A Subversão pelo Riso

A Subversão pelo Riso Rachel Soihet


Compartilhe


A Subversão pelo Riso


Estudos Sobre o Carnaval Carioca da Belle Epoque ao Tempo de Vargas




Rachel Soihet discute as manifestações culturais da população pobre no Rio de Janeiro (1890-1930) como forma de resistência à discriminação e a opressão sofridas no cotidiano, através de músicas jocosas e a desobediência às leis. Soihet exemplifica com o bloco de sujos Macaco é o Outro — no qual os integrantes se fantasiavam de macacos e bradavam “Nós somos gente!” E, completavam, mais baixo: “Macaco é o outro...” —, uma demonstração de resistência e contestação à discriminação racial sofrida por negros pobres.

A partir dos anos 1930, de música desqualificada, o samba se transforma em um dos símbolos nacionais, ao mesmo tempo em que as concessões entre as escolas de samba e a ideologia do Estado Varguista transformaram as primeiras em atração turística. Grupos pobres têm nas escolas de samba um espaço de reconhecimento e valorização de sua cultura. Essa nova condição foi possível pelo fortalecimento da resistência dos populares sob o contexto de intervenção autoritária do Estado Varguista nos elementos significativos à este segmentos, como as questões trabalhistas e as práticas culturais, ambos vistos como sinônimo de marginalidade até o Golpe de 1930.

A autora também faz uma análise das visões sobre a mulher e sua participação no carnaval. Discute as idéias sobre o comportamento feminino obedecendo à moral da época. Em fins do século XIX e início do XX, o carnaval era tido como responsável por despertar a luxuria em “moças direitas”, e só mesmo as devassas se entregavam às folias. O carnaval era usado como argumento para justificar a violência masculina ou para definir o caráter feminino.A partir dos anos 1920 e 30 pôde ser observada uma atuação feminina mais explícita no carnaval. Contudo, o ideal da mulher passiva e que precisava ser protegida por pais e maridos era predominante. Para as mulheres dos segmentos médios, o carnaval representaria um espaço de transgressão que fugia aos únicos papéis que lhes era permitido na sociedade: mãe e esposa.

Edições (1)

ver mais
A Subversão pelo Riso

Similares


Estatísticas

Desejam8
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.4 / 5
5
ranking 60
60%
4
ranking 20
20%
3
ranking 20
20%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

37%

63%

Diogo B.
cadastrou em:
21/07/2010 13:33:36