Cada Um Morre Por Si

Cada Um Morre Por Si Hans Fallada


Compartilhe


Cada Um Morre Por Si





Cada um morre por si, romance de Hans Fallada (1893-1947) editado pela CARAMBAIA, começa em Berlim, num dia de junho de 1940. No mesmo prédio em que alguns moradores comemoram a capitulação da França frente à Alemanha nazista, o casal Anna e Otto Quangel recebe a comunicação da morte de seu filho na guerra. É o momento em que os Quangel, até então trabalhadores apolíticos, concentrados em suas obrigações diárias, começam a enxergar as mentiras e o alcance dos tentáculos do regime, que os obriga a viver com medo. Conscientes de sua quase insignificância social, Anna e Otto se empenham num plano de oposição em pequena escala: espalhar pela cidade cartões-postais com mensagens de desnudamento da máquina nazista. Hans Fallada conduz o romance como uma trama policial em que a Gestapo se desdobra na busca pelos autores do ato de subversão, recorrendo a crimes, acusações fabricadas e ao auxílio de malandros e golpistas.

O enredo se baseia na história real de Otto e Elise Hampel. Fallada recebeu em 1946 das mãos de um amigo a sugestão de escrever um romance sobre o caso, acompanhada de cópias dos arquivos da Gestapo relativos ao casal Hampel. A ideia era estimular autores que haviam permanecido na Alemanha durante o nazismo (1933-1945) a escrever sobre o período. Fallada, com a saúde debilitada por décadas de consumo de morfina e álcool, produziu 800 laudas em 24 dias enquanto estava internado numa clínica depois de sofrer um colapso nervoso. Ele morreria em fevereiro de 1947, provavelmente de overdose, sem ver o livro publicado.

Ficção / Literatura Estrangeira

Edições (1)

ver mais
Cada Um Morre Por Si

Similares


Estatísticas

Desejam22
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.6 / 4
5
ranking 80
80%
4
ranking 20
20%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

42%

58%

Marina
cadastrou em:
29/10/2019 09:06:34