A era da indeterminação

A era da indeterminação Francisco de Oliveira


Compartilhe


A era da indeterminação





Desmanche. Da representação, da política, do público, da sociedade, das instituições, da democracia e da participação justamente quando estas pareciam mais próximas do que nunca, com o fim da ditadura militar. O novo livro da coleção Estado de Sítio, A era da indeterminação, é um projeto do Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania (Cenedic), que investiga a privatização das decisões, a redução da esfera pública e o estado de exceção como paradigma de governo. Inspirado nas idéias de Francisco de Oliveira, autor de dois artigos e co-organizador, com Cibele Saliba Rizek, o livro avança sobre o campo de compreensão das contradições da realidade brasileira, aberto a partir do ensaio “O ornitorrinco”, publicado em 2003 pela Boitempo. Percebe-se, nos vários fragmentos do quebra-cabeça brasileiro analisados na obra, a sombra do peculiar animal, que para Oliveira simboliza o estranhamento em relação ao estágio de desenvolvimento atual. A era da indeterminação é justamente a ruptura da possibilidade de uma dinâmica que ligue classes, interesses e representação nas formas da política e nas ações de governo. O desligamento da economia da política. E uma crise de representatividade cuja solução decididamente não se encontra em uma discussão cosmética e oportunista de reforma política.

Na primeira parte do livro, Francisco de Oliveira define e mostra as origens desse cenário na economia, na política e na cultura. Roberto Véras de Oliveira e Leonardo Mello e Silva analisam, na segunda parte do livro, as mudanças no mundo do trabalho e o esvaziamento do papel político dos sindicatos como representantes da classe trabalhadora. Na terceira parte, o alcance limitado e a tímida bandeira – hoje esquecida – do orçamento participativo aplicado pelo PT na Prefeitura de São Paulo contrastam com a forte repressão governamental, ao tratar como caso de polícia reivindicações políticas organizadas por movimentos sociais.

Maria Célia Paoli analisa os mecanismos que, por meio de ONGs e programas focalizados, produzem e fazem a “gestão” das populações “supérfluas” nas cidades e nas ações sociais, míseros grãos de areia em um cenário de enorme desigualdade como o da sociedade brasileira. A autora aborda também a questão da “manutenção da insegurança”, por meio da ação de repressão e contenção da violência dentro dos limites de áreas onde ela é “aceitável” para o Estado.

Francisco de Oliveira, em “O momento Lenin”, seu segundo ensaio na coletânea, faz uma análise aguda do governo Lula e da maçaroca político-econômica em que surfa o presidente. Laymert Garcia dos Santos, a partir do conceito de estado de exceção, discutido por Giorgio Agamben em outro título dessa mesma coleção, explora as questões de fundo da relação entre tecnociência e capital global para discutir a validade do conceito como paradigma de governo no mundo contemporâneo.

Encerra o livro o original ensaio de Luiz Roncari, que relaciona análise literária (nesse caso a poesia de Carlos Drummond de Andrade) com história e política (o Onze de Setembro e a guerra ao terror), motivado pela circulação na internet do poema “Elegia 1938”, em que o poeta itabirano enunciava: “não podes, sozinho, dinamitar a ilha de Manhattan”. Um texto que retrata a tensão de um mundo entre bombas, muros, condomínios fechados, força militar e ações desesperadas e suicidas, políticas e/ou poéticas.

Edições (1)

ver mais
A era da indeterminação

Similares

(6) ver mais
Guerra e Cinema
Videologias
Extinção
Os sentidos do Lulismo

Estatísticas

Desejam11
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 5.0 / 1
5
ranking 100
100%
4
ranking 0
0%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

52%

48%

Helena
cadastrou em:
23/01/2009 19:12:05