Crônicas da Pan-Amazônia

Crônicas da Pan-Amazônia FRANCISCO MARQUELINO SANTANA


Compartilhe


Crônicas da Pan-Amazônia #01





Era uma vez um suntuoso verde que sobrevivia no altívolo da natureza caudalosa. As árvores não eram ceifadas, os varadouros não eram cerceados, a exuberância verdejante não cessava e a dadivosa mata continuava a abrir suas janelas imaginárias para que o diáfano divino adentrasse silenciosamente e iluminasse a sua beleza maternal.

Embevecida pelo encadeamento arraigado de suas coletividades originárias, a verde mata continuava maviosa na sua magnitude imponente e originalmente aprazível na concatenação iniludível com seus atores sociais.

Na estesia colossal e briosa de sua benevolência, a fabulosa mata não perdia seu esplendor e continuava impoluta no seu imensurável mundo singular, plural e holístico. Na sua peculiar contemplação, enquanto estava sob a proteção de seus guardiães originais, ela lhes proporcionava uma moradia salutar, desmesurada e devaneante, como uma forma sublime e telúrica de manter a sua exuberância cósmica, transcendentalmente entranhada ao ser de cada coletividade que divinalmente a exaltasse numa dimensão cosmogônica e harmoniosa entre o homem e a natureza.

Mas a verde mata foi facciosamente sendo enclausurada pela sociedade envolvente, seus guardiães foram sendo ludibriados, o sol transformou-se num pai causticante, a terra mãe, sem comiseração, foi posta em estado de coerção, e a contumácia humana em estado debelatório e possuída por um malévolo desatino, provocou o descalabro desditoso do sagrado lar da verde mata.

A descomedida consciência humana em seu ato desvairado, anunciou um embate enrijecido e um ódio profundo pela natureza e pelas coletividades originárias e tradicionais da estetizante e virtuosa alma amazônica. O abrutamento exacerbado do homem no ápice de sua ignorância, dilacerou o relacionamento devaneante da memória coletiva com as encantarias florestais da dimensão cósmica divinal.

Esmaecida diante da aversão humana, a verde mata tombava agonizando, como que abdicando à sua opulência majestosa. Seus guardiães eram criminalmente asfixiados, encurralados, desterritorializados e afrontosamente condenados ao cortejo fúnebre de pesaroso infortúnio. Sem comiseração, nem complacência, a força coercitiva do capital, culminava numa debilitação defraudada e degradante das minorias sociais excludentes e de seus tradicionais modos de vida.

O delituoso ato da derrocada humana demonstrava com clarividência a estagnação tendenciosa de um estado desmoralizante e a sua visível discrepância em atuar na defesa dos direitos das classes marginalizadas da floresta em decadência.

O advento do ecocídio e do etnocídio de coletividades ancestrais, só reforça o intrigante embuste de um poder público que precisa urgentemente ser repensado, desemperrando suas ações e dinamizando na forma da lei, o enfrentamento à essas práticas genocidas e reacionárias que maculam de forma aviltante a nossa respeitosa carta magna.

Se a empáfia esdrúxula e criminosa de setores da sociedade envolvente, provocou a morte da verde mata e matou seus autênticos guardiães, certamente, os nossos direitos, eles nunca matarão.

Crônicas / Educação / Literatura Brasileira / Não-ficção

Edições (1)

ver mais
Crônicas da Pan-Amazônia

Similares

(1) ver mais
Migrações na Pan-Amazônia

Estatísticas

Desejam
Informações não disponíveis
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 5.0 / 2
5
ranking 100
100%
4
ranking 0
0%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

40%

60%

Atena Editora
cadastrou em:
03/06/2022 09:38:41
Pri Paiva
editou em:
07/06/2022 14:38:57
Pri Paiva
aprovou em:
07/06/2022 14:39:59

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR