71 contos

71 contos Primo Levi


Compartilhe


71 contos (Coleção Listrada)





Os contos dos três livros reunidos neste volume transitam entre o realismo fantástico e o relato autobiográfico, o humor fulminante e o comentário social. Da mesma coleção que já publicou coletâneas de Rubem Fonseca, F. Scott Fitzgerald e Isaac B. Singer, além de uma compilação de contos fantásticos, organizada por Italo Calvino.

Depois de se tornar mundialmente famoso com os livros É isto um homem? (1947) e A trégua (1963), nos quais denunciava as atrocidades que viveu nos campos de concentração nazistas, Primo Levi surpreendeu seus leitores ao publicar, em 1966, o volume de contos intitulado Histórias naturais. Sob o pseudônimo de Damiano Malabaila, o escritor italiano passava da literatura de testemunho para o campo da ficção científica e do conto fantástico, rompendo o pacto autobiográfico dos dois primeiros livros.

Em 1971, Levi lançou - dessa vez sem recorrer ao pseudônimo - nova coletânea de contos, que desenvolviam alguns temas do volume anterior. Vício de forma veio confirmá-lo como um dos principais escritores da segunda metade do século XX, além de reforçar o aspecto mais propriamente ficcional de sua obra.

Finalmente, em 1981, Levi publicou o seu terceiro livro de contos, Lilith, dessa vez entremeando narrativas fantásticas e relatos autobiográficos, como se quisesse reiterar que as duas coisas andavam juntas e se complementavam. De fato, o sobrevivente de Auschwitz usa a imaginação para sondar as perspectivas deste mundo: a possibilidade de um colapso ambiental, a mercantilização total da vida, a mistura entre corpo e máquina, a emergência da realidade virtual, a indistinção entre humano e não-humano.

Contos / Ficção / Literatura Estrangeira

Edições (1)

ver mais
71 contos

Similares

(14) ver mais
Estilhaços de Inspirações
Contos de amor do século XIX
A lista de Schindler
A Vigésima Quinta Hora

Resenhas para 71 contos (3)

ver mais
A Melhor Ficção Científica
on 31/8/16


Primo Levi usava o futurismo não apenas como um cenário, mas também como um gerador de contextos muito produtivos para a filosofia do indivíduo e da sociedade. Seus contos tratam da natureza humana atemporal, falam das pessoas do futuro imaginado com a mesma incisão que Tchékov analisava a sociedade russa no final do czarismo. Não bastasse isso, Primo Levi era também um mestre das ciências naturais, em particular a química. Isso trouxe para os seus contos futuristas um detalhismo infal... leia mais

Estatísticas

Desejam115
Trocam1
Avaliações 4.2 / 41
5
ranking 39
39%
4
ranking 46
46%
3
ranking 12
12%
2
ranking 2
2%
1
ranking 0
0%

39%

61%

eduardacs
cadastrou em:
07/01/2009 23:36:03
Alê | @alexandrejjr
editou em:
15/05/2022 01:49:00

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR