Infiel

Infiel Ayaan Hirsi Ali


Compartilhe


Infiel


a história de uma mulher que desafiou o islã




Autobiografia de uma mulher extraordinária, que foi criada nos costumes tribais da Somália, sofreu mutilação sexual e espancamentos brutais na infância, foi muçulmana devota, fugiu de um casamento forçado, tornou-se deputada na Holanda, clamou pelos direitos das muçulmanas, criticou Maomé e está condenada à morte pelo fundamentalismo islâmico.

Em novembro de 2004, o cineasta Theo van Gogh foi morto a tiros em Amsterdã por um marroquino, que em seguida o degolou e lhe cravou no peito uma carta em que anunciava sua próxima vítima: Ayaan Hirsi Ali, que fizera ao lado de Theo o filme Submissão, sobre a situação da mulher muçulmana. E assim essa jovem exilada somali, eleita deputada do parlamento holandês e conhecida na Holanda por sua luta pelos direitos da mulher muçulmana e por suas críticas ao fundamentalismo islâmico, tornou-se famosa mundialmente. No ano seguinte, a revista Time a incluiu entre as cem pessoas mais influentes do mundo. Como foi possível para uma mulher nascida em um dos países mais miseráveis e dilacerados da África chegar a essa notoriedade no Ocidente?

Em Infiel, sua autobiografia precoce, Ayaan, aos 37 anos, narra a impressionante trajetória de sua vida, desde a infância tradicional muçulmana na Somália, até o despertar intelectual na Holanda e a existência cercada de guarda-costas no Ocidente. É uma vida de horrores, marcada pela circuncisão feminina aos cinco anos de idade, surras frequentes e brutais da mãe, e um espancamento por um pregador do Alcorão que lhe causou uma fratura do crânio. É também uma vida de exílios, pois seu pai, quase sempre ausente, era um importante opositor da ditadura de Siad Barré: a família fugiu para a Arábia Saudita, depois Etiópia, e fixou-se finalmente no Quênia.

Obrigada a frequentar escolas em muitas línguas diferentes e a conviver com costumes que iam do rigor muçulmano da Arábia (onde as mulheres não saíam à rua sem a companhia de um homem) à mistura cultural do Quênia, a adolescente Ayaan chegou a aderir ao fundamentalismo islâmico como forma de manter sua identidade. Mas a guerra fratricida entre os clãs da Somália e a perspectiva de ser obrigada a casar com um desconhecido escolhido por seu pai, conforme uma tradição que ela questionava, mudaram a sua vida e ela acabou fugindo e se exilando na Holanda. Ayaan descobre então os valores ocidentais iluministas da liberdade, igualdade e democracia liberal, e passa a adotar uma visão cada vez mais crítica do islamismo ortodoxo, concentrando-se especialmente na situação de opressão e violência contra a mulher na sociedade muçulmana.

Biografia, Autobiografia, Memórias / Não-ficção

Edições (3)

ver mais
Infiel
Infiel
Uma mulher rebelde

Similares

(28) ver mais
Nômade
Mulheres de Cabul
Por Trás do Véu
Amor em Terra de Chamas

Resenhas para Infiel (95)

ver mais
Leitura obrigatória para machistas e pseudofeministas
on 13/12/20


?Infiel? retrata uma história inspiradora e que, com certeza, já serviu como voz para milhares de mulheres oprimidas e violentadas.... leia mais

Vídeos Infiel (2)

ver mais
Resenha de Infiel de Ayaan Hirsi Ali

Resenha de Infiel de Ayaan Hirsi Ali

INFIEL, de Ayaan Hirsi Ali | RESENHA

INFIEL, de Ayaan Hirsi Ali | RESENHA


Estatísticas

Desejam396
Trocam12
Avaliações 4.5 / 1.141
5
ranking 68
68%
4
ranking 23
23%
3
ranking 8
8%
2
ranking 1
1%
1
ranking 0
0%

14%

86%

Andrea
cadastrou em:
28/02/2012 12:47:38
Jenifer
editou em:
25/06/2021 23:48:33

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR