História do Suicídio

História do Suicídio Georges Minois


Compartilhe


História do Suicídio


A Sociedade Ocidental Diante da Morte Voluntária




Albert Camus disse que "só existe um problema filosófico realmente sério: é o suicídio". Para ele, o "resto" vinha depois.

Mas, se a questão da morte voluntária é reconhecida como relevante, o ato em si nunca deixou de ser objeto de reprovação social e religiosa. De fato, mesmo nos dias desassombrados da contemporaneidade, falar sobre suicídio é tabu, o que denota o emaranhado de elementos antropológicos, psicológicos e éticos que assolam o tema.

As complexidades desse terreno são enfrentadas pelo lançamento da Editora Unesp, 'História do Suicídio: A Sociedade Ocidental Diante da Morte Voluntária', do historiador Georges Minois, em que se faz um denso apanhado sobre o "assassinato de si mesmo" ao longo da história humana.

"É em 1600 que Shakespeare formula, em Hamlet, com uma simplicidade terrível, a pergunta fundamental: 'Ser ou não ser? Eis a questão'. É essa pergunta que nos servirá de guia", escreve Minois. "Por que, em uma determinada época, alguns homens escolheram não mais ser? Cada um tinha suas razões, e é importante compreendê-las, pois essa atitude revela os valores fundamentais da sociedade. Ela afeta ao mesmo tempo o indivíduo e o grupo".

Por onze capítulos, Georges Minois conduz os leitores a um mergulho na Antiguidade, na Idade Média e no Renascimento chegando à Revolução Francesa e ao Século XX, buscando encontrar as raízes filosóficas para se entender as mortes voluntárias. Mas ele faz um alerta: "Não podemos estudar os suicídios como podemos fazê-lo em relação à destruição provocada pela peste ou pela tuberculose, pois a morte voluntária é um tipo de óbito cujo significado não é de ordem demográfica, mas filosófica, religiosa, moral, cultural", aponta. "O silêncio e a dissimulação que a rodearam durante muito tempo instauraram um clima de mal-estar em torno dela."

"Homens e mulheres escolheram a morte", escreve Minois. Apesar disso, esse caminho nunca foi tratado com indiferença. "Aclamada em raras circunstâncias como um ato de heroísmo, ela foi, na maioria das vezes, objeto de reprovação social. Isso porque o suicídio é considerado ao mesmo tempo uma ofensa a Deus, que nos deu a vida, e à sociedade, que provê o bem-estar de seus membros", acrescenta. Apesar disso, surgem indagações e modificações na forma de pensar o suicídio. "É essa mudança crucial nas mentalidades ocidentais, à qual se deu pouquíssima atenção até o momento, que gostaríamos de examinar."

Sobre o autor - Georges Minois é professor de História e historiador das mentalidades religiosas. Dele, a Editora Unesp publicou História do riso e do escárnio (2003), A idade de ouro (2011), História do ateísmo (2014) e História do futuro (2016).

Filosofia / História / Psicologia

Edições (1)

ver mais
História do Suicídio

Similares

(1) ver mais
Conhecimento Humano

Resenhas para História do Suicídio (3)

ver mais
existir ou não existir, eis a questão
on 26/8/20


Desde tempos remotos o ser humano tira a própria vida, por razões diversas. Mas quais motivos são estes? Eles mudam ao longo do tempo? Como a sociedade lida com a existência do suicídio? Estes são temas que o autor aborda nesta obra. Apesar do título abrangente, o autor se concentra na Europa, mais especificamente na França e Inglaterra. Ainda assim, há muitos fatos curiosos e informações preciosas, apesar de em alguns momentos o excesso de citações tornar a leitura um pouco cansativa.... leia mais

Estatísticas

Desejam77
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.1 / 16
5
ranking 31
31%
4
ranking 63
63%
3
ranking 6
6%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

40%

60%

João gregorio
cadastrou em:
09/01/2019 14:02:22
Allysson Falcon
editou em:
27/10/2019 17:08:00

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR