Capitães da Areia


4.12119 16941



Resenhas - Capitães da Areia


384 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Ana 25/01/2015

A Fuvest gosta. Nós também.
Pela primeira vez decidi abandonar minha convicção de não escrever resenhas sobre livros de vestibulares, e incentivar todos a lerem Capitães da Areia. Não porque a FUVEST demanda, mas por interesse próprio.
Nada contra livros de vestibular, também - Apesar de serem muitas vezes chatos e entediantes, reconheço que todos são importantes e significativos (é...). Mas Capitães da Areia ultrapassa esse grupo: ele realmente entretém o leitor, o prende à sua narrativa e o diverte durante todo o livro. Seus personagens são cativantes, e sua mensagem principal não tem dificuldade em sair das páginas e ir direto à alma do leitor (e de lá, ao teste da Fuvs, claro).
Capitães da Areia é, inclusive, um alívio para os estudantes, que após muito do ego de Almeida Garret, se deparam com uma leitura simples, cativante, quase como um oasis no deserto do desinteresse e tédio.
E se Jorge Amado não é o queridinho de muitos, você com certeza é o queridinho dele, já que o escritor tão generosamente nos presenteia com um final não-tão trágico, como geralmente têm seus companheiros de lista.

O fato é que Capitães é um livro bom com ou sem a aprovação da Fuvest. Ou seja, tanto os estudantes de agora, quanto os que já não se preocupam mais com o vestibular, devem lê-lo. Afinal, quem, depois de ler Capitães, não sentiu uma vontade enorme de explorar sua cidade natal? Guiar um amigo por um atalho pouco conhecido e sentir-se como Pedro Bala - conhecendo a cidade como a palma de sua mão?
comentários(0)comente



Lua 16/01/2015

Capitães da Areia
Um rasgo de deslumbre, em uma realidade sombria.

site: https://www.youtube.com/watch?v=F4dCXkIwHNU
comentários(0)comente



TheChicoBiel 17/12/2014

Ótima leitura
Este é um livro realmente maravilhoso, mostrando uma realidade verdadeira e crua. Você se sente envolvido com a vida de cada uma das personagens. Acompanhei as "aventuras" dessas crianças com um desejo de 'tomara que não aconteça nada de ruim com elas'. Ótimas descrições de cenas do Jorge Amado, apesar de ter uma pequena parte onde eu me senti obrigado a ler por que estava ficando monótono, isso até a chegada de Dora, que realmente foi uma surpresa. Mas em geral, digo que o livro é demais, ótima leitura para qualquer brasileiro interessado em literatura.
comentários(0)comente



Marcola 15/12/2014

Um poquinho de nós em cada capitão.
Este é o quarto livro que leio de Jorge Amado. E cada vez mais compreendo o motivo da sua fama, que extrapola as fronteiras da Bahia e do Brasil. Jorge Amado tem o incrível poder de humanizar os personagens que são mal vistos na sociedade. Fazendo com que eu me apegue a personagens com princípios e estilo de vida tão diferentes dos meus. Com certeza eu olharia com raiva, ódio ou remorso qualquer um dos Capitães da Areia se eles comigo convivessem. Mas por conhecer o outro lado desta vida sofrida de menino de rua hoje tenho uma visão diferente. Por isso posso dizer com toda vontade que este livro mudou minha vida.
Depois de ter conhecido "Ilhéus" na época áurea do cacau, o Pelourinho e toda vida noturna de Salvador, conhecei a parte mais obscura da Bahia e todo o sofrimento dos pobres.
Sempre que resenho e avalio um livro analiso os seus personagens. "Capitães da Areia" tem muitos personagens maravilhosos. Gato com suas peripécias amorosas e seu jeito malandro de andar e agir. Vida Seca e seu fascínio por Lampião e seus comparsas. O ódio imenso de Sem Pernas com o mundo que sempre lhe negou um carinho apenas por ser deficiente e pobre. A vida divida entre a Igreja e os furtos de Pirulito.
Os que mais me tocaram foram os principais, Dora com seu jeito de mãe em corpo de menina, conseguiu conquistar todos as crianças com seu carisma, e deixou uma marca profunda no coração de Pedro Bala, líder do grupo que mesmo sem estudo soube liderar um bando de moleques, e que batalhou até o fim pelo bem de seus companheiros. E por último Professor um menino simples mas de grande inteligência mas que nunca teve uma oportunidade na vida. Cada um desses capitães mostra um pouquinho de nós brasileiros, que sabemos rir e batalhar na dificuldade cada vez maior que é morar em nosso país.
comentários(0)comente



AmadosLivros 22/11/2014

Resenha no blog Amados Livros
Não deixe de conferir nossa opinião sobre este livro no nosso blog! E lá também tem muitos outros livros legais! Dê uma passadinha lá! ;D
Link no final da postagem! ;]

site: http://amadoslivros.blogspot.com.br/2012/11/capitaes-da-areia.html
comentários(0)comente



Letícia 18/11/2014

Análise do livro Capitães de Areia, por Letícia Vieira
Análise postada como Colaboradora do blog Diário dos Treze! ;)

site: http://diariodostreze.blogspot.com.br/2014/11/livro-analise-do-livro-capitaes-da.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente

Math 07/05/2012minha estante
Tem um SPOILER na sua "resenha"!




