Memórias araucárias

Memórias araucárias Aline Sviatowski


Compartilhe


Memórias araucárias





“As coisas findas, muito mais que lindas, essas ficarão”. Parece que esses versos de “Memória”, de Carlos Drummond de Andrade, foram feitos para dizer quase todos os textos da jovem ponta-grossense Aline Sviatowski, na medida em que paisagens muitas e diversas, que compuseram a infância dessa escritora, dominam as linhas bem escritas: a Ponta Grossa, os Campos Gerais, o gosto de corrimão de casa de polaco, o pierogue, as pêssankas, o perfume de jasmim, o cheiro de comida da avó com cuque, o olhar de revesgueio, “o palhaço é uma caricatura, quiçá um esboço, do que seria o mundo se você sorrisse de si”, um jeito certo de ouvir os Beatles (porque há um jeito errado), Walk of life” - a vida é maratona, pai!, a frequente Sofia e os ovos de Santa Clara, a menina com o bicho carpinteiro no corpo, o cuidado com os gansos!, a japona e a vina paranaenses, as pedras de Vila Velha, o Buraco do Padre, há paraísos perdidos no Paraná, você é uma tonga! , olha o trem! Passerà o menino, passerà a cicatriz e o sangue. Passerà tudo o que pulsa, afoita cerca. Passerà a infância. A memória, contudo, jaz (do latim jacere) no infinito. Aline Sviatowski tem um texto que cria um vínculo com o leitor porque fundamentado no carinho e na leveza com que escreve. Assim como os campos gerais abraçam Ponta Grossa, Aline abraça o leitor – “Pode procurar nos livros de História”. [Élio Antunes]

Ficção

Edições (1)

ver mais
Memórias araucárias

Similares


Estatísticas

Desejam1
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 5.0 / 2
5
ranking 100
100%
4
ranking 0
0%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

50%

50%

Penalux
cadastrou em:
11/10/2021 09:10:51
Penalux
editou em:
18/10/2021 11:48:20

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR