Crítica da Razão Dialética

Crítica da Razão Dialética Jean-Paul Sartre


Compartilhe


Crítica da Razão Dialética





No livro O Ser e o Nada (1943), a busca do ser resultava em fracasso pela própria estrutura do desejo. Mas Sartre (1905-1980) logo percebe que tal fracasso poderia ser assumido e transcendido numa existência autenticamente humana, que, por meio de um livre engajamento, lutasse por objetivos concretos. Partindo de novos conceitos ? o de autenticidade e o de engajamento ? Sartre fundamenta sua moral existencialista. Engajamento significaria a necessidade de um pensador voltar-se para a análise de situações concreta, tornando-se solidarizando-se com os acontecimentos sociais e políticos de seu tempo. Por engajamento, a liberdade deixa de ser apenas imaginária e passa a estar situada e comprometida na ação. Logo após a libertação de Paris, depois de passar por campo de concentração nazista, participar da resistência francesa à ocupação alemã, Sartre se desperta para a política, corrigindo seus erros anteriores, elaborando, no confronto com o marxismo, ?a síntese monumental de Critica da razão dialética? (1960), que assimilou a teoria crítica da sociedade numa nova filosofia da liberdade em plena História. Ao lado de Simone de Beauvoir, também filósofa existencialista e sua companheira de toda a vida, Sartre participou da vida política não só da França, mas mundial.

Edições (1)

ver mais
Crítica da Razão Dialética

Similares

(1) ver mais
Sartre: Direito e Política

Estatísticas

Desejam38
Trocam1
Avaliações 4.0 / 20
5
ranking 25
25%
4
ranking 45
45%
3
ranking 30
30%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

63%

37%

davidxlima
cadastrou em:
25/09/2009 11:03:06