Corações cicatrizados

Corações cicatrizados Max Blecher


Compartilhe


Corações cicatrizados





Emanuel estuda Medicina em Paris quando descobre sofrer do mal de Pott, tuberculose óssea que afeta a coluna vertebral. Parte para Berck-sur-Mer, balneário no litoral norte da França especializado no tratamento da enfermidade. Na cidade, 5 mil pacientes, provenientes de todos os cantos do mundo, se submetem à terapia, que consiste na imobilização do corpo por um colete de gesso. Envoltos nessa carapaça, os doentes são forçados a passar meses deitados, à espera de que seus ossos quebrados e roídos sejam endireitados e consolidados.

Mas, em Berck, eles não precisam ficar restritos à cama. Instalados nas chamadas goteiras, os enfermos locomovem-se com a ajuda de maqueiros e até sozinhos, em charretes adaptadas, puxadas por cavalos. Assim, passeiam, vão à praia, levam uma vida praticamente normal. Sempre na horizontal.

Nesse cenário, o romeno Max Blecher (1909-1938) situa seu romance Corações cicatrizados. Como o personagem Emanuel, ele também recebeu o diagnóstico do mal de Pott quando estudava em Paris, aos 19 anos. Com inesperada vitalidade e até humor, o escritor descreve a rotina dos internos do sanatório de Berck, divididos entre a imobilidade, os desejos, os encontros, as amizades, as paixões.

Um dos principais nomes da literatura romena, Max Blecher é frequentemente comparado pela crítica especializada a Franz Kafka, Bruno Schulz ou Robert Walser. Nasceu em 1909 na província da Moldávia, viveu em Paris e, por causa da doença, passou temporadas em sanatórios da França, Suíça e Romênia. Ligado aos modernistas romenos, Blecher começou a escrever para revistas literárias aos 19 anos. Aproximou-se do movimento surrealista em Paris e, em 1935, teve um texto publicado na revista de André Breton, com quem se correspondia com frequência. Blecher morreu aos 28 anos, deixando um livro de poesia, Corpo transparente (1934), três romances – Acontecimentos na irrealidade imediata (1936), Corações cicatrizados (1937) e A toca iluminada (publicado postumamente, em 1971) –, além de contos, resenhas, artigos e traduções. Com 232 páginas e tradução direta do romeno, este volume tem capa envolta em tecido, reproduzindo a trama do gesso que imobiliza os pacientes de Berck. Outro detalhe do projeto gráfico: quando Emanuel é imobilizado e tem de viver deitado, o texto muda de orientação, e a leitura passa a ser na horizontal. Corações cicatrizados chegará em breve também aos cinemas. O livro foi transformado em filme pelo diretor romeno Radu Jude, vencedor do Urso de Prata de Melhor Diretor no Festival de Berlim de 2015.

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (2)

ver mais
Corações cicatrizados
Corações cicatrizados

Similares

(3) ver mais
Ifigênia
Acontecimentos na irrealidade imediata
Dom Casmurro

Resenhas para Corações cicatrizados (4)

ver mais
Que lembrança terrível a enfrentar - Kierkegaard
on 27/6/16


Mikhail Bulgakov, em O Mestre e Margarida, escreve que “os manuscritos não se queimam”, em referência à censura na antiga URSS. Mesmo sem fogueiras, livros publicados podem vir a desaparecer no decurso do tempo. É com alegria que agora possuo esta edição de Corações Cicatrizados do romeno Max Blecher, traduzido por Fernando Kablin. Lançamento da editora Carambaia. Max Blecher, ainda jovem, foi diagnosticado com tuberculose óssea e esteve internado em diversos sanatórios até sua m... leia mais

Vídeos Corações cicatrizados (1)

ver mais
LidoLendo | Corações Cicatrizados - Max Blecher - Resenha

LidoLendo | Corações Cicatrizados - Max Blech


Estatísticas

Desejam84
Trocam1
Avaliações 4.3 / 40
5
ranking 48
48%
4
ranking 43
43%
3
ranking 10
10%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

36%

64%

EronGM
cadastrou em:
09/06/2016 05:33:35
Jenifer
editou em:
13/09/2019 20:21:24