Memórias da Casa dos Mortos

Memórias da Casa dos Mortos Fiódor Dostoiévski




Memórias da Casa dos Mortos





Memórias da casa dos mortos narra em forma de romance um dos períodos mais difíceis da vida de Dostoiévski (1821-1881): os anos em que passou na prisão. Em 1849, ele foi condenado à morte por debater idéias 'revolucionárias'. Porém, minutos antes do fuzilamento, sua pena acabou sendo comutada por quatro anos de prisão e trabalho forçado na Sibéria. Essa fase, de 1850 a 1854, deixaria marcas profundas no escritor, que transformou a dor do confinamento neste livro.


Publicada em capítulos entre 1860 e 1862 na revista Mundo Russo, a obra beira o relato documental, já que foi construída a partir das anotações que o escritor fez às escondidas, dos diálogos que presenciou e também das suas próprias impressões. Por meio do personagem de Alieksandr Pietróvitch, assassino confesso da própria mulher, Dostoiévski constrói um brutal e minucioso relato do dia-a-dia dos prisioneiros. Aqui, o grande autor perscruta a fundo a alma de cada um deles, revelando o sofrimento físico e mental do cárcere e a progressiva e total anulação da individualidade, sem deixar de lado a crítica a um sistema que fomenta o ódio e que não se preocupa em recuperar os cidadãos para a sociedade.


Memórias da casa dos mortos foi um êxito na época do seu lançamento e abriu uma nova fase na carreira do autor, que nunca se recobrou de ficar frente a frente com o terror e de conviver com homens que não diferenciavam o bem e o mal. É deste enfrentamento que emergem sua grandes obras literárias.

Literatura Estrangeira

Edições (4)

ver mais
Memórias da Casa dos Mortos
Memórias Da Casa Dos Mortos
Memórias da Casa dos Mortos
Memórias Da Casa Dos Mortos

Similares

(3) ver mais
os filhos da rua arbat
Contos de Kolimá
O Processo de Kravchenko

Resenhas para Memórias da Casa dos Mortos (12)

ver mais
Dor
on 8/7/11


Ao terminar de ler este livro, o sentimento que temos é de angústia, solidão...Apesar da liberdade alcançada pelo autor, sentimo-nos como se não houvesse uma liberdade, com o significado de livre, sem amarras, sem correntes. Estamos presos há muitas coisas subjetivas em nossa vida que não nos fazem livres. A angústia de ter que estar com os que nos são próximos, mesma classe, mesmos gostos; nos deixam presos a barreiras sociais dificies de ultrapassar. Sofri muito em vários momentos c... leia mais

Estatísticas

Desejam153
Trocam4
Avaliações 4.2 / 373
5
ranking 45
45%
4
ranking 37
37%
3
ranking 15
15%
2
ranking 2
2%
1
ranking 1
1%

47%

53%

Isis
cadastrou em:
27/03/2009 14:54:22