A Terra Devastada

A Terra Devastada T. S. Eliot




A Terra Devastada





Realizado entre 1920 e 1921 e publicado em 1922, “The Waste Land”, de T. S. Eliot (1888-1965) é considerado por muitos críticos o mais importante poema do século XX, quiçá dos mais importantes de todos os tempos. Faz uma vasta exploração poética da esterilidade da vida moderna tendo como referência a destruição da Europa após a Primeira Guerra Mundial. Logo no primeiro verso da obra : “Abril é o mais cruel dos meses...” percebemos metaforicamente a noção de uma agonia , qual seja , a da chegada incerta da primavera ao hemisfério norte, ao mundo. Ao final do poema, o leitor se depara com questões fundamentais à humanidade : ainda germinará a primavera para a humanidade? Uma humanidade auto-destrutiva e impotente diante de seu próprio destino.

Após os horrores da Primeira Guerra Mundial, T. S. Eliot, descreveu em seu poema liricamente um mundo no qual o potencial humano de destruição deixou a humanidade estéril e aponta para a crise da cultura ocidental repleta de destruição e contaminada pela barbárie desde seu início até o pós primeira guerra mundial.

Das cinco partes do poema A Terra Desolada há muitas referências e citações, como um caleidoscópio , um verdadeiro diálogo com a literatura européia, à literatura indiana e à Antiguidade clássica. Homero, Dante Alighieri (1265-1321), Virgílio (70-19 a.C.), William Blake (1757-1827), William Shakespeare (1564-1616), Baudelaire, etc além de canções populares, passagens e citações em seis línguas estrangeiras, inclusive frases em sânscrito aparecem metaforicamente para dar corpo à obra.

O Poema está repleto de ricas e densas metáforas ligadas a temas recorrentes como a chuva, a esterilidade principalmente , a violação, a barbárie , a ruína da civilização e da vida pessoal e social , costuradas numa ligação entre passado e presente “atemporal “ remetendo-se a toda experiência da vida e da organização social humana.

Em The Waste Land a cultura, a moral, estética, religião, sociedade e sujeito aparecem mutilados metaforicamente ; Eliot cria uma “ estética da fragmentação” tentando construir uma imagem e história do homem a partir de imagens rotas, fragmentadas.

Símbolo da civilização sem rumo do pós-Primeira Guerra, este grande poema contribuiu decisivamente - ao longo de seus mais de 400 versos - para sedimentar as bases do modernismo tentando traduzir o universo de infertilidade do pós guerra, das incertezas do homem diante de seu passado e de seu futuro .

Artes / Literatura Estrangeira / Poemas, poesias

Edições (1)

ver mais
A Terra Devastada

Similares


Resenhas para A Terra Devastada (2)

ver mais
esto era una reseña
on 13/7/11


Comprendí muy poquito. Creo que nada, en realidad. Saqué sí muchas frases que me gustaron, pero sé que no capté nada de lo que tenía que captar. Un poco por pereza, supongo; es que tiene muchas notas detrás y casi cada una de las frases remite a algo y hay que buscar o saber de qué se trata. Yo no supe ni busqué.... leia mais

Vídeos A Terra Devastada (1)

ver mais
Resenha: A Terra Devastada, de T.  S.  Eliot

Resenha: A Terra Devastada, de T. S. Eliot


Estatísticas

Desejam52
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.0 / 39
5
ranking 44
44%
4
ranking 26
26%
3
ranking 21
21%
2
ranking 10
10%
1
ranking 0
0%

48%

52%

Helena
cadastrou em:
13/12/2010 12:58:12
Alexsandra
editou em:
30/03/2017 21:47:26