Amores Mínimos

Amores Mínimos João Anzanello Carrascoza


Compartilhe


Amores Mínimos





O amor em todas as suas vertentes, entre pais e filhos, irmãos, amantes, amigos é o tema de do novo livro de contos do paulista João Carrascoza. O exercício da síntese, que o escritor maneja com a maestria de mais de duas décadas trabalhando também em publicidade, amplia o turbilhão de sensações que camufla o amor profundo entre seus personagens. Tipos de fácil identificação, homens e mulheres, crianças que circulam em metrópoles ou até em pequenas cidades.

Em Amores mínimos, Carrascoza aproxima sua prosa à poesia, e assim disseca o sentimento que surge em qualquer fase da existência. Há aqui a ternura, compaixão e a certeza de que as coisas pequenas, quase esquecíveis do nosso cotidiano, são as que fazem a grandeza da vida. “O mínimo que se pode fazer em vida é se dar ao máximo a cada instante, mesmo que a maioria deles seja de pouca valia”, explica, com emoção, o escritor.

Há ainda uma melancolia constante permeando os contos. Construída poeticamente com o olhar esperançoso de Carrascoza, um entusiasta da vivência plena “das grandes paixões e pequenos amores”. Tudo é contado com delicadeza e elegância, Um coração recuperando a capacidade de amar. Um encontro de dois. Uma reflexão no transporte escolar de crianças. A elocubração que a mente faz sobre um outro alguém. O ranço da relação entre pai ausente e filho. A febre de paixão entre duas pessoas.

Vencedor do Jabuti, em 2007, com a antologia O volume do silêncio, desde sua estréia literária, o cuidado com a linguagem — sempre perpassada por lirismo — encantou público e crítica. Em textos curtos e de alto impacto, Amores mínimos comprova seu nome como um dos destaques da cenário cultural contemporâneo.

Contos / Infantojuvenil / Literatura Brasileira

Edições (1)

ver mais
Amores Mínimos

Similares

(6) ver mais
Espinhos e alfinetes
O conto zero e outras histórias
Aquela água toda
Aos 7 e aos 40

Resenhas para Amores Mínimos (4)

ver mais
“Pronto nos olhos, o pranto só aguarda a notícia”.
on 25/6/14


São 25 contos. Notas ficcionais tão cristalinas, essencialmente simples, timidamente pensativas, poéticas em sua humildade e esperança. E desesperança. São 25 contos. Quem falou que prosa não pode ser poesia? Pode, e quando chega a ser, é a mais plena consumação do ato literário. Daí a excelência de um gênero, que está em todos os grandes romances, novelas, peças. Há de tudo neste belo livro: O amor partido, estilhaços vivificados, sorriso soterrado, olhar renascido, reinventado,... leia mais

Estatísticas

Desejam21
Trocam3
Avaliações 4.2 / 84
5
ranking 51
51%
4
ranking 33
33%
3
ranking 10
10%
2
ranking 5
5%
1
ranking 1
1%

31%

69%

Marcos
cadastrou em:
28/05/2012 13:15:20
Iury Souza
editou em:
15/07/2017 17:30:46