A morte do inimigo

A morte do inimigo Hans Keilson


Compartilhe


A morte do inimigo





Alemanha, 1930. Um jovem judeu fica fascinado por um “inimigo” que aos poucos ascende ao poder: B., líder populista cuja propaganda política cria uma atmosfera cada vez mais ameaçadora, opressiva e profundamente antissemita. Diante da barbárie, o protagonista decide assumir uma neutralidade moral, defendendo que, até num duelo de vida ou morte, é preciso levar em conta as razões do inimigo. Assim, distancia-se cada vez mais de seu povo, enquanto se vê progressivamente absorvido pela figura carismática de um ditador.

Publicado em 1959, A morte do inimigo passou cinco décadas relegado ao esquecimento, até ser reconhecido como obra-prima, com reedições na Europa e inúmeras traduções ao redor do mundo. Esta não foi a primeira vez em que o romance desapareceu e tornou a aparecer. Suas cinquenta primeiras páginas ficaram, de fato, enterradas durante a Segunda Guerra Mundial, enquanto Hans Keilson combatia a ocupação nazista na Holanda. Quando o conflito chegou ao fim, o autor pôde enfim concluir sua obra.

Sem nomear a realidade, lançando mão de um recurso original e desafiador - palavras como “Hitler”, “judeu”, “nazista” e “Alemanha” não aparecem uma só vez ao longo do livro -, o autor de Comédia em tom menor demonstra total domínio da construção narrativa, fazendo valer sua alcunha de gênio, concedida em 2010 pelo New York Times. Embora o contexto de A morte do inimigo logo fique claro ao leitor, Keilson cria uma parábola universal, capaz de abarcar qualquer regime totalitário. Mais do que isso, ao revelar os limites da razão diante do Mal, o autor evidencia sua compreensão sensível e aguçada da natureza humana.

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (1)

ver mais
A morte do inimigo

Similares

(10) ver mais
À Espera dos Bárbaros
Europa saqueada
Quem Escreverá Nossa História?
Os Destituídos de Lódz

Resenhas para A morte do inimigo (1)

ver mais
No limbo!
on 24/9/20


Dois amigos, um manuscrito! Neste manuscrito na há nomes! O personagem relata sua história e de seu inimigo, que chama apenas de B, transmitindo a impressão de que ele sabia que não era correto contar aquela história! O escritor vê então a acensão do seu inimigo, relata toda a destruição provocada pelo mesmo, até o final! Na própria sinopse já está relatado, e em nenhum momento do livro é citado quem são os personagens, mas fica tudo muito claro! O final é muito interessante! Mas a esc... leia mais

Estatísticas

Desejam29
Trocam1
Avaliações 3.9 / 23
5
ranking 43
43%
4
ranking 13
13%
3
ranking 35
35%
2
ranking 9
9%
1
ranking 0
0%

46%

54%

Fran
cadastrou em:
09/01/2013 16:00:31
Jenifer
editou em:
09/08/2019 13:33:00