Extinção

Extinção Thomas Bernhard


Compartilhe


Extinção


Uma derrocada




A ideia, a necessidade ou o desejo de autodestruição estão no centro da obra de Bernhard. Em Extinção, este centro parece avançar até a borda e restar como verdade última da existência e da linguagem.

Franz-Josef Murau é a ovelha negra de uma família de latifundiários austríacos: sua repulsa pela Áustria o levou a auto-exilar-se em Roma. Quando um telegrama lhe comunica a morte dos pais e do irmão, é obrigado a regressar imediatamente à terra natal, Wolfsegg. Estivera ali dias antes, para o casamento da irmã. Reduto católico e nacional-socialista, Wolfsegg espelha a infâmia austríaca: é a fonte do sustento e da ruína moral de Franz-Josef, seu novo proprietário.

Neste livro em que tudo se repete, a viagem desencadeia a ação, isto é, desencadeia um fluxo de pensamentos e reminiscências que se torna mais cerrado a cada página, mais obstinado, mais compulsivo. Murau tem de repetir a viagem recém-concluída, participar de rituais fúnebres que se repetem há séculos, repetir em palavras, extensivamente, a torrente de suas memórias. Esta será a forma de apagar qualquer vestígio que o prenda à origem execrada: "Estou de fato retalhando e dissecando Wolfsegg e os meus, aniquilando-os, extinguindo-os, e retalho e disseco dessa forma a mim mesmo, disseco-me, aniquilo-me, extingo-me".

Poucos escapam da virulência de Murau, cuja desmedida chega a torná-lo burlesco, a dar à sua voz um tom caricato. A catilinária a que ele se entrega equivale a renunciar incondicionalmente a si mesmo e ao mundo - e nesse processo ideia e forma linguística confluem com virtuosismo. Casando com maestria fábula e concepção linguística, Thomas Bernhard empresta a Murau um falso coloquialismo que se apoia numa sintaxe circular altamente elaborada, num amálgama de discurso direto e indireto que faz a voz de Murau ecoar todas as vozes que abomina.

A ideia, a necessidade ou o desejo de autodestruição estão no centro da obra de Bernhard. Em Extinção, romance repleto de alusões a livros anteriores do autor e que é também o título do testemunho escrito de Murau, este centro parece avançar até a borda e restar como verdade última da existência e da linguagem.

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (2)

ver mais
Extinção
Extinção

Similares

(27) ver mais
Jakob von Gunten
Noturno do Chile
Narrativas do espólio
A língua exilada

Resenhas para Extinção (9)

ver mais
A "linguagem do ódio" nunca fez tanto sentido
on 19/6/20


Há muito que falar sobre esse livro, mas tentarei resumir. O enredo é bem simples: o protagonista-narrador, um professor austríaco de literatura que mora em Roma, recebe um telegrama informando sobre a morte de seus pais e um irmão. A partir disso, em torno disso, toda a narrativa do livro se desenvolverá. Como os outros protagonistas de Bernhard, este odeia e tem repulsa de sua pátria, do nazismo, do catolicismo e de sua família. E há motivos muito bem explanados para tanto. Ele... leia mais

Estatísticas

Desejam87
Trocam1
Avaliações 4.4 / 76
5
ranking 62
62%
4
ranking 24
24%
3
ranking 11
11%
2
ranking 3
3%
1
ranking 1
1%

58%

42%

fbonillo
cadastrou em:
08/01/2009 12:58:35
Jenifer
editou em:
12/06/2021 10:47:22

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR