Diário de Berlim Ocupada 1945-1948

Diário de Berlim Ocupada 1945-1948 Ruth Andreas Friedrich


Compartilhe


Diário de Berlim Ocupada 1945-1948





O nascimento da Guerra Fria e a divisão da Alemanha sob um ponto de vista pessoal e cotidiano. Esse é o cenário de Diário de Berlim Ocupada - 1945-1948, que apresenta a barbárie do pós-guerra pela visão alemã, num diário escrito no local dos fatos pela autora Ruth Andreas-Friedrich. Trata-se de um relato feito não por um historiador, mas por uma jornalista - que narra a derrota do país em 1945, a tomada de Berlim pelos russos e americanos e a nova realidade que surge.

É na Berlim destruída e ocupada que Andreas-Friedrich recorda os acontecimentos: rua a rua e quase casa a casa, a cidade vira um campo de batalha e, depois da derrota, um amontoado de escombros. A guerra havia acabado, Hitler caído, começava uma outra guerra, em que era preciso conviver com a desconfiança dos soldados invasores. Quem permaneceu vivo não tinha outra coisa a fazer a não ser lutar pela sobrevivência.

A vida civilizada desapareceu, vagava-se entre as ruínas fugindo de tiros e procurando comida. Pelo caminho, restos, cadáveres, sobreviventes e soldados, a maioria russos - ansiosos por vingança depois da recente devastação de seu país. A autora descreve os efeitos da guerra: "(Será mesmo) uma reconstrução promissora, com sete milhões de membros do Partido Nazista disfarçados como nosso capital democrático inicial?"

Biografia, Autobiografia, Memórias / História / História Geral / Não-ficção

Edições (1)

ver mais
Diário de Berlim Ocupada 1945-1948

Similares

(28) ver mais
Fim de Jogo, 1945
Alemanha, 1945
Berlim 1945: A Queda
Uma Mulher em Berlim

Resenhas para Diário de Berlim Ocupada 1945-1948 (8)

ver mais
on 25/3/15


Resenha Escrito em forma de diário, com períodos curtos e diretos, o livro é fácil de ser entendido. A autora conseguiu traduzir toda a angústia vivida pelos alemães residentes na Berlim oriental no período de 1945 a 1948. Chama a atenção o sofrimento causado pelo frio. As pessoas não tinham aquecimento e nem calefação. Muitos habitantes morreram flagelados pela rudeza do clima. As relações afetivas ficavam em segundo plano porque o essencial era sobreviver. Politicamente, capitalista... leia mais

Estatísticas

Desejam49
Trocam1
Avaliações 4.0 / 72
5
ranking 36
36%
4
ranking 32
32%
3
ranking 26
26%
2
ranking 6
6%
1
ranking 0
0%

46%

54%

Marcos
cadastrou em:
22/03/2012 20:54:31
Allysson Falcon
editou em:
02/12/2018 22:20:53