Ana de Amsterdam

Ana de Amsterdam Ana Cássia Rebelo


Compartilhe


Ana de Amsterdam





Ana Cássia Rebelo é uma mulher com suas horas bastante ocupadas, dividindo seu tempo entre o emprego como advogada numa repartição, os três filhos ainda pequenos e um casamento já desgastado. Nessa rotina, que oscila sempre entre o tédio da segurança e o desejo do inesperado, Ana encontra lugar para escrever. E foi assim que surgiu, em 2006, o blog Ana de Amsterdam, em que ela ia registrando esse movimento pendular entre pequenas vitórias e grandes angústias. Das postagens do blog, imensamente literárias apesar de intrinsecamente efêmeras, o jornalista e crítico português João Pedro Jorge pôde organizar uma obra que funciona como diário íntimo, em que os pequenos textos são datados, e vão desenhando uma personagem rica, um tanto misteriosa, capaz de confundir o leitor entre uma doçura maternal e uma rascante agressividade.

Com um histórico depressivo, muito inteligente e sensível, o que vemos na sucessão dos dias dessa narrativa fragmentada é o retrato subjetivo da chamada mulher moderna, esse ser quase indefinível. Ana sente desejo e nega-o, ama os filhos, mas se sente sobrecarregada, se apega à vida por detalhes, e encontra o sentido perdido no cotidiano doloroso em um pôr do sol bonito numa cidade indiana. Com parte da família em Goa, essa terra misteriosa em que a Índia fala a língua portuguesa, Ana desenha no país distante a possibilidade de descobertas – como antigos navegadores buscavam especiarias. A mesma busca se dá por uma sexualidade crua, em que não há tabus, e a frigidez, a masturbação, o desejo doente são temas tratados corriqueiramente, conceitualmente e na linguagem – limpa, crua, direta.

O resultado desse conjunto coeso de pequenas narrativas é um livro escrito em uma prosa brilhante, que se a filia a nomes como Sylvia Plath e Virginia Woolf, no que todas têm de prosadoras poderosas e marcantes – também finca o pé em certa tradição nacional portuguesa, e o conjunto de fragmentos do livro lembra o Livro do desassossego, de seu conterrâneo mais ilustre.

Que o leitor se embrenhe nessa prosa primorosa. Que descubra a literatura contemporânea portuguesa, e que, atentamente, descubra o poder da narrativa feminina.

"Uma das vozes mais aguardadas no panorama editorial português. As suas palavras não desiludem a expectativa gerada." — O PÚBLICO

Não-ficção

Edições (1)

ver mais
Ana de Amsterdam

Similares

(17) ver mais
O Pomar das Almas Perdidas
O senhor agora vai mudar de corpo
O Papel de Parede Amarelo
História do Novo Sobrenome

Resenhas para Ana de Amsterdam (2)

ver mais
Lirismo e visceralidade
on 4/3/16


Ana Cássia Rebelo é (ou era, não sei) jurista em Portugal, mãe de três crianças, e escreve um blog-diário bastante confessional — o Ana de Amsterdam. O blog chamou a atenção de um editor que sugeriu a publicação do livro, o que aconteceu em 2015 em Portugal e esse ano no Brasil. Os textos de Ana são de uma sinceridade visceral. Revelam a condição feminina de modo honesto e pouco condescendente, tocando e revolvendo inúmeros tabus, como certas desilusões ligadas à maternidade, frigid... leia mais

Estatísticas

Desejam53
Trocam1
Avaliações 4.0 / 61
5
ranking 38
38%
4
ranking 30
30%
3
ranking 28
28%
2
ranking 3
3%
1
ranking 2
2%

12%

88%

Drieli Devechi
cadastrou em:
14/02/2016 13:12:35