Deriva

Deriva Adriana Lisboa


Compartilhe


Deriva





Inúmeras são as entradas e saídas pelas veias (vias, vaus, vagas) abertas deste conjunto de poemas de Adriana Lisboa. Uma travessia em que se podem nomear (como sugere a epígrafe de Rosalba Campra) “sizígias e eclipses e marés que deixam a descoberto velhos naufrágios”. Uma odisseia às avessas, já que os grandes acontecimentos em Deriva, em contraste com os de Homero, podem ser mínimos, magros, “de carnadura digamos plebeian size”. A voz que salta é uma cicatriz no espelho embaçado da escotilha, um corte (de um continente), uma ilha, um coágulo de água, um caroço na transparência dos signos, um grão de sal e mostarda, um dissenso, um alerta, um protesto (para não dizer que não falei de gérberas em outubro de 2018) um mantra ao encontro do nada, um navio em chamas após uma louca jornada.

Trecho do posfácio de Raquel Abi-Sâmara

Literatura Brasileira / Poemas, poesias

Edições (1)

ver mais
Deriva

Similares


Estatísticas

Desejam4
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.1 / 5
5
ranking 20
20%
4
ranking 80
80%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

33%

67%

Jenifer
cadastrou em:
13/06/2019 15:55:52