Laris 07/11/2014

Capitães de Areia (Dom Quixote, 2013, 272 páginas) de Jorge Amado é um romance que foi escrito em 1937, o que para falar a verdade, não faz a menor diferença: é um livro que, infelizmente, é completamente atual.

O livro conta a história meninos com idade entre nove e dezesseis anos, habitantes das ruínas de um velho armazém no cais do porto e que sobrevivem realizando assaltos pela cidade de Salvador. Ao longo das páginas o autor nos apresenta seus personagens: Pedro Bala, um menino de quinze anos líder do grupo, responsável pela proteção dos garotos e sem dúvida muito esperto em planejar os assaltos; um professor chamado João José que lê para os garotos analfabetos e muito amigo de Pedro Bala, sendo muitas vezes um conselheiro sábio para Pedro Bala; Gato, um garoto malandro que consegue realizar suas proezas; Sem-pernas, o garoto manco que usa sua deficiência e aparente problema para encontrar suas "soluções" servindo-se de espião e se fingindo órfão desamparado; João Grande, conhecido por todos como o 'forte e corajoso'; Querido-de-Deus, um capoeirista sem igual, Pirulito, Dora, Zé Fuinha e alguns outros.

Um fato importante no livro é quando surge uma doença chamada Alastrim, que se espalha pela Bahia matando muita gente pobre, porque os ricos tomaram a vacina e se livraram. Alguns capitães da areia morrem e o destino faz com que Dora e Zé Fuinha se juntem ao bando, porque a mãe deles morrera da doença e os dois irmãos que já não tinha mais pai também saíram à procura de emprego, mas sem sucesso, ninguém queria dar emprego para crianças que tiveram contato com alguém contaminado com o Alastrim. Um dia, João Grande e Professor acham os dois e os leva para o trapiche, o que causa um grande escândalo, pois só viviam garotos lá e de repente, chega Dora, que é aceita depois de muita conversa.

Os garotos vão crescendo e Jorge Amado vai desenrolando o que vai acontecendo com cada um, o destino separado de todos, alguns previsíveis, outros não. Cada menino tinha um desejo forte quando criança e ao final descobrimos as realizações e deslizes do futuro. Como disse no início esse é um livro que apesar de datar o ano de 1937 tem uma temática totalmente atual. Portanto, não tentemos fugir dos nossos problemas, não tentemos achar que tudo é belo, e que os assuntos abordados nessa obra não passam de mera ficção, porque acredite, todos sabemos que isso é real. Há menores abandonados, chamados de "Capitães da Areia", não só na Salvador dos anos 30 da obra de Jorge Amado, mas em todos os lugares. E não podemos fechar os olhos, é preciso discutir assuntos como esse, buscar soluções, mas primeiro é preciso tentar entendê-los, e Capitães da Areia é um ótimo começo.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Marina E. 25/10/2014

Maravilhosamente real
Nunca pensei que um dia eu ia gostar de ler os clássicos da literatura, mas depois de ler O cortiço peguei gosto por esses maravilhosos livros.
Capitães de Areia me fez chorar em diversas partes,me fez refletir e também me colocar no lugar daqueles jovens. De certa forma essa obra me deixou apaixonada e agora é um dos meus bebês
comentários(0)comente



Adriano Assis 22/10/2014

Infâncias roubadas
Um grupo de crianças conhecidos como Capitães de Areia toma a cidade de Salvador de roubos e furtos.
Lançado na década de 30 mostra mostra o abandono das crianças carentes no Brasil do estado novo. Um livro atual, já que o abandono e tratamento para com as crianças abandonadas não mudou nada de lá para cá.

site: http://adrianoassiscosta.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Flávia 11/10/2014

Pedro Bala, Volta Seca, Professor, Gato, Sem-Pernas, João Grande, Querido-de-Deus, Pirulito, Dora, caboclo Raimundo são alguns dos personagens que encontramos nesse incrível livro escrito por Jorge Amado, publicado em 1937.

Naquela época, ou nos anos 1930, o Brasil vivia uma luta de classes marcada pela ascensão ao poder de Getúlio Vargas, buscando a mudança social e isso se refletia também na literatura com muita profundidade com o objetivo de promover mudanças.

O livro Capitães da Areia narra a história de um grupo de meninos de rua que viviam num armazém abandonado perto da praia, denominado trapiche, um lugar que eles chamavam de "lar" e lá criaram suas próprias regras e procuravam viver como uma "família", com lealdade, mas principalmente exercendo a liberdade, apesar das circunstâncias. Eles foram abandonados pela família e marginalizados pela sociedade e aterrorizavam a cidade de Salvador, sendo que somente o padre José Pedro conseguia aproximar-se deles. Naquele momento, Salvador estava sendo acometida por uma epidemia de varíola e a doença acabou matando um dos meninos.

