Amazônia

Amazônia Ricardo Abramovay


Compartilhe


Amazônia


Por uma economia do conhecimento da natureza




O atual modelo de desenvolvimento, produtivista-consumista, levará muito provavelmente a humanidade à autodestruição. Precisamos denunciar o processo de degradação em curso e construir uma outra forma de organização social e econômica que nos permita viver e conviver harmoniosamente com a natureza, da qual fazemos parte. A Amazônia está no centro do debate sobre a crise ambiental, não apenas para o nosso país, mas para todo o mundo. O estudo aqui publicado, apoiado nas pesquisas mais recentes sobre a região, oferece dados e análises preciosos para interrompermos a “economia de destruição da natureza” e possibilitarmos a emergência de uma “economia do conhecimento da natureza”. O estudo mostra, entre outras coisas, que, até 1960, apenas 1% do território da Amazônia havia sido desmatado, e hoje são 20%. Entre 2004 e 2012, houve significativa redução do desmatamento, mas, depois, voltou a crescer. Em 2016, o Brasil foi o sétimo emissor mundial de gases de efeito estufa: deste total, 51% foram causados pelo desmatamento. Nos últimos meses, tem havido um verdadeiro descontrole por parte do governo em favor de um processo que corre o risco de levar à savanização e desertificação da Amazônia. É possível, demonstra o autor, com apoio em práticas que já ocorrem na Amazônia, mudar a situação, reverter o quadro negativo, valorizar a experiência e a vida dos povos tradicionais, combinar a sua cultura com os avanços da ciência e da tecnologia, apoiar e ampliar as unidades de conservação. Dando o devido valor à maior área de biodiversidade do Planeta, o Brasil tem condições de oferecer uma contribuição global fundamental na luta contra as mudanças climáticas. Esperemos que este trabalho ajude a tomar consciência da gravidade da situação em que nos encontramos, com riscos tanto para o Brasil como para o mundo, e que enveredemos com urgência na mudança de rumo da qual necessitamos.

— Ivo Lesbaupin, no Prefácio



***



Este texto oferece argumentos e dados empíricos para contestar a visão tão frequente de que o crescimento econômico na Amazônia supõe a substituição de áreas florestais (em geral ocupadas por populações indígenas e ribeirinhas) por atividades agropecuárias tradicionais como a soja e a pecuária. Mostra também que a destruição florestal, além de privar o Brasil e o mundo de serviços ecossistêmicos indispensáveis à própria vida, apoia-se em atividades ilegais e, com muita frequência, no banditismo. As consequências do avanço do desmatamento são desastrosas para a economia da Amazônia e para a própria democracia brasileira. No lugar dos laços de confiança que poderiam emergir como resultado da exploração sustentável da floresta em pé, o atual modelo de ocupação da Amazônia fortalece a criminalidade e dissemina a insegurança por toda a região.

— Ricardo Abramovay, na Apresentação

Edições (1)

ver mais
Amazônia

Similares

(6) ver mais
Revolução das plantas
Muito Além da Economia Verde
Ideias para adiar o fim do mundo
Pós-extrativismo e decrescimento

Resenhas para Amazônia (6)

ver mais
Necessário
on 26/3/20


Muito embora seja um livro pequeno, traz uma grande quantidade de informações sobre a importância da floresta e a necessidade de preservá-la. É um livro bom para quem busca um ponto de partida nesse assunto, uma visão geral. Com a leitura já é possível começar a montar diversos argumentos para a defesa da preservação que avaliam o ponto de vista econômico e social. ... leia mais

Estatísticas

Desejam14
Trocam1
Avaliações 4.3 / 22
5
ranking 55
55%
4
ranking 27
27%
3
ranking 18
18%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

34%

66%

Rafa
cadastrou em:
27/11/2019 10:26:31

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR