A Cidade Sitiada

A Cidade Sitiada Clarice Lispector


Compartilhe


A Cidade Sitiada





Em 1971, Clarice Lispector disse ao jornal Correio da Manhã que A cidade sitiada, de 1949, foi seu livro mais difícil de escrever. Talvez porque, na história de Lucrécia Neves, o talento de Clarice tenha levado à perfeição o paradoxo de desumanizar ao máximo seus personagens para torná-los visceralmente humanos. A simplória Lucrécia, de A cidade sitiada, docemente desprovida de raciocínio e/ou de consciência, é alma gêmea de Macabéa, que muitos já viram na versão cinematográfica A hora da estrela. Lucrécia é apenas o que ela vê: os cavalos a esmo na suburbana cidade natal de São Geraldo, o morro do Pasto, o armazém, o sol sem vento da tarde.



Lucrécia portanto era São Geraldo. Sua alma, suas emoções eram o tédio do subúrbio. Ela tinha um vago desejo de se casar e, por isto, passeava com o tenente Felipe, do qual gostava da farda militar, mas ele não gostava de São Geraldo, logo não gostaria de Lucrécia. Saía com Perceu Maria, que desprezava talvez por ser atônito e vazio como ela. Mas nenhum dos dois a pedia em casamento e, quando a agonia do coração de Lucrécia batia em descompasso com a modorra da cidade, ela sonhava com um baile. Um baile com música e danças seria a salvação.



Por pura catatonia, restou a Lucrécia o casamento com Mateus Correia, comerciante rico e bem mais velho, por iniciativa da mãe, Ana, à qual não oferecera entusiasmo ou resistência. Esta era a marca da relação de Lucrécia com a mãe e com o mundo: – O meu passarinho fica mais bonito na prateleira de cima da cristaleira. Vê-se muito mais, hem, menina – dizia Ana, em seu mais denso diálogo de uma tarde muda.



Mas era apenas um modo de ver; e nada mais, pensava Lucrécia, sem saber que pensava e tampouco o que era o pensamento. Às vezes tinha rasgos perceptivos que expressava em um "Mamãe, como nossa vida é triste". A ação de Lucrécia é sitiada por algo misterioso que a faz seguir a vida "apenas vendo". E sua história é uma colagem de contos que a autora transforma em capítulos em cronológica seqüência. Depois do casamento, Lucrécia continuou a ver diariamente o movimento do trânsito, da construção de um viaduto, das aranhas fazendo suas teias, os mosquitos. Via o marido e suas preocupações domésticas. Amava-o? Depois da morte de Mateus, Lucrécia, menos sitiada mas ainda não liberta, vai em busca de um homem de bom coração. Mas para ela o amor era difícil. Ela não o via e, portanto, não sabia o que era o amor.

Literatura Brasileira / Romance / Ficção

Edições (7)

ver mais
A cidade sitiada
A Cidade Sitiada
A Cidade Sitiada
A Cidade Sitiada

Similares

(12) ver mais
O céu é logo ali
O Lustre
Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres
Água viva

Resenhas para A Cidade Sitiada (9)

ver mais
on 11/1/15


Penso que não poderei avaliar este livro até que tenha lido algum outro da Clarice Lispector, porque nunca encontrei nada parecido e nem suspeitava que existisse. Lê-lo foi como descobrir uma nova cor primária, que agora meus olhos conseguem ver em tudo. ... leia mais

Vídeos A Cidade Sitiada (1)

ver mais
PROJETO DE LEITURA | Centenário de Clarice Lispector #Clarice100

PROJETO DE LEITURA | Centenário de Clarice Li


Estatísticas

Desejam202
Trocam8
Avaliações 3.8 / 408
5
ranking 32
32%
4
ranking 33
33%
3
ranking 27
27%
2
ranking 7
7%
1
ranking 1
1%

29%

71%