Florianópolis de Ontem

Florianópolis de Ontem Domingos Fossari

Compartilhe


Florianópolis de Ontem





omingos Fossari vivia desenhando ou pintando. Sempre foi assim, desde sua infância, quando começou a paixão pelo traço. Durante a vida de casado, quando trabalhava no Departamento Nacional de Endemias Rurais, pintava de manhã antes do trabalho; pintava quando voltava do trabalho; e pintava nos finais de semana. Fossari teve 8 filhos, dois homens e seis mulheres e morreu em 1987.
Nasceu em 1914 em Itaqui, no Rio Grande do Sul, e casou com a brusquense Irene. Durante a adolescência lia os poemas de Manuelito de Ornellas, que falavam de seres verdes, cheios de mistérios e encantos que mencionavam a Ilha de Santa Catarina.
Uma das obras fundamentais de Fossari é o álbum com 121 desenhos "Florianópolis de Ontem", publicado em 1978 pela editora da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). No livro, o artista desenha cenas de uma cidade que não existe mais.
Segundo recorda a filha Carmen Fossari, atriz e diretora de teatro, o pai possuía uma vertente melancólica, de alguém que tinha saudade do passado, da vida com outros e melhores valores. Em algumas pinturas a óleo há estradas com pontos de fuga no infinito, com a presença de nuvens inquietantes.
O livro "Florianópolis de Ontem" também faz uma homenagem póstuma ao historiador Osvaldo Rodrigues Cabral, que participou da publicação escrendo as legendas dos locais retratados pelo artista. As pequenas linhas de textos de Cabral situam no tempo e no espaço dezenas de sobrados e casarões. Depois de feito o trabalho, Cabral morreria repentinamente em fevereiro de 1978.
No livro, Fossari percorre sobrados do começo do século, ladeiras, telhados e cenas do cotidiano de Florianópolis. Apaixonado por Debret, Fossari fez ao estilo do seu ídolo o registro de costumes, da paisagem humana e arquitetônica, sem os quais não seria possível conhecer cenas da cidade do passado.
O gaúcho de Itaqui era um amante da cidade e registrou o bondinho puxado por burros, os vendedores ambulantes, os portões de ferro trabalhado e a arquitetura rococó. Os desenhos do artista eram provenientes muitas vezes de sua própria memória, quando o modelo original já não existia mais.
Esperidião Amin, prefeito da cidade na época da publicação, escreve na apresentação de "Florianópolis de Ontem" que nos desenhos é possível descobrir "uma cidade que guardava a quietude da província nas suas ruas calmas e a vaidade do seu status de capital nos arabescos da sua frontaria e na pompa de seus solares coloniais".
Fossari estudou desenho clássico em Buenos Aires, no final da década de 30. Trabalhou como desenhista de publicidade em Porto Alegre e estudou a técnica do bico-de-pena com o suíço Vicente Perlasca. No começo da década de 40 veio morar em Florianópolis.
Na Capital, Fossari manteve durante um longo tempo uma seção de caricaturas no jornal "A Gazeta". Também trabalhou no jornal "O Estado" produzindo charges e caricaturas. Desenhou a maior obra científica em botânica de Santa Catarina, com base nas pesquisas de Raulino Reitz, com mais de 120 ilustrações em aquarela sobre bico-de-pena.
Muitas destas ilustrações foram impressas pelo "The Bromeliad Society Bulletim", de Los Angeles, nos EUA. Fossari também lecionou desenho artístico no Curso Normal do Colégio Coração de Jesus e na Casa da Arte. Em 1973 lançou o álbum de caricaturas "Assim os Vejo, Homens do meu Tempo", com desenhos de personalidades.

Edições (1)

ver mais
Florianópolis de Ontem

Similares


Estatísticas

Desejam
Informações não disponíveis
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.3 / 2
5
ranking 50
50%
4
ranking 50
50%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

67%

33%