O livro é divido em 3 partes: Sob a lua, um velho trapiche abandonado; Noite da Grande Paz, da Grande Paz dos seus Olhos; Canção da Bahia, Canção da Liberdade, narrando histórias dos principais integrantes desse grupo, que era enorme, aproximadamente 100 meninos. A polícia os perseguia, como se estivessem perseguindo verdadeiros bandidos para levarem-nos para reformatórios, que na maioria das vezes ofereciam condições sub-humanas além de muitas crueldades.

Podemos deduzir, com esses relatos, que os meninos passaram por situações muito difíceis, por viverem perambulando pelas ruas e num determinado momento envolvem-se com um carrossel mambembe que chegou à cidade e alguns deles começaram a exercer o direito de serem crianças apesar das condições duras de sua realidade.

Contudo, o livro também narra uma história de amor nascida nesse ambiente, entre Dora, que se torna a nova capitã-da-areia e o líder Pedro Bala, mas não foi tão simples e nem tão belo assim.

Por fim, a história mostra como o grupo vai se desintegrando com mortes, mudança de "endereço" e acontecimentos surpreendentes.

Leiam Capitães da Areia. O livro que marca a primeira fase na escrita de Jorge Amado com uma visível preocupação social, com críticas ao clero, a burguesia, também aborda o Comunismo e perceba que do ponto de vista político e social, o Brasil não mudou em nada seu tratamento aos pobres e desvalidos, aqueles que não tem suas dores e seus medos escutados e por isso vivem à margem da sociedade.
comentários(0)comente



Nara Francini 11/10/2014

Ainda atual
Apesar de ter sido publicado em 1937 o livro continua atual tratando de um assunto crônico nas grandes cidades. A linguagem é super simples a ponto de conseguir ler em menos de uma semana. A descrição dos personagens é suficiente para você poder poder imaginar esses meninos na vida real.
Um dos vários aspectos legais desses livro é que ao mesmo tempo que fala dos capitães como se fosse um dos meninos, o autor também mostra como as pessoas de fora veem essas crianças através de reportagens de jornais e alguns personagens. Além disso, trás a evolução dos meninos pela adolescência e também mescla alguns acontecimentos históricos com a história como o surto de varíola.
Leitura fundamental!!
comentários(0)comente



Deh Rangel 28/09/2014

Jorge Amado, muito amado
"A liberdade é como o sol: o bem maior do mundo."

Absolutamente (e ao mesmo tempo infelizmente) maravilhoso!
Pequenas mudanças nas expressões utilizadas por Jorge Amado transformariam essa obra de 1937 numa história bem realística sobre meninos de rua de 2014. Dando um celular na mão desses meninos e incluindo um ou outro crime mais sério, temos uma matéria do jornal desse domingo. É nessa atualidade que está a maravilhosa tristeza desse livro.

Pouco ou nada mudou desde o lançamento dessa obra. O descaso das autoridades em relação às crianças que vivem nas ruas, os preconceitos em torno delas e o esquecimento de que elas têm necessidades, tais como amor e carinho, como qualquer outra criança estão ainda fortemente presentes. E não é aí que para a surpreendentemente incômoda semelhança com a atualidade. Nesse livro, Jorge Amado também mostra como a Igreja era (é) utilizada para amedrontar as pessoas, condenando e ameaçando os homossexuais, por exemplo. Fala ainda da eterna luta do homem pela liberdade de se expressar e exigir seus direitos.

Nesse contexto vivem os meninos de Capitães da Areia, que o autor faz questão de nos lembrar o tempo todo que se tratam de crianças, uma vez que suas atitudes, tomadas pelas circunstâncias em que vivem, lembram as de adultos. Eu mesma precisei dessas constantes lembranças.

De modo tocante e emocionante, o leitor fica preso do começo ao fim à expectativa do destino de cada personagem, destino esse que, como em toda boa obra dramática, não é sempre feliz.
comentários(0)comente



Jef 26/09/2014

Ótimo livro
O melhor livro nacional que tinha lido até então era O Triste fim de Policarpo Quaresma(recomendo), pela entrega e a loucura dele personagem pelo país.
Então comecei a ler Capitães da Areia, fiquei impressionado com a história já no 3° capitulo, conforme o autor vai nos mostrando os meninos: Pedro Bala, Pirulito, Volta Seca, Gato, Sem-Pernas, João Grande, Boa-Vida e Professor
Não tem como não ficar fissurado nessa história, me pergunto como uma história tão simples pode ser tão genial, Jorge Amado nos descreve com uma simplicidade e em vários momentos inocência a dura vida que eles tem no Trapiche.
Esse livro nos mostra muita coisa,lealdade que um tem pará com o outro, amizade e a dura realidade do nosso país.
comentários(0)comente



384 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |



logo skoob
"É maravilhoso fazer amigos por meio dos livros, sejam eles Harry Potter, Zibia Gasparetto ou Cortázar."

JB Online