Bite Me

Bite Me Chaos - Luíza Thomaz

Compartilhe


Bite Me


You make me feel loved. You make me feel angry. You make me feel pain. You make me feel.




E então eu corri.
Corri mais do que pensei que um dia pudesse correr. Corri sem sentir, sem me
importar. Estava cansada de me importar, de ter o peso não só da minha, mas de
todas as vidas à minha volta em minhas mãos. Pela primeira vez na vida, eu não
queria me preocupar do que ou para que eu corria. Só tinha essa certeza cega de
que devia chegar lá. Então corri.
Abri o portão que me levaria para a rua em um movimento brusco, sendo recebida
pela forte claridade do sol. Meus olhos, desacostumados à luz, se fecharam
instantaneamente, enquanto minhas mãos tapavam meu rosto em um reflexo protetor,
como se a luz do sol fosse me fazer algum mal.
Ah, a ironia.
Alguma parte do meu cérebro, uma que ao contrário das outras não estava
anestesiada, processou o fato de que fazia um bom tempo que eu não saía de dia.
Havia me afastado da luz, tanto a física quanto a simbólica. Eu havia deixado
que ele me envolvesse em sua escuridão, fortalecendo a minha.
Eu finalmente entendi que aquilo não era ruim. Bem e mal são conceitos relativos
quando se leva uma vida como a minha, eu devia ter aprendido isso antes. A
escuridão nem sempre é ruim – não, por vezes ela se mostra gentil, confortável,
acolhedora. A escuridão dele era assim, e por mais amarga e odiosa que por vezes
me parecesse, era o que havia me mantido de pé, me dado forças, e de um jeito
estranho, foi o que reacendeu uma espécie de claridade no meu coração. A sombra
dele era a minha luz. Mas até isso havia sido arrancado de mim.
Continuei a correr, sentindo meu coração batendo forte no peito. Eu queria poder
odiar aquela sensação, mas ódio era um sentimento, e no momento eu me encontrava
vazia, incapaz de realmente sentir algo. As batidas continuavam a bombear sangue
para o resto do meu corpo, mas falhava no transporte do que eu mais precisava no
momento. Calor. Eu me sentia fria, por fora e por dentro. Fria como ele, e por
um breve e louco segundo, desejei que meu coração não precisasse bater, assim
como o dele. Mais do que isso, desejei poder simplesmente virar pó, da mesma
forma que ele.
Estranho como agora, nos prováveis últimos momentos da minha vida, a palavra
“ele” apareça tanto em minha mente. O clichê estava certo afinal de contas:
relembramos nossa vida antes do fim. O que me perturba é pensar em quando
exatamente minha vida se resumiu a isso. A ele.
Ele, a quem eu jurei odiar até o fim. Ele, que nunca deixou de me amar mesmo
quando eu só pisava constantemente em seus sentimentos. Ele, a última pessoa do
mundo a qual eu pensei ser capaz de amar algum dia. Simplesmente ele.
Oh, como é fácil admitir isso agora. Tão dolorosamente fácil. Como pode o
destino ser tão cruel a ponto de, quando eu finalmente me vejo capaz de admitir
o que no fundo eu sempre soube, arrancar de mim aquele que foi capaz de curar
meu coração? Ele merecia ter ouvido essas três palavras mais vezes. Eu te amo.
Oh céus, eu te amo! As lembranças dos últimos meses começaram então a me atingir com força total. Se
esse é o fim, ao menos quero ir tendo esses momentos em mente. A forma como ele,
da maneira mais improvável e inesperada, forçou a entrada do meu coração, me
dominando de corpo e alma.

Edições (1)

ver mais
Bite Me

Similares


Vídeos Bite Me (1)

ver mais
Trailer Fanfic - Bite Me

Trailer Fanfic - Bite Me


Estatísticas

Desejam4
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.6 / 22
5
ranking 82
82%
4
ranking 5
5%
3
ranking 9
9%
2
ranking 5
5%
1
ranking 0
0%

0%

100%

rooxy
cadastrou em:
05/12/2012 10:14:11