Nas peles da cebola

Nas peles da cebola Günter Grass


Compartilhe


Nas peles da cebola


Memórias




O alemão Günter Grass , prêmio Nobel de Lite­ratura de 1999, fez barulho em 2006 com suas memórias. Nelas, assumiu, pela primeira vez que fez parte da Waffen­ SS, a tropa de elite de Hitler. A confissão tardia escandali­zou a Alemanha. Os críticos acharam que Grass deveria ter contado suas aventuras no front antes de ter virado o porta-voz demo­crata e consciência da nação. E que deveria ter feito um mea-culpa mais eloqüente. Mas, em 'Nas peles da Cebola' (Record, 420 págs., tradu­ção de Marcelo Backes), Grass evitou tanto a auto-indulgência como o ato de contrição. Trilhou a via mais difícil: ser sincero com suas lembran­ças, mesmo que imprecisas, e assumir, na velhice, a responsabilidade pelos atos do garoto fascinado pelo nazismo. Sem pedir perdão, exibiu feridas que, para ele, jamais vão cicatrizar.



Grass se concentra em 20 anos de sua formação, que vai do início da Segunda Guerra Mundial à temporada em Pa­ris no fim dos anos 50, quan­do escreveu seu romance mais famoso, O Tambor (1959). Nascido em Danzig (atual Gdansk, Polônia), em 1927, foi criado num minúsculo apartamento alugado. Seus pais tinham um armazém. A mãe o animou a ler e a preciar a arte. Ele foi desenhista antes de escrever livros - e até hoje ilustra seus romances. O menino careteiro e sarcástico se encantou pelo nazismo e fez questão de se alistar aos 15 anos, na juventude Hitlerista. Mais tarde, participou, com convicção, das operações paramilitares da SS, sobreviveu a três ataques - todos os que estavam com ele morreram - foi captura­do pelo Exército americano. Tudo, segundo ele, sem des­ferir um tiro. A história mais curiosa que ele conta se passa no campo de Bad Aibling.



Grass diz ter encontrado um jovem bávaro, Joseph. Por semanas, os dois caçaram mutuamente os piolhos da cabeça, mascaram cominho escondidos e jogaram dados para ver quem teria o futuro mais brilhante. Joseph ganhou a partida. O futuro mostrou que o bávaro seria mais poderoso. Grass ficou famoso como escritor. Joseph sagrou­se papa Bento XVI em 2005.



A atitude impávida e por vezes irônica do autor não tira a emoção do livro. O texto é carregado de lembranças que ele vai descascando como uma cebola. À medida que realiza a tarefa dolorosa, as lágrimas vão caindo sobre as páginas - e se mantêm como rastros nos tipos impressos. Para alguns, lágrimas de crocodilo. Grass extraiu a metáfora da cebola do aforismo do filósofo alemão Arthur Schopenhauer: 'A vida é como uma cebola: você descasca camada a cama­da e descobre que não há nada dentro'. Menos pessimista, Grass descobriu a redenção pela arte, ainda que amarga.

Edições (1)

ver mais
Nas peles da cebola

Similares


Resenhas para Nas peles da cebola (2)

ver mais
on 28/3/09


Grass é sempre um bom autor, mas suas memórias seriam melhores se não fossem suas memórias. Uma coisa é o menino Oskar quebrar vidraçarias com seus berros, outra é o menino Grass amigar-se com o futuro papa alemão em um campo de prisioneiros de guerra. Sem contar que o tom despretensioso, às vezes jocoso e sempre expressamente evitando a auto-comiseração quando trata dos momentos mais sensíveis de sua vida não faz um bom trabalho em convencer a todos os leitores – sejam eles alemães ou... leia mais

Estatísticas

Desejam20
Trocam2
Avaliações 3.7 / 21
5
ranking 24
24%
4
ranking 29
29%
3
ranking 43
43%
2
ranking 5
5%
1
ranking 0
0%

40%

60%

desto_beßer
cadastrou em:
28/03/2009 16:40:59