Almas mortas

Almas mortas Nikolai Gógol


Compartilhe


Almas mortas (Coleção Leste)





Almas mortas, publicado pela primeira vez em 1842, é o livro precursor do romance clássico russo e a grande obra-prima de Nikolai Gógol (1809-1852).

A narrativa traz a história de um especulador de São Petersburgo que chega a uma cidade de província e procura conquistar, com suas boas maneiras, a simpatia da sociedade e dos senhores de terras locais. Seu objetivo: comprar “almas mortas”, ou seja, servos já falecidos, mas que ainda não haviam sido declarados como tal no último censo. É em torno desse tema — que lhe teria sido sugerido por Púchkin — que Gógol tece um dos retratos mais certeiros, a um só tempo satírico e afetuoso, do povo russo. Destaca-se na obra a voz do narrador, alter ego do autor, que imediatamente nos cativa pela imaginação e irreverência de suas descrições e observações. Mesmo que pareçam escapar ao fio da meada e ao bom senso, elas acabam compondo um quadro extremamente perspicaz de um país que ainda buscava sua identidade e os caminhos para se modernizar.
Esta nova tradução, realizada por Rubens Figueiredo, tem por base a mais recente edição crítica russa, e é acompanhada de quatro textos publicados em 1847, inéditos em português, em que Gógol comenta seu processo de criação e as reações causadas pelo romance. O volume inclui ainda os rascunhos que restaram da segunda parte de Almas mortas, além de um ensaio de Donald Fanger, professor emérito da Universidade de Harvard, que analisa em detalhe a prosa exuberante do genial autor russo.

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (13)

ver mais
Almas mortas
Almas Mortas
Almas Mortas
Almas Mortas

Similares

(40) ver mais
Lições de literatura russa
O Nariz / Diário de um Louco
O Retrato
O Capote / O Retrato

Resenhas para Almas mortas (60)

ver mais
on 18/7/20


Normalmente, clássicos são dramáticos, românticos, intimistas... mas, Almas Mortas engana pelo título. Ele não é nada disso. Na minha opinião, esse livro é duas coisas: hilário e deprimente, porque trata sobre corrupção. Corrupção estatal, social, vínculada a todo e qualquer mecanismo econômico. Corrupção individual, desmoralizadora, que transforma os seres humanos em deboches de si mesmos. O personagem principal, Tchitchikov, é um canalha de marca maior. Não aquele consciente... leia mais

Estatísticas

Desejam349
Trocam11
Avaliações 4.1 / 924
5
ranking 43
43%
4
ranking 36
36%
3
ranking 17
17%
2
ranking 3
3%
1
ranking 1
1%

40%

60%

Helena
cadastrou em:
02/09/2018 16:07:54
Alê | @alexandrejjr
editou em:
15/12/2021 22:22:45

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR