Os diários de Virginia Woolf

Os diários de Virginia Woolf Virginia Woolf


Compartilhe


Os diários de Virginia Woolf


Diário I – 1915-1919




Este é o primeiro volume de um diário que Virginia Woolf manteve, com alguns hiatos, por 44 anos, desde a adolescência até poucos dias de sua morte. Vivido como uma escrita sem fim, o diário de Virginia Woolf representa o seu anseio por um sistema capaz de incluir tudo, sem distinções – o rasteiro e o sublime, o público e o privado.

No primeiro volume, a jovem de 33 anos, recém-casada e ainda não publicada, retoma a escrita de um projeto de diário que havia interrompido no final da adolescência. As lacunas são um dos principais traços desse início. A vontade de usar o diário como terreno para se consolidar como escritora vê-se agora barrada por dois colapsos mentais que sofreu, primeiro em 1913 – e do qual mal estava recuperada em 1915, quando começa o volume – e em seguida um mês e meio depois de iniciá-lo.

Virginia ainda está encontrando, com grandes dificuldades, sua voz literária e uma forma para o seu diário. Até 1919 ele assumirá o rosto que terá nos anos posteriores, abarcando às vezes em um mesmo parágrafo comentários domésticos, análises literárias e dos acontecimentos da época, trivialidades e trechos de extrema beleza – a aridez do cotidiano lado a lado com o questionamento do espírito.

Grande leitora do gênero que é e com um projeto muito claro para seu diário, Virginia o afasta do estereótipo de texto confessional e o transforma em um campo de testes para seus experimentos, usando-o acima de tudo para observar sempre: o mundo, os outros e, em especial, a si mesma. Assim, o que se vê ao longo de suas centenas de páginas não é o retrato consolidado de uma “única” Virginia Woolf, mas o registro de uma constante mudança. Quando este volume se abre, Virginia e Leonard, que haviam se casado em 1912, estão morando em Richmond, cidade próxima a Londres.

O diário neste início é muitas vezes lido por Leonard, a pedido da própria Virginia. Ela está prestes a publicar seu primeiro romance, The Voyage Out – e o fato de só o mencionar uma vez não significa que não fosse fonte de angústia: muitas vezes no diário ela trata obliquamente os acontecimentos mais impactantes da sua vida. Supõe-se que a expectativa dessa publicação tenha sido um dos gatilhos do seu segundo colapso.

Biografia, Autobiografia, Memórias / Literatura Estrangeira

Edições (1)

ver mais
Os diários de Virginia Woolf

Similares


Resenhas para Os diários de Virginia Woolf (1)

ver mais
Gênio!
on 30/8/21


Leitura deliciosa. Só provou o que eu já esperava de Woolf. A acidez da autora é uma constante. Proporcionou-me gargalhadas estridentes e potentes reflexões. A descrição frequentemente detalhada, maldosa e bizarra (rs) que ela constrói de cada pessoa a sua volta me faz imaginar o que ela pensaria de mim. Será que eu seria só mais uma pessoa medíocre como tantas que ela descreveu? Ou ela desperdiçaria cinco minutos de sua tão preciosa vida pra trocar comigo algumas poucas palavras sobr... leia mais

Estatísticas

Desejam47
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.6 / 12
5
ranking 83
83%
4
ranking 8
8%
3
ranking 0
0%
2
ranking 8
8%
1
ranking 0
0%

15%

85%

Jenifer
cadastrou em:
02/02/2021 23:41:18
Angela
editou em:
04/08/2021 14:01:56

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR