industrialização, consumo, entre outros e toca em um referencial para pensar a sociedade-mundo da modernidade: o processo de desterritorialização.

As ciências sociais estariam calcadas em um modelo territorializado para se pensar a sociedade – que seriam os mapas culturais. Porém, pensar a construção de uma cultura contemporânea e uma sociedade global implica pensar na desterritorialização. O homem é agora cidadão mundial; os alimentos não pertencem mais a uma determinada região, perdem seu território, sua centralidade para ganhar escala mundial através da distribuição – Ortiz cita o exemplo da dimensão que a Mc’Donalds tomou, reformulando moldes no padrão alimentar em todo o mundo -; a língua perde seu território e torna-se padrão mundial, em especial o inglês. A modernidade é um dos princípios que facilita essa mobilidade, passando a ser uma ideologia.
Os meios de comunicação também são responsáveis por favorecer o desencaixe. O circuito desterritorializado proporciona uma comunicação-mundo que não particulariza nações ou locais.

A linguagem utilizada pelo autor proporciona reflexões, convidando o leitor ao diálogo. Quando Ortiz lança a hipótese sobre a emergência da sociedade global, inicia um patamar de raciocínio de forte caráter evolucionista, que ficaria simplificada no seguinte modo: "para que surja a sociedade global, as sociedades nacionais devem desaparecer". Como comprovar essa hipótese? Através da análise da literatura sobre e para administradores e empresários globais: o mercado agora é o mundo, as tradições culturais locais se encontram num espaço desterritorializado com a tradição cultural moderna da civilização: a sociedade global se faz com as diferenças locais.

O que de fato surpreende nesse processo de globalização em que vivemos é que as nações e nacionalidades ainda insistam no convívio com as tradições locais e fundamentalismos. Ainda vivem de autodefinições conforme o local onde se encontram.
Manter essas tradições nacionais num mercado global que focaliza a produção não se processa em direção a uma globalização da cultura empresarial. É preciso se desvencilhar da idéia de território, somos uma sociedade-mundo sem mapa, sem espaço.

O livro de Ortiz, através das colocações que ele propõe, cria expectativas de que as clássicas nacionalidades territoriais venham a realizar-se cada vez mais interdisciplinarmente. Que assim resulte em pesquisas baseada em experiências e raciocínios que consigam romper barreiras que até então separam campos opostos.

Mundialização e Cultura diz respeito as identidades sociais e trabalha principalmente a sociedades nacionais dentro do contexto de globalização, da sociedade-mundo.
comentários(0)comente



1 encontrados | exibindo 1 a 1



Publicidade


logo skoob beta
"O encontro dos livros com a web"

Ministério da Cultura