Adua

Adua Igiaba Scego


Compartilhe


Adua





Contas as histórias que tens, da melhor forma que podes” é a frase que a personagem-título lê aleatoriamente em um livro exposto em um supermercado de Roma. Neste romance de grande apelo sensorial, a escritora Igiaba Scego, filha da diáspora somali gerada pelo colonialismo fascista na África oriental, ampliou este “conselho” em vários níveis.

Adua, cujo nome é uma homenagem à primeira vitória africana contra o imperialismo europeu, é uma das várias moças somalis que sonham com o mundo de glamour das estrelas de cinema. Para realizar seu ingênuo sonho de se tornar uma atriz, Adua acaba procurando os italianos que fazem todo o tipo de tráfico nos anos 1970 em sua cidade natal, Magalo.

Em diversos planos narrativos, tanto espaciais quanto temporais, a infâmia a que Adua é submetida é entremeada com a história de seu pai, um intérprete multilíngue que foi trabalhar ainda muito jovem para os militares fascistas na Roma da década de 1930. A relação com a figura ausente e opressiva do pai é um dos eixos principais deste livro que expõe, de maneira mordaz e autoirônica, dores terríveis como a da mutilação genital das mulheres somalis.

No entanto, mesmo diante de tanta brutalidade, terminamos a leitura enlevados com o cheiro de canela de Mogadíscio, com o som do sibilo das saias romanas em arco-íris, com a beleza simbólica de um turbante azul. Pois, tomando de empréstimo uma bela expressão do avô de Adua, o adivinho Hagi Safar, este romance tem a imensidão tão infinita quanto a porção de céu contida nos olhos de um anjo.

Literatura Estrangeira

Edições (2)

ver mais
Adua
Adua

Similares

(2) ver mais
Caminhando contra o vento
Minha casa é onde estou

Resenhas para Adua (8)

ver mais
Adua, Igiaba Scego - Nota 9/10

Um romance extremamente forte e impactante, que tem como pano de fundo as consequências de um colonialismo devastador e a relação conturbada - e violenta - de um pai e filha. Nascida na Somália da década de 70, Adua teve uma infância marcada pela indiferença e falta de afeto por parte de seu pai, Zoppe, e ainda foi vítima da mutilação genital feminina quando criança. Com a morte de sua mãe no parto, Adua acaba sendo vista como responsável pelo ocorrido. Sem ter muito a que se apegar... leia mais

Estatísticas

Desejam81
Trocam2
Avaliações 3.9 / 100
5
ranking 22
22%
4
ranking 56
56%
3
ranking 20
20%
2
ranking 1
1%
1
ranking 1
1%

18%

82%

Adriana Scarpin
cadastrou em:
19/06/2018 14:12:48