HHhH

HHhH Laurent Binet


Compartilhe


HHhH





Himmlers Hirn heiBt Heydrich: "o cérebro de Himmler se chama Heydrich". A sentença corrente entre os membros da SS permite vislumbrar os horrores vividos pela extinta Tchecoslováquia durante a ocupação nazista, quando o implacável chefe da Gestapo, Reinhard Heydrich, foi nomeado pelo Führer o "protetor" da Boêmia-Morávia, território incorporado ao III Reich durante a Segunda Guerra Mundial. Heydrich logo se tornou um misto de vice-rei e ditador, com absoluto poder de vida e de morte sobre os tchecos. Prisões em massa, torturas e execuções sumárias passaram a integrar o cotidiano dos habitantes da capital, que apelidaram seu novo senhor de "o carrasco de Praga". Esse é o cenário que serve de pano de fundo para que Laurent Binet, um apaixonado por Praga e pela história da resistência antinazista, escreva o eletrizante romance HHhH, em que ficção e realidade se confundem, colocando em evidência a natureza fugidia e multifacetada da verdade histórica. Até 1941, Jan Kubis e Jozef Gabcík não passavam de obscuros sargentos do Exército tchecoslovaco. No entanto, na primavera daquele ano — que marcaria o auge da expansão do império hitlerista —, o governo tchecoslovaco no exílio decide partir para o contra-ataque. As brutalidades cometidas contra a população tcheca seriam vingadas numa ação espetacular, cujo alvo era Reinhard Heydrich. Após uma rigorosa triagem, Gabcík e Kubis são os militares incumbidos dessa missão heroica, na prática uma empreitada suicida.

Romance

Edições (4)

ver mais
HHhH
HHhH
HHhH
HHhH

Similares

(27) ver mais
As benevolentes
Ele está de volta
Ele Está de Volta
Holocausto

Resenhas para HHhH (7)

ver mais
O espaço entre realidade e ficção
on 29/11/13


Laurent Binet ganhou o Prêmio Goncourt para romances de estreia, em 2010, com seu romance histórico “HHhH”, sobre, entre outras coisas, o assassinato de Reinhard Heydrich, chefe da Gestapo, em maio de 1942. “Romance histórico” (ou qualquer outra categoria) se aplica de maneira imperfeita ao livro de Binet, que mistura reflexões sobre o processo de redação do próprio livro, referências literárias e pessoais em tom autoficcional e história propriamente dita. Como “A sangue frio... leia mais

Estatísticas

Desejam202
Trocam1
Avaliações 4.5 / 111
5
ranking 62
62%
4
ranking 31
31%
3
ranking 6
6%
2
ranking 1
1%
1
ranking 0
0%

41%

59%

Helena
cadastrou em:
06/04/2012 00:16:36
Godinho
editou em:
12/07/2019 06:26:16