Rubi de Sangue

Rubi de Sangue Raquel Pagno




Rubi de Sangue


As Bruxas do Vampiro




Carmem sempre ouvira as tristes histórias de Francesca. Adorava cada detalhe, cada frase saída da boca enrugada da avó, mas sentia que a verdade estava escondida entre as linhas de seu rosto, presa num coração saturado de sofrimentos.
Foi numa noite de lua cheia, que ela finalmente lhe contou sobre Miguel.
Um vampiro que a encontrara na guerra na Itália e que a trouxera para o Brasil com a sua filha Teresa nos braços e o seu filho Marco ainda bebé. Ele fizera-a sua prisioneira durante muitos anos e, não contente com as duas filhas gémeas que lhe dera, afastara Marco dela e casara-se com Teresa, amaldiçoando também o seu destino.
A revelação trouxera a explicação sobre os chamados que Carmem ouvia nas noites de solidão e o fascínio que o antigo casarão da família lhe causava. Ela sabia que Miguel estava escondido no casarão e que clamava por ela a cada minuto.
Carmem era a herdeira do Rubi de Sangue e do poderoso sangue das bruxas, o único alimento capaz de saciar o vampiro por completo e que, no entanto, seria mais letal para ele do que qualquer veneno. E era a única capaz de gerar um filho do vampiro e de salvá-lo da extinção.
Quando ela o viu pela primeira vez, o medo e o desejo pareceram unir-se em seu peito. A sensação estonteante que sentiu ao se deparar com os cintilantes olhos de esmeralda, fez seu coração quase parar de bater, e ela fugiu apressada, deixando para trás a sua mochila.
Ana, sua irmã mais nova, instigada com a história de Carmem, obrigou-a a levá-la consigo ao casarão. Miguel não resistiu à tentação do sangue de Ana, e atacou-a sem piedade, mas a visão de Carmem e o cheiro que se desprendia de sua pele fizeram-no parar.
Apavorada, Ana fê-la jurar que jamais tornaria ao casarão, sob a pena de avisar a Francesca que o monstro estava vivo, e com a certeza de que ela cumpriria o destino de usar o seu sangue para acabar com a besta para sempre.
Mas o desejo que Carmem sentira por Miguel, que era próprio das suas espécies condenadas a desejar quem, de facto, jamais poderiam ter, falava mais alto em seu coração e Ana, não suportando ver a irmã morrer aos poucos de tristeza, liberou-a da promessa.
Carmem seguiu o seu caminho rumo ao destino que a aguardava. Miguel desejava o seu sangue, e ela, a imortalidade dele.

Edições (1)

ver mais
Rubi de Sangue

Similares


Resenhas para Rubi de Sangue (1)

ver mais
Resenha: Legado de Sangue - Raquel Pagno
on 7/5/14


''Ele era o próprio demônio encarnado, era o pai das tentações. E eu? Eu era apenas uma Eva sem o seu Adão, presa no paraíso com a serpente.'' Gente! Eu pirei nesse livro! Não é segredo para ninguém que eu sou mega fã dos sobrenaturais, e que vampiros são os meus seres preferidos. Nesse livros da Raquel Pagno, a autora nos mostra uma mitologia diferente, bem original e ainda por cima temos toda a história da herança de sangue das bruxas! É muito bom! Estou acostumada a ler todo o ... leia mais

Estatísticas

Desejam14
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 5.0 / 5
5
ranking 100
100%
4
ranking 0
0%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

27%

73%

Raquel Pagno
cadastrou em:
29/12/2011 22:00:27