Annástria

Annástria Selène D'Aquitaine




Annástria


e os Sete Escolhidos




Stellnaja é uma jovem francesa que estuda em um estimado internato exclusivo para garotas. Sua vida era confortavelmente normal até a jovem começar a ter sonhos estranhos. Certa noite a garota descobre que sua vida está prestes a mudar drasticamente ao perceber o surgimento do desenho de uma cobra impregnada em seu pulso. A diretora do internato e tutora de Stellnaja, Anita Collin, revela a sua protegida a verdade sobre o destino que aguardava a jovem menina. O poder de se transformar em cobra é considerado por muitos algum tipo de maldição. Stellnaja aceita sua missão. Ela precisa reunir sete annastrianos que viveram em diferentes épocas e os manter seguros. Cada um dos escolhidos foi escolhido pela deusa de Annástria, Florença. Darin e Ímpar continuam a missão em busca de reunir as penas das asas de Darin, porém a todo momento inimigos tentam fazer com que os jovens fracassem. Satine e seus aliados estão cada vez mais fortes, ela finalmente consegue dominar boa parte da dimensão dos humanos e ameaça perigosamente a missão de Darin e Ímpar. William ainda alimenta esperanças de fazer com que Ímpar se alie a ele. A aventura torna-se cada vez mais tensa. Mistérios sobre o passado de William e Aradios começam a ser revelados.
Stellnaja, uma jovem de mente crítica pouco feliz com a vida no internato junto a sua amiga Gina, descobre poder se transformar em cobra. Ela precisa reunir sete annastrianos e os manter a salvo até o momento certo. Darin e Ímpar enfrentam perigos cada vez mais tensos que podem por a perder tudo o que já conseguiram. O segundo volume da trilogia Annástria é dividido em quatro partes. Em cada parte um personagem diferente toma frente à narrativa e conduz o desenrolar dos acontecimentos.

Edições (2)

ver mais
Annástria
Annástria

Similares

(1) ver mais
Annástria

Resenhas para Annástria (8)

ver mais
Ressaca Literária
on 2/2/13


Se o primeiro livro eu adorei, o segundo não poderia ser diferente. É delicioso observar como os autores nacionais seguem uma linhagem de maravilhosa harmonia. Se o passado nos deixa orgulhosos com os Machados, Clarices e Quintanas da vida, o presente não tem deixado a desejar. Os arautos da cultura nacional, nós escritores, estamos munidos de criatividade e qualidade literária. Mesmo em situações que às vezes eu abomino em livros. Até os de Machado de Assis. Eu me mantive vidrada, ... leia mais

Estatísticas

Desejam14
Trocam9
Avaliações 4.3 / 42
5
ranking 48
48%
4
ranking 38
38%
3
ranking 12
12%
2
ranking 2
2%
1
ranking 0
0%

21%

79%

LaraPolix
cadastrou em:
16/02/2012 20:28:38