Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão

Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão Hilda Hilst


Compartilhe


Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão





Por meio dos poemas de Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão, obra publicada em 1974, Hilda Hilst alcança a maturidade poética, deixando de ser uma mulher, que por sua rara beleza e comportamento avançado, era mais interessante do que sua literatura. Nesta obra, Hilda Hilst consegue, por fim, obter o equilíbrio entre a idéia e sua expressão, através da espontaneidade da sintaxe e de um vocabulário desconcertante.

É a própria autora que relata um fato bastante jocoso relacionado a esta obra. Logo após sua publicação, Hilda se encontra com Carlos Drummond de Andrade e este, superando sua renitente timidez, disse: "Você não dormiu com essa cara, não é? Os poemas estão tão bons que eu sei que você não dormiu com ele." "É verdade", respondeu Hilda.
A respeito de Hilda Hilst e de sua obra muito se disse. O próprio Drummond, em 1952, dedicou-lhe um poema, em que, entre outros versos, diz: "Então Hilda, que é sab(ilda) / Manda sua arma secreta: / Um beijo em morse ao poeta." Já Leo Gilson Ribeiro, importante crítico literário, que considera a autora o maior escritor vivo em língua portuguesa, afirmou: "A literatura, o estilo, a atemporalidade dos textos são um subproduto quase acidental, inconsciente, de uma busca mística, panteísta, de um indevassável e por isso mesmo instigante e ameaçador: decifra-me ou eu te devoro." Para o escritor Caio Fernando de Abreu, já falecido, Hilda Hilst é o nome mais controvertido da literatura brasileira contemporânea.

Literatura Brasileira / Poemas, poesias

Edições (3)

ver mais
Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão
Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão
Júbilo, memória, noviciado da paixão

Similares

(15) ver mais
outono azul a sul
Por que ler Hilda Hilst
Grandes chances de morrer lentamente
Cartas de um Sedutor

Resenhas para Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão (8)

ver mais
Meu preferido
on 27/2/09


Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão (Hilda Hilst) Ama-me. É tempo ainda. Interroga-me. E eu te direi que o nosso tempo é agora. Esplêndida avidez, vasta ternura Porque é mais vasto o sonho que elabora Há tanto tempo sua própria tessitura. Ama-me. Embora eu te pareça Demasiado intensa. E de aspereza. E transitória se tu me repensas. E tu, lúcido, fazedor da palavra, Inconsentido, nítido Nós dois passamos porque assim é sempre É singular e raro este tempo inventivo Ci... leia mais

Estatísticas

Desejam78
Trocam2
Avaliações 4.4 / 287
5
ranking 57
57%
4
ranking 29
29%
3
ranking 12
12%
2
ranking 2
2%
1
ranking 0
0%

28%

72%

Helena
cadastrou em:
08/01/2009 04:12:18
Helena
editou em:
28/08/2018 10:46:34